Arquivos de Cibercultura

Google lança novo logotipo e deve renovar visual de seus produtos

No­va iden­ti­da­de vi­su­al da em­pre­sa vi­sa aten­der a uma re­a­li­da­de mó­vel

terça-feira, 1 de setembro de 2015 20:45 Cibercultura, Marketing

O Go­o­gle apre­sen­tou ho­je seu no­vo lo­go­ti­po. No­vos íco­nes tam­bém fo­ram re­ve­la­dos e a em­pre­sa pu­bli­cou um ví­deo em que con­ta seus 17 anos de evo­lu­ção. A no­va iden­ti­da­de vi­su­al, con­for­me in­di­cou a em­pre­sa, vi­sa aten­der a uma re­a­li­da­de mó­vel e a pre­sen­ça do Go­o­gle em di­ver­sas pla­ta­for­mas e ser­vi­ços. Em sua his­tó­ria, com o no­vo lo­go­ti­po que foi lan­ça­do ho­je, a evo­lu­ção da mar­ca Go­o­gle já pas­sou por seis re­for­mu­la­ções.


Novo logotipo do Google foi apresentado hoje

No blog ofi­ci­al da em­pre­sa um post ex­pli­ca as mu­dan­ças. En­quan­to o lo­go­ti­po an­ti­go era per­fei­to pa­ra um mun­do do­mi­na­do pe­los com­pu­ta­do­res desk­top, ho­je a na­ve­ga­ção na web tam­bém acon­te­ce mui­to em dis­po­si­ti­vos mó­veis. Por is­so eles re­for­mu­la­ram o lo­go­ti­po pa­ra que ele fi­que bo­ni­to em smartpho­nes, ta­blets, te­las gran­des e, tam­bém, em ou­tras in­ter­fa­ces, co­mo car­ros e re­ló­gi­os in­te­li­gen­tes.
Leia mais

GP do Brasil de F1 lança comercial narrado por “Taca-le pau, Marcos”

Su­ces­so vi­ral do ví­deo foi de­ter­mi­nan­te pa­ra es­co­lha da cam­pa­nha

sexta-feira, 12 de setembro de 2014 19:00 Cibercultura, Publicidade

No úl­ti­mo dia 10 de se­tem­bro, o Gran­de Prê­mio do Bra­sil de Fór­mu­la 1 pu­bli­cou em seu ca­nal do You­tu­be o ví­deo pa­ra di­vul­gar a cor­ri­da de 2014 no au­tó­dro­mo de In­ter­la­gos, em São Pau­lo. O ví­deo é uma cri­a­ção da agên­cia NEOGAMA/​BBH.

A gran­de sa­ca­da que cha­ma bas­tan­te aten­ção no co­mer­ci­al é a nar­ra­ção que, ao in­vés de usar uma voz co­nhe­ci­da das nar­ra­ções de cor­ri­das, co­mo a do lo­cu­tor Gal­vão Bu­e­no, foi fei­ta pe­lo ga­ro­to Le­an­dro, 9 anos, que ga­nhou fa­ma com o ví­deo “Taca-​le pau, Mar­cos”, que já foi as­sis­ti­do e com­par­ti­lha­do por mi­lhões de usuá­rio da in­ter­net.


Vídeo promocional do GP do Brasil de F1 com a narração do garoto Leandro

No­ta­da­men­te, não é a pri­mei­ra vez que um ví­deo que fez su­ces­so e foi vi­ra­li­za­do na in­ter­net ser­ve co­mo re­fe­rên­cia pa­ra cri­a­ção de pe­ças pu­bli­ci­tá­ri­as. E es­te ca­so do co­mer­ci­al do GP Bra­sil de F1 mos­tra, mais uma vez, que es­ta al­ter­na­ti­va, quan­do bem tra­ba­lha­da, po­de ser in­te­res­san­te e ge­rar um bom fe­ed­back do pú­bli­co.
Leia mais

Como o lançamento do novo iPhone 6 da Apple pode mudar sua vida?

Gad­gets es­tão trans­for­man­do a nos­sa for­ma de pen­sar, agir e in­te­ra­gir

terça-feira, 9 de setembro de 2014 14:44 Cibercultura, Reflexão, Tecnologia

Ho­je a Ap­ple apre­sen­tou o no­vo iPho­ne 6. O pri­mei­ro iPho­ne, cri­a­do em 2007, foi um dos pro­du­tos que in­cen­ti­vou uma re­vo­lu­ção no mer­ca­do de te­le­fo­nes ce­lu­la­res, cri­an­do o con­cei­to de smartpho­ne, o “te­le­fo­ne in­te­li­gen­te”. Es­tes apa­re­lhos uti­li­zam um sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal – co­mo nos com­pu­ta­do­res –, em­pre­gam tec­no­lo­gi­as avan­ça­das, aces­so à in­ter­net e uma in­fi­ni­da­de de apli­ca­ti­vos com di­ver­sas uti­li­da­des.

Além dos smartpho­nes, ou­tros pro­du­tos tec­no­ló­gi­cos es­tão sen­do cri­a­dos pa­ra “fa­ci­li­tar” nos­sa vi­da. Co­nhe­ci­dos co­mo gad­gets, es­sas “en­ge­nho­cas” são ca­da vez mais de­se­ja­das pe­las pes­so­as, co­mo os ta­blets e, ago­ra, os re­ló­gi­os. Em co­mum, uma ca­rac­te­rís­ti­ca mar­can­te é que gran­de par­te das fun­ci­o­na­li­da­des des­tes equi­pa­men­tos de­pen­dem de uma co­ne­xão com a In­ter­net. As­sim, po­de­mos ava­li­ar que, por meio dos gad­gets, as pes­so­as se tor­nam ex­ten­sões da In­ter­net e, ca­da vez mais, são de­pen­den­tes de seus re­cur­sos.

Es­te é um mer­ca­do que cres­ce ano após ano. Mas, além da ques­tão mer­ca­do­ló­gi­ca e tec­no­ló­gi­ca, há uma ques­tão im­por­tan­te, que é a in­fluên­cia des­tes no­vos equi­pa­men­tos nas mu­dan­ças dos há­bi­tos so­ci­ais. Por is­so, o tí­tu­lo des­te tex­to é es­ta per­gun­ta: “Co­mo o lan­ça­men­to do no­vo iPho­ne 6 da Ap­ple po­de mu­dar sua vi­da?”.
Leia mais

A Comunicação segue por novos caminhos – caminhos sem volta

Trans­for­ma­ções na Co­mu­ni­ca­ção in­flu­en­ci­am há­bi­tos das pes­so­as

quinta-feira, 24 de abril de 2014 19:20 Cibercultura, Comunicação, Publicidade

Trans­for­ma­ções. Es­tá pa­la­vra re­su­me de for­ma cla­ra o ce­ná­rio atu­al do cam­po da Co­mu­ni­ca­ção. As mu­dan­ças são cons­tan­tes e es­ti­mu­la­das pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as que são em­pre­ga­das na pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de con­teú­dos. Es­ses avan­ços tec­no­ló­gi­cos in­cen­ti­vam, tam­bém, as mu­dan­ças de há­bi­tos das pes­so­as.

Nes­te con­tex­to, a In­ter­net, in­dis­cu­ti­vel­men­te, pro­por­ci­o­nou as mai­o­res re­vo­lu­ções. Gra­ças à seu di­na­mis­mo e ime­di­a­tis­mo, os veí­cu­los tra­di­ci­o­nais pre­ci­sa­ram ser re­con­fi­gu­ra­dos pa­ra se adap­tar as no­vas de­man­das da au­di­ên­cia pa­ra so­bre­vi­ver. As no­tí­ci­as vei­cu­la­das no im­pres­so, co­mo em jor­nais e re­vis­tas, já são “ve­lhas” quan­do che­gam aos lei­to­res. No for­ma­to im­pres­so, pa­ra as no­tí­ci­as te­rem mais va­lor, elas pre­ci­sam car­re­gar in­for­ma­ções ex­tras, aná­li­ses ou opi­niões de es­pe­ci­a­lis­tas. No rá­dio, as mú­si­cas que são to­ca­das co­mo “no­vi­da­des” po­dem não ser tão no­vas pa­ra os ou­vin­tes. A co­ber­tu­ra ao vi­vo de even­tos e no­tí­ci­as tam­bém mu­dou, tan­to no rá­dio quan­to na TV, uma vez que qual­quer pes­soa com um smartpho­ne, por exem­plo, po­de com­par­ti­lhar ví­de­os, ima­gens e sons, em tem­po re­al, em su­as re­des so­ci­ais na In­ter­net, mui­tas ve­zes se an­te­ci­pan­do à co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca con­ven­ci­o­nal. E a pu­bli­ci­da­de tam­bém en­fren­ta es­te no­vo ce­ná­rio. Pa­ra “fa­lar” com os con­su­mi­do­res, os anun­ci­an­tes pre­ci­sam fa­zer com que su­as men­sa­gens cir­cu­lem nos ca­nais cer­tos, aque­les on­de seus pú­bli­cos par­ti­ci­pam, se in­te­res­sam e se en­ga­jam.
Leia mais

Buraco negro

quarta-feira, 6 de outubro de 2010 08:30 Cibercultura, Comunicação, Reflexão

É alar­man­te o vo­lu­me de ma­te­ri­ais de má qua­li­da­de e de bai­xa pro­fun­di­da­de que são pro­du­zi­dos e que ga­nham, ca­da vez mais, es­pa­ços nas mí­di­as de mas­sa. E, pi­or do que to­do es­se li­xo cul­tu­ral, são os ma­te­ri­ais com men­sa­gens ofen­si­vaspre­ju­di­ci­ais que es­tão ao al­can­ce de to­dos.

A in­ter­net é uma das mí­di­as que mais con­tri­bu­em pa­ra cons­truir es­sa re­a­li­da­de. Pri­mei­ro, gra­ças à vul­ne­ra­bi­li­da­de de mo­de­ra­ção dos con­teú­dos pu­bli­ca­dos, já que blogs, pá­gi­nas pes­so­ais, fó­runs de dis­cus­são, re­des so­ci­ais e ou­tras fer­ra­men­tas, ge­ral­men­te, con­tam ape­nas com o “con­tro­le edi­to­ri­al” de seus au­to­res e par­ti­ci­pan­tes.
Leia mais

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio