Como o lançamento do novo iPhone 6 da Apple pode mudar sua vida?

Gad­gets es­tão trans­for­man­do a nos­sa for­ma de pen­sar, agir e in­te­ra­gir

terça-feira, 9 de setembro de 2014 14:44 Cibercultura, Reflexão, Tecnologia

Ho­je a Ap­ple apre­sen­tou o no­vo iPho­ne 6. O pri­mei­ro iPho­ne, cri­a­do em 2007, foi um dos pro­du­tos que in­cen­ti­vou uma re­vo­lu­ção no mer­ca­do de te­le­fo­nes ce­lu­la­res, cri­an­do o con­cei­to de smartpho­ne, o “te­le­fo­ne in­te­li­gen­te”. Es­tes apa­re­lhos uti­li­zam um sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal – co­mo nos com­pu­ta­do­res –, em­pre­gam tec­no­lo­gi­as avan­ça­das, aces­so à in­ter­net e uma in­fi­ni­da­de de apli­ca­ti­vos com di­ver­sas uti­li­da­des.

Além dos smartpho­nes, ou­tros pro­du­tos tec­no­ló­gi­cos es­tão sen­do cri­a­dos pa­ra “fa­ci­li­tar” nos­sa vi­da. Co­nhe­ci­dos co­mo gad­gets, es­sas “en­ge­nho­cas” são ca­da vez mais de­se­ja­das pe­las pes­so­as, co­mo os ta­blets e, ago­ra, os re­ló­gi­os. Em co­mum, uma ca­rac­te­rís­ti­ca mar­can­te é que gran­de par­te das fun­ci­o­na­li­da­des des­tes equi­pa­men­tos de­pen­dem de uma co­ne­xão com a In­ter­net. As­sim, po­de­mos ava­li­ar que, por meio dos gad­gets, as pes­so­as se tor­nam ex­ten­sões da In­ter­net e, ca­da vez mais, são de­pen­den­tes de seus re­cur­sos.

Es­te é um mer­ca­do que cres­ce ano após ano. Mas, além da ques­tão mer­ca­do­ló­gi­ca e tec­no­ló­gi­ca, há uma ques­tão im­por­tan­te, que é a in­fluên­cia des­tes no­vos equi­pa­men­tos nas mu­dan­ças dos há­bi­tos so­ci­ais. Por is­so, o tí­tu­lo des­te tex­to é es­ta per­gun­ta: “Co­mo o lan­ça­men­to do no­vo iPho­ne 6 da Ap­ple po­de mu­dar sua vi­da?”.

O iPho­ne 6, de fa­to, foi só o pre­tex­to pa­ra con­tex­tu­a­li­zar es­ta re­fle­xão e agu­çar sua aten­ção. Na ver­da­de, o ob­je­ti­vo é ir mui­to além de­le. É pen­sar nas in­fluên­ci­as da tec­no­lo­gia, da In­ter­net e das re­des so­ci­ais em nos­sas vi­das. É ava­li­ar co­mo es­tas “coi­sas” es­tão con­tri­buin­do pa­ra mu­dar a nos­sa for­ma de pen­sar, de agir e de in­te­ra­gir.

As­sim, re­for­mu­lan­do a per­gun­ta: “Co­mo os gad­gets e a In­ter­net po­dem mu­dar sua vi­da?”. Ca­da um de nós en­con­tra­rá su­as pró­pri­as res­pos­tas. Mas, uma coi­sa é cer­ta. Se vo­cê acre­di­ta e jul­ga que es­tá li­vre das in­fluên­ci­as da tec­no­lo­gia e da In­ter­net nos seus há­bi­tos so­ci­ais, vo­cê es­tá com­ple­ta­men­te en­ga­na­do – a me­nos que vi­va nu­ma tri­bo iso­la­da da hu­ma­ni­da­de. Vi­ve­mos nu­ma so­ci­e­da­de co­nec­ta­da, uma so­ci­e­da­de em re­de. Por mais que um in­di­ví­duo fa­ça a es­co­lha de não uti­li­zar de­ter­mi­na­das tec­no­lo­gi­as, de não es­tar co­nec­ta­do a In­ter­net, de não par­ti­ci­par de re­des so­ci­ais, in­de­pen­den­te dos mo­ti­vos, mes­mo as­sim, ele so­fre­rá as in­fluên­ci­as, pois a mai­o­ria dos in­di­ví­du­os com que con­vi­ve mu­da­ram seus há­bi­tos por ado­ta­rem as no­vas tec­no­lo­gi­as, a In­ter­net, as re­des so­ci­ais. Por­tan­to, é utó­pi­co acre­di­tar que é pos­sí­vel não ser in­flu­en­ci­a­do por es­sas mu­dan­ças.

O lan­ça­men­to do iPho­ne 6 da Ap­ple não foi ape­nas mais uma apre­sen­ta­ção de um no­vo gad­get e seus re­cur­sos. Es­te fa­to re­tro­a­li­men­tou es­te pro­ces­so de mu­dan­ças de há­bi­tos da so­ci­e­da­de e é um es­tí­mu­lo pa­ra que mais pes­so­as par­ti­ci­pem des­tas trans­for­ma­ções. Não só o iPho­ne 6, mas a In­ter­net e os no­vos pro­du­tos tec­no­ló­gi­cos, já mu­da­ram nos­sas vi­das e nos­sas re­la­ções pes­so­ais, nos­sos há­bi­tos so­ci­ais, nos­sa for­ma de se co­mu­ni­car. Ago­ra, ca­be a ca­da um nós, ava­li­ar as mu­dan­ças, quais são os pon­tos po­si­ti­vos que po­dem ser apro­vei­ta­dos e quais são os pon­tos ne­ga­ti­vos que de­vem ser evi­ta­dos.

As mudanças

Des­de que o in­di­ví­duo co­mum te­ve aces­so a In­ter­net, as mu­dan­ças so­ci­ais são per­cep­tí­veis. En­tre as prin­ci­pais, po­de­mos ci­tar a ob­ten­ção de in­for­ma­ções, que é mais fá­cil e rá­pi­da, qua­se que ins­tan­tâ­nea, e a co­mu­ni­ca­ção en­tre as pes­so­as – pró­xi­mas ou dis­tan­tes – que es­tá em apri­mo­ra­men­to cons­tan­te. Ca­da vez é mais rá­pi­do, fá­cil e ba­ra­to tro­car de men­sa­gens de tex­tos e de voz, do­cu­men­tos e ar­qui­vos, com­par­ti­lhar fo­tos e ví­de­os, etc. Po­rém, é pre­ci­so se edu­car pa­ra apren­der a usar es­tes re­cur­sos da for­ma cor­re­ta, sem ex­ces­sos e dis­tor­ções. Afi­nal, bas­ta fa­zer uma bre­ve aná­li­se pa­ra per­ce­ber o quan­to é di­fí­cil ad­mi­nis­trar o ex­ces­so de in­for­ma­ções e de “co­ne­xões” com ou­tras pes­so­as.

É pre­ci­so ana­li­sar e en­ten­der os re­cur­sos ofe­re­ci­dos pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as pa­ra sa­ber usá-​los pa­ra o seu bem. Por mais in­te­res­san­tes que pos­sam pa­re­cer, é pru­den­te evi­tar o uso ex­ces­si­vo pa­ra não se tor­nar um “in­di­ví­duo vir­tu­al”, aque­le em que é mais fá­cil se co­mu­ni­car por meio dos gad­gets do que de for­ma re­al. Por is­so, é im­por­tan­te es­ta­be­le­cer cer­tas re­gras de uso, co­mo ho­rá­ri­os, lo­cais e si­tu­a­ções. Pa­ra mui­tas pes­so­as, o uso ex­ces­si­vo des­tas tec­no­lo­gi­as e da In­ter­net é con­si­de­ra­do um ví­cio, tor­nan­do o in­di­ví­duo um “es­cra­vo vir­tu­al”. E, se re­al­men­te não de­fi­nir­mos bem os li­mi­tes, po­de­mos ter que en­fren­tar es­sa de­pen­dên­cia que po­de nos tra­zer mui­tos pro­ble­mas pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais.

, ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio