O valor do briefing e da aprovação

sexta-feira, 1 de Março de 2013 10:13 Comunicação, Propaganda, Publicidade

O fo­co do tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção e pu­bli­ci­da­de, ge­ral­men­te, es­tá na cri­a­ção. Po­rém, pa­ra ela­bo­rar um bom tra­ba­lho é pre­ci­so es­tar abas­te­ci­do de bo­as in­for­ma­ções. Sem elas, a cri­a­ção ca­mi­nha “nas nu­vens”, no de­va­neio. Além dis­so, por fim, to­do tra­ba­lho, pa­ra ser pu­bli­ca­do, pre­ci­sa ser apro­va­do pe­lo cli­en­te. É ele que pa­ga a con­ta. As­sim, du­as eta­pas são de fun­da­men­tal im­por­tân­cia pa­ra o tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção: o bri­e­fing e a apro­va­ção.

O bri­e­fing é a pri­mei­ra eta­pa pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de uma pe­ça ou cam­pa­nha de co­mu­ni­ca­ção. Es­te do­cu­men­to de­ve apre­sen­tar in­for­ma­ções de­ta­lha­das do cli­en­te, seus pro­du­tos e ser­vi­ços, pre­ços e for­mas de pa­ga­men­to, es­tra­té­gi­as e ob­je­ti­vos de mar­ke­ting, con­cor­ren­tes di­re­tos e in­di­re­tos, van­ta­gens e des­van­ta­gens dos pro­du­tos e ser­vi­ços, his­tó­ri­co e ob­je­ti­vos de co­mu­ni­ca­ção, per­fil dos con­su­mi­do­res, de­ta­lhes dos pon­tos de ven­da, etc.

Com as in­for­ma­ções con­ti­das no bri­e­fing, inicia-​se as ati­vi­da­des de pla­ne­ja­men­to e cri­a­ção. As­sim, bri­e­fing bem ela­bo­ra­do é meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra a co­mu­ni­ca­ção con­quis­tar bons re­sul­ta­dos. Com in­for­ma­ções con­sis­ten­tes em mãos, os pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção te­rão me­lho­res con­di­ções pa­rar pro­por so­lu­ções pa­ra o cli­en­te. Por­tan­to, deve-​se va­lo­ri­zar e exe­cu­tar o bri­e­fing com téc­ni­ca e de­di­ca­ção pa­ra evi­tar de­cep­ções pos­te­ri­o­res.

De­pois do pla­ne­ja­men­to de­fi­nir a es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção e a cri­a­ção ela­bo­rar as pro­pos­tas pa­ra apre­sen­tar pa­ra o cli­en­te, che­ga a eta­pa de apro­va­ção. Ela é tão im­por­tan­te quan­to as de­mais. É o mo­men­to em que a agên­cia ou pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção es­ta­be­le­ce os de­ta­lhes fi­nais com o cli­en­te. E, nes­te pon­to, po­dem ocor­rer gran­des al­te­ra­ções – ou dis­tor­ções – em re­la­ção ao que foi le­van­ta­do no bri­e­fing e ela­bo­ra­do pe­lo pla­ne­ja­men­to e cri­a­ção.

Mui­tas ve­zes, os cli­en­tes apon­tam vá­ri­os “acer­tos” sem qual­quer em­ba­sa­men­to téc­ni­co ou ob­je­ti­vo pa­ra de­ter­mi­nar as mu­dan­ças. Os cri­té­ri­os ado­ta­dos, ge­ral­men­te, es­tão as­so­ci­a­dos a sua per­cep­ção ma­cro do ne­gó­cio, que­ren­do trans­mi­tir o má­xi­mo de in­for­ma­ção sem com­pre­en­der a ob­je­ti­vi­da­de e as pe­cu­li­a­ri­da­des de ca­da pe­ça de co­mu­ni­ca­ção e co­mo elas são in­ter­pre­ta­das pe­los es­pec­ta­do­res – con­su­mi­do­res ou não.

Di­an­te des­ta si­tu­a­ção, o pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção de­ve ter fle­xi­bi­li­da­de e hu­mil­da­de pa­ra acei­tar as bo­as in­di­ca­ções que fo­rem fei­tas pe­lo cli­en­te. Mas, tam­bém, pre­ci­sa ter co­nhe­ci­men­to téc­ni­co e se­gu­ran­ça pa­ra apon­tar – e con­tra­ri­ar, se for o ca­so – os pon­tos que irão pre­ju­di­car a co­mu­ni­ca­ção, jus­ti­fi­can­do com ar­gu­men­tos só­li­dos pa­ra con­ven­cer o cli­en­te.

Não se acei­ta mu­dan­ças ten­do cons­ci­ên­cia de que po­dem ge­rar pro­ble­mas na co­mu­ni­ca­ção ou tor­nar as pe­ças ou a cam­pa­nha ine­fi­caz. É pa­pel do pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção ori­en­tar o cli­en­te e va­lo­ri­zar seu in­ves­ti­men­to, evi­tan­do des­per­dí­cio de di­nhei­ro. Se­guir adi­an­te ape­nas pa­ra con­cluir lo­go o tra­ba­lho e re­ce­ber o pa­ga­men­to é uma pos­tu­ra ina­cei­tá­vel.

Pa­ra con­cluir, co­mo exem­plo do que foi apre­sen­ta­do nes­te ar­ti­go, va­le as­sis­tir o ví­deo:


Exemplo do que pode acontecer no desenvolvimento do trabalho de comunicação

E vo­cê? Qual é a sua opi­nião so­bre as eta­pas de bri­e­fing e apro­va­ção? Co­men­te!

, ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio