O que você vai ser quando crescer?

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012 13:45 Etc, Reflexão

Lembro-​me que, na in­fân­cia, as pes­so­as per­gun­ta­vam o que eu se­ria quan­do cres­cer. De tan­to ou­vir es­ta per­gun­ta, em vá­ri­os mo­men­tos tam­bém me per­gun­tei so­bre o fu­tu­ro. As res­pos­tas fo­ram mui­tas, con­tan­do com al­ter­na­ti­vas ge­nui­na­men­te in­fan­tis, co­mo ser super-​herói ou jo­ga­dor de fu­te­bol, e ou­tras bá­si­cas e tra­di­ci­o­nais, co­mo ser mé­di­co, en­ge­nhei­ro, ad­vo­ga­do e, até mes­mo, ban­cá­rio. Afi­nal, meu pai foi ban­cá­rio e ain­da ho­je, às ve­zes, vol­ta com o mes­mo pa­po de que po­de­ria ter se­gui­do a sua profissão.

Ape­sar das op­ções, te­nho cer­te­za de que, na in­fân­cia, não apon­tei al­gu­ma pro­fis­são re­la­ci­o­na­da à co­mu­ni­ca­ção, co­mo as de jor­na­lis­ta ou de pu­bli­ci­tá­rio. Re­al­men­te, a mi­nha es­co­lha não foi ins­pi­ra­da pe­la op­ções da in­fân­cia, mas sim, pri­mei­ra­men­te, por con­sequên­cia das opor­tu­ni­da­des que sur­gi­ram na mi­nha vi­da. Pos­te­ri­or­men­te, e mais im­por­tan­te do que to­das as opor­tu­ni­da­des, foi o fa­to de que me iden­ti­fi­quei e me apai­xo­nei pe­la mi­nha pro­fis­são. As­sim co­mo eu, in­dis­cu­ti­vel­men­te, mui­tas pes­so­as aca­bam não es­co­lhen­do as su­as pro­fis­sões, mas sim, sen­do es­co­lhi­das por elas.

É nes­te pon­to que pre­ci­sa­mos re­fle­tir so­bre a per­gun­ta “o que vo­cê vai ser quan­do cres­cer?”. É ób­vio que, pa­ra al­gu­mas pes­so­as, a res­pos­ta é – ou foi – bem cla­ra. Po­rém, pa­ra ou­tras, não é – e, tal­vez, nun­ca se­ja. Além dis­so, mui­tas ve­zes, as cir­cuns­tân­ci­as da vi­da aca­bam ge­ran­do di­fi­cul­da­des pa­ra que as pes­so­as con­quis­tem a pro­fis­são so­nha­da, o que aca­ba levando-​os à ne­ces­si­da­de de ter que op­tar por pro­fis­sões “al­ter­na­ti­vas”.

De qual­quer for­ma, es­co­lher ou pre­ci­sar op­tar por uma pro­fis­são é sem­pre uma ta­re­fa com­ple­xa. A de­ci­são exi­ge que a pes­soa le­ve em con­si­de­ra­ção di­ver­sos fa­to­res – emo­ci­o­nais, ra­ci­o­nais, so­ci­ais, cul­tu­rais. As­sim, a res­pos­ta pa­ra es­ta per­gun­ta é re­fle­xo das am­bi­ções do in­di­ví­duo, de­se­jos, va­lo­res, ide­ais, e mui­tas ou­tras coi­sas. Por­tan­to, to­dos nós de­ve­mos re­fle­tir bas­tan­te no mo­men­to em que fa­ze­mos es­tá “sim­ples” per­gun­ta à uma cri­an­ça. Ge­ral­men­te, no pa­pel de in­ter­lo­cu­tor, não con­si­de­ra­mos as pos­sí­veis con­sequên­ci­as – po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas – que a ques­tão aca­ba ge­ran­do nas as­pi­ra­ções pro­fis­si­o­nais e pes­so­ais do fu­tu­ro adul­to e fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal, as­sim co­mo tam­bém des­con­si­de­ra­mos os im­pac­tos que a mes­ma per­gun­ta acar­re­ta na la­pi­da­ção de per­so­na­li­da­de da­que­les que es­tão sen­do questionados. 

A pro­fis­são que o in­di­ví­duo irá es­co­lher – ou ser es­co­lhi­do – não de­ve ser ape­nas aque­la que os seus pais de­se­jam, nem as que ser­vem co­mo uma op­ção pa­ra bus­car sta­tus ou pos­si­bi­li­da­des de mai­o­res ga­nhos fi­nan­cei­ros. Não há uma pro­fis­são que é me­lhor do que ou­tra, ape­sar das gran­des di­fe­ren­ças de re­mu­ne­ra­ções mé­di­as. To­das as ati­vi­da­des têm seu va­lor e de­vem ser res­pei­ta­das. O mais im­por­tan­te é que a car­rei­ra que a pes­soa es­co­lher tra­ga sa­tis­fa­ção, fe­li­ci­da­de na ro­ti­na de tra­ba­lho, que crie as­pi­ra­ções de cres­ci­men­to e, prin­ci­pal­men­te, or­gu­lho do que se faz.

Por­tan­to, a ques­tão “o que vo­cê vai ser quan­do cres­cer?”, que po­de pa­re­cer tão sim­ples, na ver­da­de é um as­sun­to de gran­de im­por­tân­cia, me­re­ce nos­so de­ba­te e de­ve ser tra­ta­do com mui­ta aten­ção, prin­ci­pal­men­te quan­do nós, adul­tos, es­ta­mos li­dan­do com as cri­an­ças e ado­les­cen­tes, ori­en­tan­do e, até mes­mo, in­flu­en­ci­an­do as su­as escolhas.

, ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio