Para o bem da natureza. Será?

terça-feira, 7 de dezembro de 2010 15:14 Marketing, Propaganda

O apre­sen­ta­dor glo­bal Lu­ci­a­no Huck é no­vo o ga­ro­to pro­pa­gan­da da Hon­da. No co­mer­ci­al, a mar­ca mos­tra o pi­o­nei­ris­mo no de­sen­vol­vi­men­to de mo­to­ci­cle­tas com a tec­no­lo­gia de mo­to­res bi-​combustível. O ro­tei­ro é sim­ples, mas con­ta com uma be­la pro­du­ção de ima­gens – o mí­ni­mo que se po­de­ria es­pe­rar de um tra­ba­lho exe­cu­ta­do pe­la agên­cia DM9. A men­sa­gem do co­mer­ci­al de­mons­tra uma pre­o­cu­pa­ção da em­pre­sa com a pre­ser­va­ção da na­tu­re­za.

Até es­te pon­to, não há na­da que ul­tra­pas­se o tri­vi­al. No en­tan­to, o que des­per­ta a aten­ção é jus­ta­men­te a es­co­lha de Lu­ci­a­no Huck pa­ra o pa­pel. Fa­mo­so, ca­ris­má­ti­co, edu­ca­do – se­ria o apre­sen­ta­dor a pes­soa ide­al pa­ra re­pre­sen­tar a mar­ca Hon­da nes­ta ação de eco­mar­ke­ting?


Novo comercial da Honda apresenta tecnologia bi-combustível

Imagem

De­ve­mos con­si­de­rar que a ima­gem não es­tá so­men­te na fi­gu­ra, ge­ral­men­te per­so­ni­fi­ca­da, que a mí­dia apre­sen­ta ao pú­bli­co. A ima­gem do per­so­na­gem, mui­tas ve­zes, ex­tra­po­la os li­mi­tes da fic­ção, agre­gan­do as ca­rac­te­rís­ti­ca e as qua­li­da­des – bo­as e ruins – do in­di­ví­duo.

Is­so ge­ra um con­fli­to no es­pec­ta­dor da pu­bli­ci­da­de que, ao ser ex­pos­to à ela, en­xer­ga­rá em al­guns mo­men­tos o per­so­na­gem e, em ou­tros, a pes­soa. Es­ta fu­são en­tre o per­so­na­gem e o in­di­ví­duo ex­põe as ca­rac­te­rís­ti­cas des­sas du­as fa­ce­tas e su­as re­pre­sen­ta­ções so­ci­ais.

As­sim, ao ana­li­sar uma pe­ça pu­bli­ci­tá­ria, é pre­ci­so en­ten­der que os es­pec­ta­do­res fa­rão co­ne­xões en­tre a men­sa­gem que es­tá sen­do pro­pos­ta, a fic­ção e a re­a­li­da­de. Des­sa ma­nei­ra, tan­to a fic­ção quan­to os fa­tos da vi­da re­al po­de­rão ser, to­dos eles, con­si­de­ra­dos. Po­rém, de an­te­mão, lem­bro que nes­te ca­so es­pe­cí­fi­co do co­mer­ci­al da Hon­da é pre­ci­so se ater a um fa­to con­cre­to e es­pe­cí­fi­co – e im­por­tan­te – pa­ra se re­a­li­zar uma ava­li­a­ção cri­te­ri­o­sa.

Fato

Em 5 de agos­to de 2009, a edi­ção 2124 da re­vis­ta Ve­ja trou­xe uma ma­té­ria so­bre a de­gra­da­ção da na­tu­re­za em An­gra dos Reis. En­tre as mui­tas ir­re­gu­la­ri­da­des, es­ta­va uma man­são de Lu­ci­a­no Huck na ilha das Pal­mei­ras.

Se­gun­do a re­vis­ta, o apre­sen­ta­dor te­ria si­do aci­o­na­do pois a cons­tru­ção de sua ca­sa es­tá so­bre o espelho-d’água e as ro­chas – si­tu­a­ção a qual re­cor­reu e ga­nhou – e, tam­bém, por uma dra­ga­gem com o ob­je­ti­vo de cons­truir uma praia ar­ti­fi­ci­al sem ter a de­vi­da li­cen­ça am­bi­en­tal pa­ra realizá-​la.

Ain­da no tex­to, a úni­ca fra­se atri­buí­da a Huck é “Não es­tou pre­o­cu­pa­do. Mas acho im­por­tan­te que o po­der pú­bli­co dei­xe as re­gras mais cla­ras”.

Mensagem

Queremos ajudar a preservar o meio-ambiente e a produzir motocicletas em sintonia com a natureza e o Brasil. Só uma marca como a Honda poderia lançar as primeiras motos flex do mundo. Uma tecnologia desenvolvida aqui no Brasil, mas pensada para o mundo – um mundo melhor. Linha Honda Flex 2011: uma iniciativa verde e amarela para um planeta mais azul.

A pri­mei­ra pa­la­vra pro­nun­ci­a­da no co­mer­ci­al é “que­re­mos” – con­ju­ga­ção no pre­sen­te da pri­mei­ra pes­soa do plu­ral do ver­bo que­rer. Ape­sar de ocul­tar o su­jei­to “nós”, a as­so­ci­a­ção en­tre o apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck e a mar­ca Hon­da fi­ca evi­den­te – jun­tos dis­cur­sam em “de­fen­sa” de uma cau­sa eco­ló­gi­ca. Por­tan­to, no co­mer­ci­al, Huck é a voz que fa­la em no­me da Hon­da.

Con­si­de­ran­do a po­si­ção de­mons­tra­da pe­lo apre­sen­ta­dor no epi­só­dio da dra­ga­gem ir­re­gu­lar em An­gra dos Reis, em que de­cla­rou à re­vis­ta Ve­ja que não es­ta­va pre­o­cu­pa­do e que o po­der pú­bli­co de­ve­ria ser mais trans­pa­ren­te nas ques­tões le­gais, po­de­mos con­cluir que a es­co­lha de­le pa­ra pro­fe­rir o dis­cur­so foi, no mí­ni­mo, in­co­e­ren­te – des­vir­tu­an­do o ob­je­ti­vo ins­ti­tu­ci­o­nal que es­tá sen­do de­fen­di­do pe­la Hon­da nes­te co­mer­ci­al.

Pa­ra o es­pec­ta­dor que as­sis­te o co­mer­ci­al e des­co­nhe o fa­to no­ti­ci­a­do na im­pren­sa, a men­sa­gem aca­ba sen­do trans­mi­ti­da, mo­men­ta­ne­a­men­te, sem pre­juí­zo. Po­rém, pa­ra aque­les que já sa­bi­am do acon­te­ci­do, a men­sa­gem per­de a cre­di­bi­li­da­de e se tor­na con­tra­di­tó­ria – até mes­mo, en­ga­no­sa.

Cautela

Ape­sar do in­ter­va­lo de tem­po de­cor­ri­do en­tre a vei­cu­la­ção da no­tí­cia e o iní­cio da cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria da Hon­da, se­ria sen­sa­to res­sal­tar es­te pon­to no pla­ne­ja­men­to da ação, le­van­do em con­si­de­ra­ção o epi­só­dio ocor­ri­do com o apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck. Ima­gi­nar que os es­pec­ta­do­res não se aten­tam a es­ses de­ta­lhes é cor­rer o ris­co de to­mar pre­juí­zo – fi­nan­cei­ro ou de ima­gem – ca­so o fa­to se­ja re­lem­bra­do, ga­nhe vo­lu­me e se es­pa­lhe pe­la in­ter­net, pe­las re­des so­ci­ais ou pe­la im­pren­sa. Pre­cau­ção, nu­ma si­tu­a­ção co­mo es­ta, é um fa­tor re­le­van­te e que não de­ve ser con­si­de­ra­da co­mo ex­ces­so de ze­lo.

Por fim, dei­xo cla­ro que não te­nho na­da con­tra a Hon­da e nem con­tra o apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck. Es­te ca­so ser­ve ape­nas co­mo exem­plo pa­ra en­fa­ti­zar a im­por­tân­cia de es­tar aten­to com tu­do – o que es­tá acon­te­cen­do e o que já acon­te­ceu – pa­ra evi­tar trans­tor­nos nas ações de co­mu­ni­ca­ção.

, , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio