Buraco negro

quarta-feira, 6 de outubro de 2010 08:30 Cibercultura, Comunicação, Reflexão

É alar­man­te o vo­lu­me de ma­te­ri­ais de má qua­li­da­de e de bai­xa pro­fun­di­da­de que são pro­du­zi­dos e que ga­nham, ca­da vez mais, es­pa­ços nas mí­di­as de mas­sa. E, pi­or do que to­do es­se li­xo cul­tu­ral, são os ma­te­ri­ais com men­sa­gens ofen­si­vaspre­ju­di­ci­ais que es­tão ao al­can­ce de to­dos.

A in­ter­net é uma das mí­di­as que mais con­tri­bu­em pa­ra cons­truir es­sa re­a­li­da­de. Pri­mei­ro, gra­ças à vul­ne­ra­bi­li­da­de de mo­de­ra­ção dos con­teú­dos pu­bli­ca­dos, já que blogs, pá­gi­nas pes­so­ais, fó­runs de dis­cus­são, re­des so­ci­ais e ou­tras fer­ra­men­tas, ge­ral­men­te, con­tam ape­nas com o “con­tro­le edi­to­ri­al” de seus au­to­res e par­ti­ci­pan­tes. A in­ter­ven­ção dos pro­pri­e­tá­ri­os ou ges­to­res des­tas fer­ra­men­tas so­bre os con­teú­dos é bas­tan­te ra­ra e, ocor­re, na mai­o­ria das ve­zes, quan­do há al­gu­ma de­nún­cia por meio dos par­ti­ci­pan­tes, pe­lo pe­di­do de mar­cas ou per­so­na­li­da­des que se jul­gam pre­ju­di­ca­dos, ou por de­ter­mi­na­ção da jus­ti­ça, co­mo são os exem­plos do You­tu­be, Or­kut e Fa­ce­bo­ok que, fre­quen­te­men­te, vi­ram no­tí­cia. Des­sa for­ma, po­de­mos di­zer que a li­ber­da­de de ex­pres­são acon­te­ce efe­ti­va­men­te e sem mui­tos fil­tros, po­rém es­ta si­tu­a­ção fa­vo­re­ce a pro­pa­ga­ção de men­sa­gens e ma­te­ri­ais que são – ou de­ve­ri­am ser – con­si­de­ra­dos des­pre­zí­veis pe­la so­ci­e­da­de, co­mo por­no­gra­fia in­fan­til, ca­lú­ni­as, in­ci­ta­ção à vi­o­lên­cia, in­cen­ti­vo ao con­su­mo de ál­co­ol e dro­gas, pre­con­cei­to ra­ci­al, in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, etc. Em se­gun­do, por­que a im­pu­ni­da­de ain­da é mar­can­te no mun­do vir­tu­al – os cri­mes ocor­rem em to­do o mun­do, mas a iden­ti­fi­ca­ção dos cri­mi­no­sos é bas­tan­te di­fí­cil. E, em ter­cei­ro, pe­lo fa­to de que to­dos es­ses ma­te­ri­ais são pro­du­zi­dos e ga­nham re­per­cus­são por­que há uma in­fi­ni­da­de de pes­so­as que os con­so­mem.

httpv://www.youtube.com/watch?v=RsLt9d-w7vQ
O “cantor” Mike de Mosqueiro, que fez sucesso no Youtube

httpv://www.youtube.com/watch?v=pJcMp2QQAXk
Vídeo amador distribuido por meio do Youtube

Mas a in­ter­net não es­tá so­zi­nha. A te­le­vi­são é ou­tro meio que con­tri­bui bas­tan­te pa­ra pro­li­fe­rar pro­du­tos de qua­li­da­de ques­ti­o­ná­vel. Na guer­ra in­ces­san­te pa­ra con­quis­tar a au­di­ên­cia, não há li­mi­tes: são pro­gra­mas que ex­plo­ram a de­ca­dên­cia hu­ma­na e a sen­su­a­li­da­de, te­le­jor­nais que no­ti­ci­am ape­nas as fa­ce­tas po­dres da so­ci­e­da­de, pro­gra­mas hu­mo­rís­ti­cos com per­so­na­gens es­te­re­o­ti­pa­dos e ro­tei­ros que se abs­tém de ado­tar um dis­cur­so crí­ti­co, pro­gra­ma­ção in­fan­til que pou­co es­ti­mu­la o de­sen­vol­vi­men­to cog­ni­ti­vo e emo­ci­o­nal, fil­mes que ra­ra­men­te apre­sen­tam um de­ba­te so­ci­al, cul­tu­ral ou po­lí­ti­co. A mai­o­ria das emis­so­ras aber­tas – aces­sí­veis à to­da a po­pu­la­ção – des­pre­zam as pro­du­ções de boa qua­li­da­de, tan­to na­ci­o­nais co­mo es­tran­gei­ras, e apos­tam em for­ma­tos en­la­ta­dos e pro­du­ções de se­gun­da ca­te­go­ria.

httpv://www.youtube.com/watch?v=_iZqqYzP-aQ
Programa de auditório explora a sensualidade para disputar a audiência

httpv://www.youtube.com/watch?v=4cmz-GIvb08
“Telejornal” noticia morte de suspeito durante confronto com a polícia

Des­sa for­ma, de um la­do es­tá o in­di­ví­duo co­mo cé­lu­la di­fu­so­ra de pe­que­nos frag­men­tos per­ni­ci­o­sos que te­cem a in­ter­net, e, de ou­tro la­do, con­glo­me­ra­dos de co­mu­ni­ca­ção de al­can­ce glo­bal, com am­pla au­di­ên­cia e gi­gan­tes­cos in­ves­ti­men­tos e ar­re­ca­da­ção, atu­an­do em con­jun­to co­mo pro­fu­so­res de um ideá­rio que de­tur­pa os va­lo­res mo­rais, a edu­ca­ção, a ra­zão.

Es­te ce­ná­rio não é no­vi­da­de. Ele es­tá se de­sen­vol­ven­do há vá­ri­as ge­ra­ções – an­tes mes­mo da in­ter­net sur­gir e se tor­nar po­pu­lar – e, a ca­da dia, es­tá ga­nhan­do mais es­pa­ço nas mí­di­as de mas­sa e, con­se­quen­te­men­te, mais po­der pa­ra in­flu­en­ci­ar uma par­ce­la ca­da vez mai­or da so­ci­e­da­de.

Tormenta

À de­ri­va, mui­tos in­di­ví­du­os são in­ca­pa­zes de as­su­mir o con­tro­le da si­tu­a­ção e são le­va­dos pe­la von­ta­de dos ven­tos. Co­mo agen­tes pas­si­vos nes­ta em­bar­ca­ção, par­ti­ci­pam qua­se in­vo­lun­ta­ri­a­men­te da for­ma­ção de uma in­cons­ci­ên­cia co­le­ti­va: apá­ti­ca, ali­e­na­da, de­sin­te­li­gen­te, sem for­ça de ex­pres­são.

Es­te pa­no­ra­ma tam­bém é fa­vo­re­ci­do pe­la má qua­li­da­de do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal pú­bli­co que, pa­ra qua­se to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, é a úni­ca via de aces­so ao “di­rei­to” de “apren­der”. Po­rém, a edu­ca­ção pú­bli­ca não é ca­paz de cum­prir o seu de­ver de en­si­nar – se­quer o bá­si­co –, quem di­rá con­tri­buir, de al­gu­ma for­ma, pa­ra a for­ma­ção de ci­da­dãos crí­ti­cos, pen­san­tes.

Co­mo va­riá­vel nes­ta con­ta de re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa tam­bém pres­tam um des­ser­vi­ço à so­ci­e­da­de. La­pi­dam um co­ti­di­a­no de­li­ran­te, in­ver­ten­do os va­lo­res mo­rais, trans­for­man­do pes­so­as me­dío­cres em ce­le­bri­da­des, cri­an­do ído­los va­zi­os, pro­mo­ven­do as pro­du­ções de pés­si­ma qua­li­da­de co­mo se fos­sem “ar­te” e “cul­tu­ra”, ma­ni­pu­lan­do as in­for­ma­ções con­for­me o jo­go de in­te­res­se dos gru­pos aos quais de­fen­dem.

Por se­guir es­te ca­mi­nho, os in­di­ví­du­os es­tão ca­da vez mais in­cons­ci­en­te de su­as re­ais ne­ces­si­da­des. Es­tão des­pre­pa­ra­dos e não têm au­to­no­mia e nem ca­pa­ci­da­de pa­ra exi­gir uma mu­dan­ça ver­da­dei­ra, fi­can­do à mer­cê do que é de­ci­di­do e im­pos­to pe­los con­fron­tos das mí­di­as – e clas­ses – do­mi­nan­tes.

Calmaria

No Bra­sil – e no mun­do –, há uma pe­que­na par­ce­la de in­di­ví­du­os que con­se­guem en­xer­gar es­te ce­ná­rio mi­diá­ti­co, ana­li­sar as men­sa­gens e classificá-​las co­mo útil ou fú­til, as­si­mi­lá­vel ou des­car­tá­vel, ve­rí­di­ca ou ten­den­ci­o­sa. Es­sas pes­so­as são pri­vi­le­gi­a­das, já que com­pre­en­dem que há uma si­tu­a­ção crí­ti­ca que exi­ge aten­ção pa­ra evi­tar a con­ta­mi­na­ção pe­la de­sor­dem ge­ra­da pe­la ex­po­si­ção mas­si­va de in­for­ma­ções e men­sa­gens de te­or sus­pei­to.

Por mais que o pa­no­ra­ma se­ja ruim, é pos­sí­vel mudá-​lo. Pa­ra is­so, é pre­ci­so que se in­cen­ti­ve um pro­ces­so à cons­ci­en­ti­za­ção. Es­se mo­vi­men­to de­ve ser es­ti­mu­la­do por di­ver­sas fren­tes, com for­ça po­lí­ti­ca pa­ra pro­mo­ver mu­dan­ças sé­ri­as, prin­ci­pal­men­te na edu­ca­ção pú­bli­ca e nos be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa que se com­pro­me­tem em di­fun­dir co­nhe­ci­men­tos e pro­mo­ver os de­ba­tes so­ci­ais es­sen­ci­ais, in­clu­si­ve, re­ven­do as con­ces­sões pú­bli­cas às emis­so­ras de te­le­vi­são e rá­dio.

Po­rém, não po­de­mos es­pe­rar que as mu­dan­ças ocor­ram so­zi­nhas. É pre­ci­so que ca­da um as­su­ma seu pa­pel, con­tri­buin­do pa­ra trans­for­mar a re­a­li­da­de, pe­lo me­nos, das pes­so­as que fa­zem par­te do seu rol de ami­gos e con­ta­tos. Não po­de­mos con­ti­nu­ar pas­si­vos e acei­tar o fa­to de que há pes­so­as que uti­li­zam o vo­to pa­ra ele­ger pa­lha­ços e ou­tros des­qua­li­fi­ca­dos. Não po­de­mos to­le­rar que cri­an­ças vão à es­co­la e não re­ce­bem a edu­ca­ção ade­qua­da – mui­tas se­quer apren­dem a ler e es­cre­ver. Não po­de­mos as­sis­tir de bra­ços cru­za­dos to­do o li­xo que é ex­pos­to pe­la te­le­vi­são aber­ta. Não po­de­mos es­ti­mu­lar a pro­pa­ga­ção de to­da es­sa po­dri­dão na in­ter­net.

Atra­vés da co­la­bo­ra­ção – po­lí­ti­ca, mí­di­as e so­ci­e­da­de –, é pos­sí­vel tra­çar mu­dan­ças vi­san­do trans­for­mar es­se bu­ra­co ne­gro mi­diá­ti­co num no­vo ce­ná­rio ilu­mi­na­do e mais jus­to, fo­men­tan­do a cri­ti­ci­da­de pa­ra que, des­sa for­ma, os in­di­ví­du­os te­nham con­di­ções de ava­li­ar as men­sa­gens e fa­zer jul­ga­men­tos so­bre as in­for­ma­ções, es­co­lhen­do o que é vá­li­do e o que é des­car­tá­vel.

, , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio