Comunicação superficial

quarta-feira, 9 de junho de 2010 19:34 Cibercultura, Comunicação

A ca­da dia é mais fá­cil per­ce­ber uma mu­dan­ça com­por­ta­men­tal que es­tá se for­ta­le­cen­do na so­ci­e­da­de mo­der­na: a bus­ca, ca­da vez mai­or, por in­for­ma­ções mais re­su­mi­das, seg­men­ta­das, di­re­tas, ex­plí­ci­tas, rá­pi­das e, con­se­que­te­men­te, su­per­fi­ci­ais. Per­ce­ben­do es­ta ten­dên­cia e sen­tin­do as tur­bu­lên­ci­as mer­ca­do­ló­gi­cas ge­ra­das por es­te no­vo ce­ná­rio, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção es­tão en­fren­tan­do um pro­ces­so de trans­for­ma­ção cons­tan­te, lan­çan­do no­vos for­ma­tos e ado­tan­do no­vas fer­ra­men­tas pa­ra aten­der, ca­da vez mais, as no­vas de­man­das da co­mu­ni­ca­ção de mas­sa. Nes­ta fa­se de tran­si­ção – co­mo em ou­tras –, o ato de no­ti­ci­ar tam­bém es­tá evo­luin­do.

httpvh://www.youtube.com/watch?v=tUk3jvf37xs
Comercial apresenta o novo projeto gráfico da Folha de São Paulo

Pa­ra cons­ta­tar es­te fa­to, bas­ta lem­brar que dois gran­des jor­nais bra­si­lei­ros – O Es­ta­do de São Pau­loFo­lha de São Pau­lo – pas­sa­ram por mu­dan­ças re­cen­te­men­te, im­plan­tan­do no­vos pro­je­tos gráficos-​editoriais que, en­tre ou­tras coi­sas, con­tem­plam es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca de tex­tos mais con­den­sa­dos.

No atu­al ce­ná­rio mun­di­al, glo­ba­li­za­do e in­ter­co­nec­ta­do, ou­tra ques­tão im­por­tan­te que es­tá co­la­bo­ran­do pa­ra es­ta­be­le­cer os no­vos pa­drões de lei­tu­ra é a exi­gên­cia de mai­or ve­lo­ci­da­de pa­ra a cap­ta­ção das in­for­ma­ções e pa­ra a ela­bo­ra­ção e di­fu­são das men­sa­gens.

Pa­ra mui­tos veí­cu­los – prin­ci­pal­men­te os que es­tão as­so­ci­a­dos à in­ter­net –, a ve­lo­ci­da­de, em mui­tos ca­sos, aca­ba se tor­nan­do um fa­tor mais “re­le­van­te” do que a apu­ra­ção da ve­ra­ci­da­de dos fa­tos ou de aná­li­ses mais pro­fun­das. Es­ta pos­tu­ra, que é ado­ta­da por mui­tos veí­cu­los, es­tá ge­ran­do um vo­lu­me con­si­de­rá­vel de in­for­ma­ções e no­tí­ci­as in­con­sis­ten­tes, su­per­fi­ci­ais e, até mes­mo, im­pre­ci­sas. Ape­sar da mai­or fa­ci­li­da­de pa­ra edi­ções e cor­re­ções pos­te­ri­o­res ofe­re­ci­das pe­los no­vos mei­os, es­te ar­ti­fí­cio aca­ba sen­do, de cer­ta for­ma, pre­ju­di­ci­al, uma vez que é pre­ci­so con­si­de­rar que, nem sem­pre, o espectador-​leitor te­rá uma se­gun­da opor­tu­ni­da­de pa­ra aces­sar e “atu­a­li­zar” as in­for­ma­ções que já fo­ram as­si­mi­la­das an­te­ri­or­men­te.

Resumo do resumo

Pro­du­to so­ci­al des­te in­ten­so de­se­jo pe­la con­ci­são das men­sa­gens, o Twit­ter po­de ser con­si­de­ra­do co­mo um mar­co evo­lu­ti­vo nes­te sen­ti­do. Ao li­mi­tar as men­sa­gens dos usuá­ri­os – in­di­ví­du­os – a mí­se­ros 140 ca­rac­te­res, o te­or de pro­fun­di­da­de se res­trin­giu a uma “imen­sa” su­per­fi­ci­a­li­da­de, sen­do pos­sí­vel ela­bo­rar e trans­mi­tir ape­nas men­sa­gens com bai­xo ní­vel de in­for­ma­ção.

O ver­ti­gi­no­so cres­ci­men­to do Twit­ter as­so­ci­a­do à sua ado­ção por inú­me­ros veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa tra­di­ci­o­nais – jor­nais, re­vis­tas, emis­so­ras, rá­di­os, por­tais de no­tí­ci­as, en­tre ou­tros – es­tá re­tro­a­li­men­ta­do, in­cen­ti­van­do e ace­le­ran­do a pro­li­fe­ra­ção de in­for­ma­ções ca­da vez mais sin­té­ti­cas.

Es­se fa­to se de­ve à uma for­te mo­ti­va­ção dos veí­cu­los tra­di­ci­o­nais em evi­tar o cho­que com as no­vas tec­no­lo­gi­as, encarando-​as ape­nas co­mo con­cor­ren­tes, mas sim, assimilando-​as e apro­vei­tan­do os seus re­cur­sos pa­ra se apro­xi­mar dos espectadores-​leitores, vi­san­do cri­ar vín­cu­los com os no­vos per­fis de lei­to­res. E, nes­te pon­to, não es­tá en­vol­vi­da ape­nas a re­la­ção en­tre o veí­cu­lo e os lei­to­res, mas, tam­bém, en­tre a em­pre­sa e os con­su­mi­do­res.

Reflexos

Ape­sar da in­ter­net po­der au­xi­li­ar nas re­la­ções en­tre os veí­cu­los e os lei­to­res, fa­ci­li­tan­do e agi­li­zan­do o com­par­ti­lha­men­to de um ex­ten­so vo­lu­me de in­for­ma­ções atra­vés de fer­ra­men­tas co­mo o Twit­ter, o blog e o iPad, ela tam­bém es­tá in­cen­ti­van­do os lei­to­res – prin­ci­pal­men­te as no­vas ge­ra­ções – a tro­ca­rem o há­bi­to da lei­tu­ra em su­por­te fí­si­co – jor­nal, re­vis­ta, li­vro e ou­tros im­pres­sos – pa­ra a te­la – mo­ni­to­res, ta­blets, ce­lu­la­res, etc.

Por mais que di­ver­sos in­te­lec­tu­ais de­fen­dam as fa­ci­li­da­des que são pro­por­ci­o­na­das pe­la in­ter­net e pe­la In­for­má­ti­ca, por exem­plo, ao fa­ci­li­tar o pro­ces­so de pes­qui­sa, de aces­so e de com­par­ti­lha­men­to de in­for­ma­ções, é pre­ci­so con­si­de­rar que ou­tros re­cur­sos, co­mo os de en­tre­te­ni­men­to ou ar­ma­ze­na­men­to, po­dem atu­ar ne­ga­ti­va­men­te nos pro­ces­sos de co­mu­ni­ca­ção.

Mui­tos usuá­ri­os de com­pu­ta­do­res es­tão se ha­bi­tu­an­do a exe­cu­tar di­ver­sas ati­vi­da­des si­mul­ta­ne­a­men­te, aproveitando-​se da ca­pa­ci­da­de mul­ti­ta­re­fa que é ofe­re­ci­da pe­los sis­te­mas ope­ra­ci­o­nais. As­sim, por exem­plo, um in­di­ví­duo po­de, ao mes­mo tem­po, ler uma no­tí­cia e, tam­bém, es­cre­ver tex­tos, as­sis­tir ví­de­os, ou­vir mú­si­cas, con­ver­sar, en­tre ou­tras ati­vi­da­des. A si­tu­a­ção ilus­tra­da é co­mum e, ge­ral­men­te, é con­si­de­ra­da co­mo nor­mal. Po­rém, os in­di­ví­du­os que se ex­põem, fre­quen­te­men­te, a uma quan­ti­da­de ca­da vez mai­or de es­tí­mu­los, es­tão se su­jei­tan­do a ter que en­fren­tar di­ver­sos ele­men­tos que po­dem ser con­si­de­ra­dos co­mo ruí­dos na co­mu­ni­ca­ção, con­tri­buin­do pa­ra dis­per­sar a sua aten­ção ao in­vés de focá-​la.

Os dis­po­si­ti­vos de ar­ma­ze­na­men­to e a fa­ci­li­da­de de aces­so às in­for­ma­ções, tan­to em com­pu­ta­do­res quan­to por meio da in­ter­net, po­dem ser con­si­de­ra­dos ins­tru­men­tos des­mo­ti­va­do­res pa­ra a me­mo­ri­za­ção hu­ma­na. Uma vez que os equi­pa­men­tos têm al­ta ca­pa­ci­da­de de guar­dar in­for­ma­ções – e, tam­bém, co­nhe­ci­men­tos es­pe­cí­fi­cos – e ve­lo­ci­da­de pa­ra acessá-​las, po­de tornar-​se qua­se que dis­pen­sá­vel, em cer­tas ati­vi­da­des, a ne­ces­si­da­de do pro­ces­so de apren­di­za­gem e de as­si­mi­la­ção de co­nhe­ci­men­tos.

httpv://www.youtube.com/watch?v=A5z89LAXZdc
Vídeo de Elson Jr aborda o tema da superficialidade na comunicação

Nes­te pon­to, um sé­rio pro­ble­ma é que um gran­de nú­me­ro de pes­so­as es­tão des­pre­zan­do o va­lor da ob­ten­ção de co­nhe­ci­men­tos, ima­gi­nan­do que tu­do po­de – ou po­de­rá – ser in­ter­me­di­a­do ou re­sol­vi­do atra­vés do uso da tec­no­lo­gia, da in­for­má­ti­ca ou da in­ter­net. Bas­ta no­tar o cres­ci­men­to da prá­ti­ca da ação de “co­pi­ar e co­lar”, que é ca­da vez mais co­mum en­tre os no­vos es­tu­dan­tes. A pre­o­cu­pa­ção em de­ba­ter ou de­sen­vol­ver no­vos pen­sa­men­tos em re­la­ção à um te­ma é ca­da vez me­nor den­tro das sa­las de au­la. A ali­an­ça en­tre a no­va edu­ca­ção e os no­vos ar­ti­fí­ci­os tec­no­ló­gi­cos es­tá con­tri­buin­do pa­ra a for­ma­ção de in­di­ví­du­os mais re­pro­du­to­res e me­nos cri­a­do­res.

O presente e o futuro

As con­sequên­ci­as des­sas mu­dan­ças po­dem ser fa­cil­men­te per­ce­bi­das. Es­ta­mos en­con­tran­do – e, tam­bém, pro­cu­ran­do – in­for­ma­ções mais fá­ceis de se­rem “di­ge­ri­das”. O ní­vel de cri­ti­ci­da­de em di­ver­sos mo­vi­men­tos so­ci­ais e cul­tu­rais – jor­na­lis­mo, li­te­ra­tu­ra, mú­si­ca, te­a­tro, ci­ne­ma, no­ve­la – es­tá se tor­nan­do ca­da vez me­nor. O pen­sa­men­tos crí­ti­co es­tá per­den­do mui­to es­pa­ço pa­ra a me­di­o­cri­da­de de men­sa­gens su­per­fi­ci­ais ou ba­nais.

Se es­ta trans­for­ma­ção so­ci­al mostrou-​se for­te nos úl­ti­mos tem­pos – e po­de se for­ta­le­cer ain­da mais –, o que po­de­mos es­pe­rar pa­ra o fu­tu­ro? Um per­fil de in­di­ví­duo nés­cio? Uma so­ci­e­da­de in­ca­paz de cri­ti­car?

Pa­ra ten­tar tri­lhar um fu­tu­ro di­fe­ren­te, pre­ci­sa­mos ter a cons­ci­ên­cia de que, ca­da um de nós, po­de evi­tar o há­bi­to de se con­ten­tar ape­nas com a su­per­fi­ci­a­li­da­de das men­sa­gens que é trans­mi­ti­da pe­la mai­o­ria dos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa e por gran­de par­te das pes­so­as que se co­mu­ni­cam, se­ja atra­vés da in­ter­net – su­as mí­di­as so­ci­ais e ou­tros re­cur­sos – ou por ou­tros mei­os e ca­nais, di­gi­tais ou fí­si­cos.

As­sim, é im­por­tan­te tor­nar há­bi­to a pre­fe­rên­cia por fon­tes que va­lo­ri­zam a crí­ti­ca pro­fun­da, es­ti­mu­lam a dis­cus­são de idei­as e a tro­ca de co­nhe­ci­men­tos. Lo­go, é ne­ces­sá­rio es­co­lher bem o con­teú­do ao qual ire­mos nos co­lo­car na con­di­ção de es­pec­ta­do­res pa­ra, con­se­quen­te­men­te, apri­mo­rar­mos a nos­sa ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al, pen­san­do com em­ba­sa­men­to em in­for­ma­ções ela­bo­ra­das com mais qua­li­da­de e com­ple­xi­da­de, e, tam­bém, a nos­sa ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­lar opi­niões com mais pro­pri­e­da­de.

, , , , , , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio