O mundo fragmentado

sexta-feira, 7 de maio de 2010 13:48 Cibercultura, Comunicação, Reflexão

As in­te­ra­ções hu­ma­nas – in­di­vi­du­ais e em gru­pos so­ci­ais – com os avan­ços tec­no­ló­gi­cos es­tão que­bran­do, com mui­ta in­ten­si­da­de, an­ti­gos pa­ra­dig­mas. Es­te no­vo ce­ná­rio, fru­to do de­se­jo hu­ma­no de pro­gres­so, es­tá mol­dan­do os no­vos va­lo­res pa­ra o tem­po, a edu­ca­ção, o co­nhe­ci­men­to, a co­mu­ni­ca­ção, a eco­no­mia, a cul­tu­ra, as re­la­ções so­ci­ais, o mun­do globalizado.

Es­ta no­va re­a­li­da­de, não es­tá­ti­ca, so­fre cons­tan­tes mo­di­fi­ca­ções e é o fa­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra o es­ti­mu­lo à frag­men­ta­ção do pen­sa­men­to, va­lo­ri­zan­do o ime­di­a­tis­mo, a res­pos­ta rá­pi­da e su­cin­ta, cur­ta e su­per­fi­ci­al, des­car­tá­vel, que não pre­ci­sa ser me­mo­ri­za­da ou apren­di­da – afi­nal, es­tá ar­ma­ze­na­da e à dis­po­si­ção pa­ra con­sul­ta por meio de uma in­fi­ni­da­de de equi­pa­men­tos in­for­má­ti­cos e da in­ter­net –, em de­tri­men­to ao pen­sa­men­to fluí­do, abran­gen­te, que exi­ge abs­tra­ção e ra­ci­o­cí­nio, que ob­tém res­pos­tas ela­bo­ra­das e ques­ti­o­na­do­ras, que não tem com­pro­mis­so com a pressa.

Es­ta pro­ble­má­ti­ca só po­de ser per­ce­bi­da com in­te­gri­da­de por aque­les in­di­ví­du­os que, as­sim co­mo eu, são mem­bros des­sas ge­ra­ções de tran­si­ção. É pre­ci­so ter con­ta­to com o no­vo e ter a me­mó­ria e a ex­pe­ri­ên­cia com o an­ti­go. Po­rém, pa­ra ob­ter es­ta per­cep­ção, pa­ra en­ten­der es­se no­vo mun­do que es­tá sen­do cons­truí­do, é pre­ci­so ter for­ça pa­ra se li­ber­tar do ho­je, do co­ti­di­a­no, e pa­ra olhar pa­ra trás, pa­ra o nos­so pas­sa­do. So­men­te nos afas­tan­do do que con­si­de­ra­mos co­mo mo­der­no po­de­mos fa­zer juí­zo de va­lo­res com­pa­ra­ti­vos, ava­li­an­do os ele­men­tos des­se no­vo mun­do e os ele­men­tos que clas­si­fi­ca­mos co­mo ul­tra­pas­sa­dos, do mun­do antigo.

É pre­ci­so bus­car as lem­bran­ças de um mun­do sem com­pu­ta­dor, in­ter­net, te­le­fo­ne ce­lu­lar, con­tro­le re­mo­to, ví­deo ga­me, cai­xa ele­trô­ni­co, alar­me, blin­da­gem. Ao pes­qui­sar a nos­sa me­mó­ria, po­de­mos lem­brar de co­mo era a nos­sa re­la­ção com o tem­po, co­mo tí­nha­mos a im­pres­são de que ele pas­sa­va mais va­ga­ro­sa­men­te, co­mo to­das as coi­sas acon­te­ci­am sem gran­de ur­gên­cia, co­mo os mo­men­tos da vi­da eram mais pra­ze­ro­sos. A re­la­ção do ho­mem com o tem­po era ou­tra. A re­la­ção do ho­mem com o tra­ba­lho era ou­tra. A re­la­ção do ho­mem com a edu­ca­ção era ou­tra. A re­la­ção do ho­mem com o ho­mem era ou­tra. A re­la­ção do ho­mem con­si­go mes­mo era ou­tra. Ao com­pa­rar­mos o pas­sa­do com o pre­sen­te po­de­mos en­con­trar as gran­des mu­dan­ças que ocor­re­ram – as bo­as e as más – em nos­sas vi­das. Ao fa­zer is­so, po­de­re­mos ten­tar apren­der os en­si­na­men­tos que ca­da mu­dan­ça pro­por­ci­o­nou e vis­lum­brar o fu­tu­ro e as no­vas mu­dan­ças que es­tão por vir.

A vi­da é uma gran­de es­co­la. As­sim, bas­ta es­tar dis­pos­to a ler os seus li­vros pa­ra ten­tar de­ci­frar um pou­co os seus có­di­gos. Ao en­ten­der es­sa im­por­tân­cia, po­de­mos no­tar que não uma boa es­co­lha dei­xar os nos­sos pen­sa­men­tos im­preg­na­dos e nos dei­xar le­var ape­nas pe­las on­das tec­no­ló­gi­cas. Os avan­ços téc­ni­cos são fru­to do sa­ber hu­ma­no que con­tri­bu­em pa­ra mol­dar os há­bi­tos e cos­tu­mes da so­ci­e­da­de e da cul­tu­ra – e que, con­se­quen­te­men­te, au­xi­li­am a mo­di­fi­car e de­sen­vol­ver a pró­pria so­ci­e­da­de e su­as cul­tu­ras. Mas es­se fa­to não nos de­ve le­var a uma con­clu­são em­pí­ri­ca de que to­das as mu­dan­ças pro­por­ci­o­na­das pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as se­jam ape­nas be­né­fi­cas. Elas tam­bém po­dem ser no­ci­vas. Ao pon­to que po­de­mos nos co­mu­ni­car com ou­tras pes­so­as com mais fa­ci­li­da­de e mai­or frequên­cia atra­vés da in­ter­net ou de ce­lu­la­res, por exem­plo, tam­bém po­de­mos, em con­tra­par­ti­da, es­tag­nar o nos­so con­ví­vio so­ci­al e nos enclausurar.

Pen­sar o mun­do, ho­je, sem a in­ter­net e os no­vos ar­ti­fí­ci­os tec­no­ló­gi­cos é ima­gi­nar um mun­do utó­pi­co, ine­xis­ten­te. Pre­ci­sa­mos apren­der a con­vi­ver com a tec­no­lo­gia e com to­das as mu­dan­ças so­ci­ais e cul­tu­rais que ela pro­mo­ve. E o em­pre­go da pa­la­vra “apren­der” na fra­se an­te­ri­or es­tá cor­re­ta. Ain­da não apren­de­mos a ter equi­lí­brio, a usar de for­ma ade­qua­da e be­né­fi­ca os apa­ra­tos tec­no­ló­gi­cos. Por is­so, ao mes­mo tem­po que es­ta­mos con­quis­tan­do o mun­do e di­mi­nuin­do su­as fron­tei­ras fí­si­cas, ace­le­ran­do o aces­so à in­for­ma­ções, tam­bém es­ta­mos per­di­dos no meio de um gran­de di­lú­vio, so­fren­do per­das na edu­ca­ção, na cul­tu­ra, nos re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais. Es­ta­mos em al­to mar, na­dan­do – ou, se pre­fe­rir, na­ve­gan­do – con­tra a for­te cor­ren­te­za. Por­tan­to, ou ad­mi­ti­mos que pre­ci­sa­mos apren­der a ve­le­jar por es­sa águas agi­ta­das ou ire­mos nos afo­gar, pou­co a pouco.

Além de apren­der é pre­ci­so se com­pro­me­ter a en­si­nar. As no­vas ge­ra­ções não con­tam com a ex­pe­ri­ên­cia de vi­ver uma re­a­li­da­de sem com­pu­ta­do­res, re­des, in­ter­net. Di­fe­ren­te das ge­ra­ções an­te­ri­o­res, di­fi­cil­men­te os jo­vens de ho­je con­se­gui­rão pra­ti­car o exer­cí­cio de es­tra­nha­men­to em re­la­ção ao pa­drões que fo­ram mol­da­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das. Es­se jo­vem não co­nhe­ce o mun­do de­sin­for­ma­ti­za­do, des­co­nec­ta­do e des­glo­ba­li­za­do, va­ga­ro­so, li­mi­ta­do as fron­tei­ras fí­si­cas. Ele já nas­ceu num mun­do di­fe­ren­te, on­li­ne, mul­ti­ta­re­fa, mul­ti­fo­cal, glo­ba­li­za­do e rá­pi­do. As fu­tu­ras ge­ra­ções não te­rão o mes­mo pri­vi­lé­gio que te­mos ho­je pa­ra fa­zer es­sas ava­li­a­ções – elas es­tão nas­cen­do no olho do fu­ra­cão. É por is­so que a no­va for­ma de pen­sar o mun­do, em que to­dos pro­ble­mas de­vem ser re­sol­vi­dos o mais rá­pi­do pos­sí­vel, que to­dos os ques­ti­o­na­men­tos de­vem ter a sua res­pos­ta de for­ma ime­di­a­ta, es­tá se so­bre­pon­do, ga­nhan­do for­ça. E, bas­ta ca­da um de nós ques­ti­o­nar­mos a re­a­li­da­de pa­ra ava­li­ar quais são os re­sul­ta­dos de to­da es­sa lou­ca ace­le­ra­ção. Quem ace­le­ra mais quei­ma mais rá­pi­do o seu com­bus­tí­vel, an­da mais rá­pi­do, mas não tem a opor­tu­ni­da­de de apro­vei­tar a paisagem.

, , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio