Pierre Lévy e a Cibercultura: 2

quarta-feira, 5 de Maio de 2010 12:49 Cibercultura, Comunicação, Livros

Dan­do con­ti­nui­da­de à aná­li­se do li­vro Ci­ber­cul­tu­ra, de Pi­er­re Lévy, acre­di­to que, pa­ra va­lo­ri­zar o te­ma, é pre­ci­so não limitar-​se ape­nas aos con­cei­tos cri­a­dos por Lévy. As­sim, nos pró­xi­mos tex­tos que pu­bli­ca­rei, tam­bém vou apre­sen­tar al­gu­mas pro­pos­tas de ou­tros pen­sa­do­res e tra­çar pa­ra­le­los.


Avanço tecnológico colabora para a transformação da leitura

Ape­sar de jul­gar ser es­ta a me­lhor op­ção de tra­ba­lho, o en­fo­que mai­or ain­da se­rá a apre­sen­ta­ção e o de­ba­te das idei­as do fi­ló­so­fo fran­cês. Pa­ra ini­ci­ar, vou co­men­tar so­bre as de­fi­ni­ções que fo­ram pro­pos­tas na in­tro­du­ção e no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo do li­vro, “As tec­no­lo­gi­as têm um im­pac­to?”.

Nos ví­de­os apre­sen­ta­dos no post an­te­ri­or, po­de­mos cons­ta­tar a de­fe­sa de vá­ri­os con­cei­tos que fun­da­men­tam os pen­sa­men­tos do au­tor. Por exem­plo, ao res­pon­der uma per­gun­ta em en­tre­vis­ta ao Ro­da Vi­va, ele pra­ti­ca­men­te re­pro­du­ziu uma ideia que é ex­pos­ta na in­tro­du­ção de Ci­ber­cul­tu­ra, com­pa­ran­do a pas­sa­gem do di­lú­vio de Noé ao que cha­mou de se­gun­do di­lú­vio, o in­for­ma­ci­o­nal. “Na au­ro­ra do di­lú­vio in­for­ma­ci­o­nal, tal­vez uma me­di­ta­ção so­bre o di­lú­vio bí­bli­co pos­sa nos aju­dar a com­pre­en­der me­lhor os no­vos tem­pos”. As­sim co­mo no li­vro, nes­te pri­mei­ro ví­deo po­de­mos vê-​lo des­cre­ver a im­pos­si­bi­li­da­de de ten­tar for­mar uma no­va “ar­ca” com uma se­le­ção que re­pre­sen­te o to­do, uma vez que o to­do es­tá – e con­ti­nu­a­rá – so­fren­do trans­for­ma­ções cons­tan­tes e ace­le­ra­das de­vi­do aos efei­tos da ci­ber­cul­tu­ra e, ain­da co­mo é mos­tra­do no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, gra­ças as con­di­ções pro­pi­ci­a­das pe­los avan­ços tec­no­ló­gi­cos, prin­ci­pal­men­te no ci­be­res­pa­ço.


Vídeo "As Leis da Cibercultura", de Rozane Suzart Gesteira

Es­sas mu­dan­ças cons­tan­tes na so­ci­e­da­de, na co­mu­ni­ca­ção, na cul­tu­ra, na pro­du­ção do sen­ti­do, na pro­du­ção ar­tís­ti­ca, por sua vez, não são de­ter­mi­na­das por “im­pac­tos” ge­ra­dos pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as, mas sim, são “con­di­ci­o­na­das” por meio de­las. Pri­mei­ra­men­te, Lévy faz opo­si­ção so­bre es­sa li­nha de pen­sa­men­to: “[…] fala-​se mui­tas ve­zes no ‘im­pac­to’ das no­vas tec­no­lo­gi­as da in­for­ma­ção so­bre a so­ci­e­da­de ou a cul­tu­ra. A tec­no­lo­gia se­ria al­go com­pa­rá­vel a um pro­jé­til […] e a cul­tu­ra ou a so­ci­e­da­de a um al­vo vi­vo… Es­ta me­tá­fo­ra bé­li­ca é cri­ti­cá­vel em vá­ri­os sen­ti­dos”. Pos­te­ri­or­men­te, ele pro­põe que as tec­no­lo­gi­as da in­for­ma­ção – e da co­mu­ni­ca­ção – são re­sul­ta­dos das in­ter­ven­ções so­ci­ais e cul­tu­rais. “De­fen­do, ao con­trá­rio, que a téc­ni­ca é um ân­gu­lo de aná­li­se dos sis­te­mas sócio-​técnicos glo­bais, um pon­to de vis­ta que en­fa­ti­za a par­te ma­te­ri­al e ar­ti­fi­ci­al dos fenô­me­nos hu­ma­nos, e não uma en­ti­da­de re­al, que exis­ti­ria in­de­pen­den­te do res­to, que te­ria efei­tos dis­tin­tos e agi­ria por von­ta­de pró­pria. […] Por trás das téc­ni­cas agem e re­a­gem idéi­as, pro­je­tos so­ci­ais, uto­pi­as, in­te­res­ses econô­mi­cos, es­tra­té­gi­as de po­der, to­da a ga­ma dos jo­gos dos ho­mens em so­ci­e­da­de”.

Pa­ra con­cluir o pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, Lévy ex­pli­ca a gran­de in­fluên­cia da va­riá­vel ace­le­ra­ção em cau­sar a sen­sa­ção de im­pac­to – de es­tra­nhe­za – “[…] quan­to mais rá­pi­da é a al­te­ra­ção téc­ni­ca, mais nos pa­re­ce vir do ex­te­ri­or” – e, tam­bém, jun­ta­men­te com o ci­be­res­pa­ço e to­dos os avan­ços nas tec­no­lo­gi­as di­gi­tais, a sua im­por­tân­cia pa­ra es­ti­mu­lar a in­te­li­gên­cia co­le­ti­va e a ci­ber­cul­tu­ra. “De­vi­do ao seu as­pec­to par­ti­ci­pa­ti­vo, so­ci­a­li­zan­te, des­com­par­ti­men­ta­li­zan­te, eman­ci­pa­dor, a in­te­li­gên­cia co­le­ti­va pro­pos­ta pe­la ci­ber­cul­tu­ra cons­ti­tui um dos me­lho­res re­mé­di­os pa­ra o rit­mo de­ses­ta­bi­li­zan­te, por ve­zes ex­clu­den­te, da mu­ta­ção téc­ni­ca. Mas, nes­te mes­mo mo­vi­men­to, a in­te­li­gên­cia co­le­ti­va tra­ba­lha ati­va­men­te pa­ra a ace­le­ra­ção des­sa mu­ta­ção”.

Pa­ra fi­na­li­zar es­te se­gun­do tex­to so­bre o li­vro “Ci­ber­cul­tu­ra”, po­de­mos con­cluir que, pa­ra Pi­er­re Lévy, as am­bi­ções so­ci­ais e cul­tu­rais são os mo­to­res pa­ra o for­ta­le­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to da ci­ber­cul­tu­ra. Por­tan­to, to­das as tec­no­lo­gi­as, téc­ni­cas, e ar­ti­fí­ci­os fí­si­cos – ma­te­ri­ais – que es­tão li­ga­dos à ela, co­mo a in­for­má­ti­ca, o ci­be­res­pa­ço, a in­ter­net, as no­vas mí­di­as so­ci­ais, en­tre ou­tros, são fru­tos – con­sequên­cia – des­sas am­bi­ções, e não o con­trá­rio, im­po­si­ções de “en­ti­da­des ex­te­ri­o­res”.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio