Pierre Lévy e a Cibercultura: 1

sexta-feira, 30 de Abril de 2010 13:45 Cibercultura, Comunicação, Livros

Pi­er­re Lévy é mes­tre em His­tó­ria da Ci­ên­cia e dou­tor em So­ci­o­lo­gia e Ci­ên­cia da In­for­ma­ção e da Co­mu­ni­ca­ção pe­la Uni­ver­si­da­de de Sor­bon­ne, da Fran­ça. É, sem dú­vi­da, um dos mais res­pei­ta­dos pen­sa­do­res da atu­a­li­da­de nas áre­as de co­mu­ni­ca­ção, ci­ber­cul­tu­ra e in­te­li­gên­cia co­le­ti­va.

Au­tor de vá­ri­os li­vros, me­re­ce des­ta­que Ci­ber­cul­tu­ra – tí­tu­lo que irei co­men­tar em al­guns posts no blog e que, an­te­ci­pa­da­men­te, fa­ço o con­vi­te pa­ra o de­ba­te de idei­as com os vi­si­tan­tes por meio dos co­men­tá­ri­os.

Pensar a cibercultura: esta é a proposta deste livro. Em geral me consideram um otimista. Estão certos. Meu otimismo, contudo, não promete que a internet resolverá, em um passe de mágica, todos os problemas culturais e sociais do planeta. Consiste apenas em reconhecer dois fatos. Em primeiro lugar, que o crescimento do ciberespaço resulta de um movimento internacional de jovens ávidos para experimentar, coletivamente, formas de comunicação diferentes daquelas que as mídias clássicas nos propõem. Em segundo lugar, que estamos vivendo a abertura de um novo espaço de comunicação, e cabe apenas a nós explorar as potencialidades mais positivas deste espaço nos planos econômico, político, cultural e humano.
Pierre Lévy, "Cibercultura"


Pierre Lévy no Roda Viva, em 8 de janeiro de 2001

A cada minuto que passa, novas pessoas assinam a internet, novos computadores se interconectam, novas informações são injetadas na rede. Quanto mais o ciberespaço se estende, mais universal se torna, menos totalizável o mundo informacional se torna. O universal da cibercultura está tão desprovido de centro como de linha diretriz. Está vazio, sem conteúdo. Ou melhor, aceita todos, pois contenta-se com pôr em contato um ponto qualquer com qualquer outro, qualquer que seja a carga semântica das entidades postas em relação. Eu não quero dizer com isso que a universalidade do ciberespaço seja neutra ou sem consequências, pois o fato-mor do processo de interconexão geral já tem e terá ainda mais, no futuro, imensas repercussões na vida econômica, política e cultural. Esse evento está efetivamente transformando as condições da vida em sociedade. Trata-se, no entanto, de um universal indeterminado e que tende até a manter sua indeterminação, pois cada novo nó da rede de redes em constante extensão pode tornar-se produtor ou emissor de informações novas, imprevisíveis, e reorganizar por conta própria parte da conectividade global.
Pierre Lévy, "O universo sem totalidade, essência da Cibercultura"


As formas do saber, parte 1


As formas do saber, parte 2


As formas do saber, parte 3


As formas do saber, parte 4

O con­vi­te es­tá fei­to. Ago­ra, es­pe­ro con­tar com a con­tri­bui­ção de to­dos os in­te­res­sa­dos em de­ba­ter o as­sun­to. É só aguar­dar os pró­xi­mos posts.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio