O bom e velho Estadão

sexta-feira, 19 de Março de 2010 11:35 Comunicação, Design, Marketing

Após anos com a mes­ma “ca­ra”, o jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo apre­sen­tou o seu no­vo pro­je­to grá­fi­co no úl­ti­mo do­min­go, 14 de mar­ço. Além das mu­dan­ças no pro­du­to im­pres­so, o pro­je­to tam­bém re­for­mu­lou o vi­su­al e o con­teú­do do si­te Estadão.com.br. Ago­ra, se­gun­do o pró­prio Es­ta­dão, o si­te es­ta­rá mais pró­xi­mo das re­des so­ci­ais e mais fá­cil pa­ra na­ve­gar.

No­tí­ci­as so­bre es­te pro­je­to fo­ram vei­cu­la­das pe­lo pró­prio jor­nal – em sua ver­são im­pres­sa e on­li­ne – e de­mons­tra­ram que ha­via mui­tas ex­pec­ta­ti­vas po­si­ti­vas da equi­pe do Es­ta­dão em re­la­ção ao re­sul­ta­do das mu­dan­ças.


À esquerda, última capa do Estadão com o visual antigo. À direita, a capa da primeira edição do jornal adotando o novo projeto gráfico: mudanças sutis

Em re­la­ção ao no­vo vi­su­al do jor­nal im­pres­so, ago­ra a di­a­gra­ma­ção das pá­gi­nas es­tá re­al­men­te com um as­pec­to mais le­ve, um pou­co mais “are­ja­da” e com o layout mais or­ga­ni­za­do, o que se re­fle­te na ca­pa. Além dis­so, al­guns no­vos re­cur­sos de di­a­gra­ma­ção va­lo­ri­zam as in­for­ma­ções rá­pi­das e cur­tas, ge­ran­do mais di­na­mis­mo à lei­tu­ra e evi­tan­do lon­gos “blo­cos” de tex­to. Quan­to aos ca­der­nos, as mu­dan­ças cri­a­ram uma iden­ti­da­de pró­pria pa­ra ca­da um de­les, cer­ta­men­te com a in­ten­ção de bus­car ali­nhar o con­teú­do e o as­pec­to vi­su­al com a pre­fe­rên­cia de ca­da per­fil de lei­tor.

Com tan­tos pon­tos po­si­ti­vos, aca­ba sen­do di­fí­cil fa­zer al­gum co­men­tá­rio di­zen­do que al­go não agra­dou ou não fi­cou bom. Po­rém, jul­go que o úni­co pe­ca­do co­me­ti­do no pro­je­to do Es­ta­dão é a no­va ti­po­lo­gia, prin­ci­pal­men­te a que é ado­ta­da pa­ra os tí­tu­los e que foi de­se­nha­da es­pe­ci­al­men­te e ex­clu­si­va­men­te pa­ra o jor­nal. Acre­di­to que fal­tou um pou­co mais de ou­sa­dia. Nes­se pon­to, O Es­ta­do de S. Pau­lo apre­sen­tou a sua fa­ce­ta con­ser­va­do­ra, não ar­ris­can­do uma mu­dan­ça sig­ni­fi­ca­ti­va. Por­tan­to, a no­va ti­po­lo­gia é uma re­lei­tu­ra da an­ti­ga ti­po­lo­gia e so­freu ape­nas al­gu­mas mu­dan­ças su­tis, con­ser­van­do for­tes la­ços com a an­ti­ga iden­ti­da­de vi­su­al do jor­nal.


Tipologia adotada pelo Estadão em seu novo projeto gráfico

A con­sequên­cia des­sa pos­tu­ra é que, pa­ra os lei­to­res co­muns, o pro­je­to grá­fi­co do jor­nal aca­bou pre­ser­van­do, e mui­to, a “ca­ra” da ver­são an­ti­ga. E, não há dú­vi­da de que es­sa foi a in­ten­ção do Es­ta­dão. Afi­nal, O Es­ta­do de S. Pau­lo tem um po­si­ci­o­na­do cla­ro com os seus lei­to­res, com o mer­ca­do edi­to­ri­al e pu­bli­ci­tá­rio e es­ses “bens” va­li­o­sos de­ve­ri­am ser pro­te­gi­dos, evi­tan­do ar­ris­car gran­des mu­dan­ças na ima­gem do pro­du­to.

Ou­tra pro­vá­vel con­sequên­cia é que o tão anun­ci­a­do pro­je­to grá­fi­co do Es­ta­dão po­de ter frus­tra­do as ex­pec­ta­ti­vas de par­te dos lei­to­res que es­pe­ra­vam mu­dan­ças vi­su­ais mais in­ten­sas. O Es­ta­dão mu­dou, is­so é fa­to. Mas mu­dou es­tru­tu­ral­men­te, mu­dou a dis­tri­bui­ção das ma­té­ri­as, o mo­do de re­da­ção, de lei­tu­ra. Po­rém, a “ca­ra” do jor­nal – o que o lei­tor vê na ban­ca – con­ti­nua a “ca­ra” do bom e ve­lho Es­ta­dão.

Por ou­tro la­do, na ver­são on­li­ne, o no­vo de­se­nho que foi de­sen­vol­vi­do pa­ra o si­te Estadão.com.br apre­sen­tou no­vi­da­des mais im­pac­tan­tes e fá­ceis de se­rem no­ta­das. Sem dú­vi­da, es­sa pos­tu­ra se de­ve ao fa­to de que o pú­bli­co da in­ter­net é mais aber­to às mu­dan­ças do que o pú­bli­co da ver­são im­pres­sa. Além dis­so, a gran­de mai­o­ria dos usuá­ri­os do meio in­ter­net va­lo­ri­za as ino­va­ções. Con­tu­do, ape­sar das mu­dan­ças, a pá­gi­na ini­ci­al con­ti­nua car­re­ga­da de in­for­ma­ções, prin­ci­pal­men­te com um vo­lu­me gran­de de tex­to – pro­ble­ma que ocor­re na mai­o­ria dos por­tais de no­tí­ci­as.


À esquerda, visual antigo do Estadão.com.br um dia antes de apresentar as mudanças do novo projeto, à direita: reformulação evidente

En­tre os prós e os con­tras, o sal­do po­de­rá ser po­si­ti­vo. De al­gu­ma for­ma, o no­vo pro­je­to grá­fi­co do Es­ta­dão aca­ba­rá aju­dan­do a me­lho­rar o en­tro­sa­men­to en­tre o veí­cu­lo e os lei­to­res. Is­so, por­que o pro­je­to fo­cou as prin­ci­pais mu­dan­ças nas ten­dên­ci­as dos “há­bi­tos de con­su­mo” de no­tí­ci­as e bus­ca por in­for­ma­ções, tan­to pa­ra o jor­nal im­pres­so quan­to pa­ra o si­te.

A par­tir des­se mo­men­to, o tra­ba­lho é do tem­po. As pes­so­as, seus cos­tu­mes e os seus há­bi­tos con­su­mo e de lei­tu­ra mu­da­ram e con­ti­nu­am mu­dan­do num rit­mo ace­le­ra­do e cons­tan­te; e a tec­no­lo­gia es­tá con­tri­buin­do pa­ra is­so, fa­ci­li­tan­do – e mui­to – o aces­so às in­for­ma­ções. O Es­ta­dão fez a sua par­te e apli­cou vá­ri­as mu­dan­ças pa­ra ten­tar se en­qua­drar nes­ta no­va re­a­li­da­de. Ago­ra va­mos es­pe­rar pa­ra sa­ber quais se­rão os re­sul­ta­dos des­te pro­je­to, fru­to do es­for­ço de um dos mai­o­res jor­nais diá­ri­os do Bra­sil na bus­ca por al­ter­na­ti­vas pa­ra não per­der o seu es­pa­ço e pa­ra po­der en­fren­tar as di­fi­cul­da­des que são im­pos­tas pe­lo mer­ca­do.

, , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio