Efeito ui!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010 18:10 Comunicação, Design, Marketing, Propaganda

Acre­di­to que, ul­ti­ma­men­te, te­nho me pos­ta­do co­mo uma pes­soa bem cha­ta em re­la­ção às coi­sas que es­tão acon­te­cen­do na área de co­mu­ni­ca­ção. Can­so de ler no­tí­ci­as, blogs e re­vis­tas, dis­cu­tir com ami­gos so­bre pro­pa­gan­da, jor­na­lis­mo, de­sign, te­le­vi­são, e a mi­nha pos­tu­ra, ra­ra­men­te, é a de ver al­go e pen­sar “po­xa, que gran­de idéia es­sa”. Sei que bo­as idéi­as há aos mon­tes. Idéi­as co­pi­a­das, en­tão… Po­rém, idéi­as ino­va­do­ras que cau­sam gran­de im­pac­to, são pouquíssimas.

Não sou to­lo de usar a ve­lha des­cul­pa de que “sou exi­gen­te”. Is­so não co­la. Po­rém, te­nho a mi­nha opi­nião e ava­lio de for­ma cri­te­ri­o­sa qual­quer tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção – se­ja co­mo ar­te ou co­mo ob­je­to pa­ra al­can­çar uma me­ta pré-​estabelecida por um cli­en­te. Pen­so – e de­fen­do – que a sim­pli­ci­da­de sem­pre é fa­vo­rá­vel e que não é pre­ci­so “in­ves­tir um ca­mi­nhão de di­nhei­ro” pa­ra de­sen­vol­ver um tra­ba­lho di­fe­ren­ci­a­do – e bom.

Um fa­tor im­por­tan­te pa­ra de­se­nhar es­te ce­ná­rio, e que se apre­sen­ta co­mo uma ten­dên­cia – e não é de ho­je –, é as “ino­va­ções” na co­mu­ni­ca­ção se­rem afe­ta­das pe­las ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas e, con­se­quen­te­men­te, pe­las no­vas mí­di­as que sur­gem gra­ças a es­se pro­ces­so. O gran­de des­ta­que – mais uma vez – é a in­ter­net, que nos úl­ti­mos anos tem so­fri­do cons­tan­tes “mu­ta­ções” e apre­sen­ta­do no­vi­da­des co­mo blogs e co­mu­ni­da­des vir­tu­ais, e co­lo­can­do na pau­ta con­cei­tos co­mo web 2.0 e in­te­li­gên­cia coletiva.

O que po­de­ria ser bom pe­lo fa­to de fa­ci­li­tar o aces­so e pro­pa­ga­ção das in­for­ma­ções, a pro­xi­mi­da­de com os cli­en­tes, mui­tas ve­zes aca­ba sen­do ma­lé­fi­co, já que o in­ves­ti­men­to em no­vas mí­di­as e ca­nais co­mo “gran­de di­fe­ren­ci­al” na co­mu­ni­ca­ção aca­ba sen­do mais im­por­tan­te do que ter bo­as idéi­as, do que ela­bo­rar bo­as men­sa­gens, do que dar o su­por­te ade­qua­do pa­ra se ob­ter fe­ed­back. Sem pre­ci­sar ci­tar ca­sos es­pe­cí­fi­cos, nota-​se que mui­tas em­pre­sas in­ves­ti­ram – gas­ta­ram – mui­to di­nhei­ro pa­ra co­lo­car si­tes, im­plan­tar blogs, par­ti­ci­par do Twit­ter, Or­kut ou qual­quer ou­tra co­mu­ni­da­de, e não se aten­ta­ram pa­ra o pla­ne­ja­men­to e acom­pa­nha­men­to des­sas ações. As­sim, mui­tos des­ses ar­ti­fí­ci­os se tor­na­ram pí­fi­os – quan­do não inú­teis – apre­sen­tan­do re­sul­ta­dos medíocres.

Por­tan­to, an­tes de pen­sar em es­tar na “mí­dia da mo­da” é pre­ci­so sa­ber – ou pe­lo me­nos ima­gi­nar – co­mo é o com­por­ta­men­to das pes­so­as di­an­te das no­vi­da­des e quais se­rão as su­as re­a­ções e ati­tu­des. Ca­so con­trá­rio, o que mui­tos es­pe­ram co­mo re­sul­ta­do e clas­si­fi­cam co­mo “efei­to uau” po­de aca­bar sain­do co­mo um ti­ro pe­la cu­la­tra, se tor­nan­do um “efei­to ui”.

, , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio