Informações valiosas

quarta-feira, 14 de outubro de 2009 13:40 Propaganda, Reflexão

To­dos os di­as so­mos “bom­bar­de­a­dos” por uma in­fi­ni­da­de de in­for­ma­ções que nos che­gam atra­vés dos cin­co sen­ti­dos – vi­são, au­di­ção, pa­la­dar, ta­to e ol­fa­to. Uma gran­de par­te des­sas in­for­ma­ções é pro­ces­sa­da pe­lo pró­prio or­ga­nis­mo pro­vo­can­do re­a­ções au­to­má­ti­cas ou que fo­ram ad­qui­ri­das ao lo­go de nos­sa exis­tên­cia. Quan­do uma fon­te lu­mi­no­sa se in­ten­si­fi­ca em di­re­ção aos nos­sos olhos, ge­ran­do um des­con­for­to, o or­ga­nis­mo res­pon­de que de­ve­mos fe­char as pál­pe­bras pa­ra obs­truir a pas­sa­gem da luz. Ao ou­vi­mos um te­le­fo­ne to­car, nos­sa aten­ção é des­per­ta­da e as­si­mi­la­mos que al­guém es­tá ten­tan­do fa­zer con­ta­to.

Uma par­te das in­for­ma­ções que são re­ce­bi­das ao lon­go do dia, co­mo tex­tos e sím­bo­los, de­ve ser ana­li­sa­da, de­co­di­fi­ca­da e in­ter­pre­ta­da atra­vés dos co­nhe­ci­men­tos que te­mos do idi­o­ma em­pre­ga­do e das con­ven­ções sócio-​culturais, co­mo o em­pre­go de si­nais e co­res pa­ra os mais di­ver­sos fins, co­mo as pla­cas de tran­si­to, íco­nes na in­for­má­ti­ca, no­tas mu­si­cais, ope­ra­ção de equi­pa­men­tos, etc.

Se fi­zer­mos um es­for­ço pa­ra lem­brar de in­for­ma­ções a qual fi­ca­mos ex­pos­tos du­ran­te um dia, no­ta­re­mos que pouquís­si­mas re­al­men­te per­ma­ne­ce­ram “re­ti­das” em nos­sa me­mó­ria. En­ten­den­do es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca do ser hu­ma­no, nes­se mo­men­to, o pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção de­ve re­fle­tir so­bre o que re­al­men­te de­ve ser tra­ba­lha­do em su­as men­sa­gens pa­ra que elas con­quis­tem um pe­que­no “es­pa­ço” na ca­be­ça das pes­so­as.

É im­por­tan­te en­ten­der que nes­sa “guer­ra de in­for­ma­ções” os con­su­mi­do­res aca­bam ten­do pou­co tem­po pa­ra ana­li­sar to­da a co­mu­ni­ca­ção que é di­ri­gi­da a eles, dei­xan­do de jul­gar de ma­nei­ra mais apu­ra­da e, con­seqüen­te­men­te, des­car­tan­do tu­do que não lhe des­per­ta o in­te­res­se ime­di­a­to.

Na pro­pa­gan­da, por exem­plo, o gran­de vo­lu­me de men­sa­gens que é trans­mi­ti­do nos mais va­ri­a­dos mei­os áudio-​visuais aca­ba ge­ran­do uma si­tu­a­ção on­de a ino­va­ção é a fer­ra­men­ta cha­ve pa­ra o su­ces­so de uma cam­pa­nha. Pa­ra des­per­tar a aten­ção dos con­su­mi­do­res é pre­ci­so de­sen­vol­ver sem­pre so­lu­ções di­fe­ren­tes, fu­gin­do dos “pa­co­tes” e das mes­mi­ces que es­tão sen­do pra­ti­ca­das pe­lo mer­ca­do. As­sim, ser cri­a­ti­vo ao es­cre­ver um be­lo tex­to ou de­sen­vol­ver uma pe­ça grá­fi­ca vi­su­al­men­te agra­dá­vel po­de não ser a me­lhor al­ter­na­ti­va pa­ra al­can­çar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, já que, às ve­zes, um ar­ti­fí­cio que con­si­de­ra­do co­mo “es­tra­nho” po­de cau­sar mais im­pac­to e ga­nhar à aten­ção dos con­su­mi­do­res.

Por­tan­to, no mo­men­to de ela­bo­rar qual­quer pe­ça de co­mu­ni­ca­ção, se­ja pa­ra pro­pa­gan­da ou não, é im­por­tan­te ava­li­ar o va­lor de ca­da in­for­ma­ção, o im­pac­to que po­de cau­sar, in­de­pen­den­te de seu for­ma­to – tex­tu­al, vi­su­al, so­no­ra – e não ter re­ceio de des­car­tar as in­for­ma­ções des­ne­ces­sá­ri­as, uma vez não agre­gam e po­dem sub­trair, já que in­ter­fe­rem co­mo ruí­do.

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio