Criatividade em série

quinta-feira, 10 de setembro de 2009 09:59 Propaganda, Reflexão

A cri­a­ti­vi­da­de é uma “ati­vi­da­de” que exi­ge com­pe­tên­cia, em­pe­nho, es­tu­do, tem­po e inú­me­ros fa­to­res que for­mam uma lis­ta mui­to ex­ten­sa. Na pro­pa­gan­da, es­se es­for­ço cri­a­ti­vo es­tá re­la­ci­o­na­do, en­tre ou­tras coi­sas, ao pla­ne­ja­men­to de cam­pa­nha, à es­tra­té­gia, ao de­sen­vol­vi­men­to das ações pro­mo­ci­o­nais e ins­ti­tu­ci­o­nais, a pro­du­ção das pe­ças de co­mu­ni­ca­ção.

Es­ses tra­ba­lhos, ape­sar de se­rem “sis­te­ma­ti­za­dos” atra­vés de ro­ti­nas pa­ra agi­li­zar o pro­ces­so cri­a­ti­vo, co­mo a ela­bo­ra­ção de um bri­e­fing (le­van­ta­men­to de in­for­ma­ções do cli­en­te e su­as ne­ces­si­da­des) e a de­di­ca­ção em re­a­li­zar reu­niões de brains­torm (tem­pes­ta­de de idéi­as), re­que­rem mais do que is­so, exi­gin­do dos pro­fis­si­o­nais de pro­pa­gan­da o en­vol­vi­men­to com a “cau­sa” do cli­en­te. É ne­ces­sá­rio sen­tir a si­tu­a­ção colocando-​se no lu­gar do cli­en­te, en­ten­den­do co­mo é sua em­pre­sa ou pro­du­to, quais são as su­as ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção ao mer­ca­do, su­as di­fi­cul­da­des em re­la­ção à con­cor­rên­cia, seus po­ten­ci­ais, seus pon­tos fra­cos, on­de ele quer che­gar.

Deve-​se en­ten­der que nem sem­pre as idéi­as mais bri­lhan­tes, as pe­ças pu­bli­ci­tá­ri­as mais bo­ni­tas e bem pro­du­zi­das, os tex­tos mais emo­ci­o­nan­tes, as ações pro­mo­ci­o­nais mais bem “pla­ne­ja­das”, re­sol­vem os pro­ble­mas do cli­en­te, ven­dem seus pro­du­tos ou ser­vi­ços, cons­tro­em sua ima­gem na men­te dos con­su­mi­do­res. Pa­ra o cli­en­te, a cri­a­ti­vi­da­de es­tá re­la­ci­o­na­da ao re­sul­ta­do fi­nal, a con­quis­ta dos ob­je­ti­vos que fo­ram tra­ça­dos e não ape­nas ao pro­ces­so de “cri­ar” coi­sas bo­ni­tas ou di­zer pa­la­vras que agra­dam.

Os pro­fis­si­o­nais de pro­pa­gan­da que ado­tam es­sa fi­lo­so­fia de cri­a­ti­vi­da­de ape­nas sob o en­fo­que do be­lo ge­ram uma “fá­bri­ca” de coi­sas bo­ni­tas, ba­na­li­zan­do os prin­cí­pi­os da pro­pa­gan­da que es­tão re­la­ci­o­na­dos à cons­tru­ção de mar­cas, aos pro­ces­sos ven­das e de fi­xa­ção de idéi­as, trans­for­man­do a cri­a­ti­vi­da­de que é es­pe­ra­da pe­lo cli­en­te em re­sul­ta­do de pro­du­ção em sé­rie, sem ne­nhum di­fe­ren­ci­al mol­da­do pa­ra aten­der su­as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. É ne­ces­sá­rio en­ten­der e as­su­mir uma pos­tu­ra de “ven­der” ao cli­en­te a cri­a­ti­vi­da­de que al­can­ça re­sul­ta­dos, pois o di­nhei­ro que ele in­ves­te em ações de pro­pa­gan­da ali­men­ta os seus so­nhos de cres­cer, de am­pli­ar seus ne­gó­ci­os, de con­quis­tar mer­ca­dos. E di­nhei­ro não é ma­to.

Na­da im­pe­de unir o útil ao agra­dá­vel. É ló­gi­co que so­mar as du­as “cri­a­ti­vi­da­des”, a que ven­de e a que é be­la, é de­ter­mi­nan­te pa­ra de­sen­vol­ver um bom tra­ba­lho, que al­can­ça re­sul­ta­dos po­si­ti­vos e que é efi­ci­en­te em seu ob­je­ti­vo, e que, tam­bém, trans­mi­ta uma men­sa­gem que se des­ta­que em re­la­ção à co­mu­ni­ca­ção dos con­cor­ren­tes.

O im­por­tan­te é evi­tar a “pro­pa­gan­da em­pa­co­ta­da” co­mo so­lu­ção; aque­la que é “bo­ni­ti­nha”, fá­cil e rá­pi­do de pro­du­zir e que, em mui­tos ca­sos, al­can­ça re­sul­ta­dos de­fi­ci­en­tes pa­ra os cli­en­tes – is­so quan­do al­can­ça.

, ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio