Pensando bem o marketing

terça-feira, 8 de setembro de 2009 13:44 Marketing

Co­nhe­cen­do os ca­sos de su­ces­so da­que­les que apos­ta­ram em in­ves­tir no pla­ne­ja­men­to de mar­ke­ting e que ago­ra des­fru­tam das van­ta­gens con­quis­ta­das, as em­pre­sas têm bus­ca­do, ca­da vez mais, im­plan­tar ser­vi­ços to­man­do co­mo ba­se os con­cei­tos do mar­ke­ting den­tro de sua es­tru­tu­ra. Es­tu­dar e de­fi­nir uma es­tra­té­gia in­te­li­gen­te po­de ser o di­fe­ren­ci­al im­por­tan­te pa­ra aque­les que de­se­jam con­quis­tar des­ta­que no mercado.

O ce­ná­rio atu­al, on­de as em­pre­sas es­tão re­cep­ti­vas ao mar­ke­ting, cria opor­tu­ni­da­des pa­ra pro­fis­si­o­nais qua­li­fi­ca­dos e tam­bém pa­ra os opor­tu­nis­tas. Por is­so os ges­to­res de­vem es­tar mui­to aten­tos pa­ra não abri­rem as por­tas da em­pre­sa pa­ra pes­so­as que não te­nham co­nhe­ci­men­tos su­fi­ci­en­tes ou, até mes­mo, pos­sam ter in­ten­ções ruins. As­sim, co­mo há vá­ri­os ca­sos de su­ces­so, há tam­bém mui­tos ou­tros de fra­cas­sos. A der­ro­ta po­de sig­ni­fi­car ape­nas a per­da de al­gu­mas po­si­ções no ran­king em re­la­ção à con­cor­rên­cia mas, em ca­sos mais drás­ti­cos, ge­ra si­tu­a­ções crí­ti­cas, com em­pre­sas “quei­man­do” sua mar­ca e, até mes­mo, fe­chan­do as portas.

A vul­ga­ri­za­ção do em­pre­go da pa­la­vra mar­ke­ting é uma ques­tão ver­go­nho­sa. Atu­al­men­te, qual­quer ti­po de ser­vi­ço ba­nal es­tá sen­do cha­ma­do de mar­ke­ting. Che­ga­mos ao cú­mu­lo de en­con­trar anún­ci­os em jor­nais com ofer­tas de em­pre­gos na área de mar­ke­ting exi­gin­do que os can­di­da­tos te­nham ex­pe­ri­ên­cia em en­ve­lo­par car­tas. A ali­an­ça en­tre os opor­tu­nis­tas e a uti­li­za­ção equi­vo­ca­da da pa­la­vra mar­ke­ting as­so­ci­a­da a al­gum ti­po de ser­vi­ço de bai­xo grau de im­por­tân­cia es­tá se tor­nan­do uma “pra­ga” co­mum. Es­sa si­tu­a­ção já pre­ju­di­cou – e con­ti­nua pre­ju­di­can­do – mui­tas em­pre­sas que fi­ze­ram a es­co­lha er­ra­da, so­fren­do ex­pe­ri­ên­ci­as negativas.

As­sim, co­mo não há me­ca­nis­mos pa­ra blo­que­ar a pro­li­fe­ra­ção des­sa “do­en­ça”, co­mo uma as­so­ci­a­ção de pro­fis­si­o­nais com­pro­me­ti­da em qua­li­fi­car e fis­ca­li­zar o mer­ca­do, en­quan­to não hou­ver uma ou­tra so­lu­ção, a me­lhor saí­da é es­tar aten­to e ava­li­ar bem o pro­fis­si­o­nal ou em­pre­sa que ofe­re­ce ser­vi­ços de mar­ke­ting, pro­cu­ran­do re­fe­rên­ci­as com ou­tras pes­so­as, bus­can­do co­nhe­cer sua his­tó­ria e cur­rí­cu­lo, e, prin­ci­pal­men­te, os cli­en­tes que já fo­ram aten­di­dos, evi­tan­do pro­ble­mas que po­dem ser irreparáveis.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio