Risos, mulheres, propaganda

sexta-feira, 14 de agosto de 2009 09:34 Propaganda

Vi­san­do al­can­çar des­ta­que na mí­dia te­le­vi­si­va e con­quis­tar a aten­ção dos con­su­mi­do­res – e mui­tas ve­zes prê­mi­os –, os co­mer­ci­ais cos­tu­mam ape­lar pa­ra dois ar­ti­fí­ci­os bá­si­cos que fun­ci­o­nam co­mo “in­gre­di­en­tes má­gi­cos”: o hu­mor e a sen­su­a­li­da­de. De cer­ta for­ma, po­de­mos di­zer que es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca é qua­se um “pa­drão” – até in­ter­na­ci­o­nal. Es­tá é a mi­nha opi­nião, mas é mui­to fá­cil vo­cê con­cor­dar co­mi­go. Bas­ta li­gar a sua te­le­vi­são e ob­ser­var os co­mer­ci­ais pa­ra cons­ta­tar is­so.

En­tre mui­tos mo­ti­vos, is­so ocor­re por­que o te­mí­vel in­ter­va­lo, o mo­men­to em que a pro­gra­ma­ção – se­ja ela qual for – é in­ter­rom­pi­da, po­de ge­rar um gran­de dé­fi­cit de aten­ção nos te­les­pec­ta­do­res. Con­se­quen­te­men­te, se as pes­so­as não es­tão in­te­res­sa­das em as­sis­tir a TV, o di­nhei­ro que o anun­ci­an­te in­ves­tiu aca­ba sen­do des­per­di­ça­do. E, co­mo to­do anun­ci­an­te – exi­gen­te ou mui­to exi­gen­te – es­pe­ra ob­ter bons re­sul­ta­dos e quer evi­tar a des­gra­ça, as agên­ci­as e pro­du­to­ras de ví­de­os mui­tas ve­zes apos­tam na “cri­a­ti­vi­da­de”, pa­ra ela­bo­rar ro­tei­ros en­gra­ça­dos, e na in­ser­ção de “ele­men­tos atra­ti­vos” – leia be­las mu­lhe­res –, pa­ra ga­ran­tir re­per­cus­são.

httpv://www.youtube.com/watch?v=RJMyQ-Vt3k0
Apelo sexual presente em propaganda de papel

Co­nhe­cen­do mui­to bem es­ta re­cei­ta de su­ces­so, pa­re­ce que mui­tos pu­bli­ci­tá­ri­os aca­bam op­tan­do por se­guir o ca­mi­nho mais fá­cil pa­ra con­quis­tar a apro­va­ção dos anun­ci­an­tes. As­sim, o que an­tes po­de­ria ser con­si­de­ra­do co­mo um ro­tei­ro di­fe­ren­ci­a­do, ca­da dia mais se mos­tra co­mo um re­cur­so mas­si­fi­ca­do – em­pa­co­ta­do. Por mais que nos fa­ça rir ou nos des­per­te “de­se­jos”, os co­mer­ci­ais do ti­po “in­di­ví­duo em si­tu­a­ção en­gra­ça­da” ou “gos­to­sa se­gu­ra pro­du­to e sor­ri”, es­tão co­la­bo­ran­do pa­ra es­ta­ci­o­nar a cri­a­ti­vi­da­de, dei­xan­do de in­cen­ti­var as ino­va­ções no for­ma­to.

Por ou­tro la­do, pa­ra agên­ci­as, pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção e anun­ci­an­tes que ado­tam uma vi­são mais in­te­li­gen­te em re­la­ção à es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção de pro­du­tos e mar­cas com seus pú­bli­cos de in­te­res­se, a te­le­vi­são no for­ma­to tra­di­ci­o­nal es­tá dei­xan­do de ser atra­ti­va gra­ças à es­sa fal­ta de mu­dan­ças. Por is­so há uma gran­de ex­pec­ta­ti­va com a che­ga­da da TV di­gi­tal, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção à in­te­ra­ção com os es­pec­ta­do­res. Es­se fa­tor tam­bém tem si­do um dos prin­ci­pais in­cen­ti­vos pa­ra os in­ves­ti­men­tos ca­da vez mai­o­res em ações na in­ter­net e em mí­di­as so­ci­ais, já que pro­por­ci­o­nam no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as e in­te­ra­ção com o pú­bli­co.

Com o atu­al ce­ná­rio mi­diá­ti­co que se trans­for­ma di­a­ri­a­men­te, prin­ci­pal­men­te pe­las fer­ra­men­tas ofe­re­ci­das atra­vés da in­ter­net, e com as ino­va­ções da TV di­gi­tal que são es­pe­ra­das pa­ra um fu­tu­ro mui­to pró­xi­mo, as be­las cur­vas fe­mi­ni­nas e as gar­ga­lha­das po­de­rão dei­xar de ser o ar­ti­fí­cio for­te pa­ra cha­mar a aten­ção dos te­les­pec­ta­do­res.

, , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio