O preço faz a diferença

terça-feira, 4 de agosto de 2009 12:01 Marketing

Dis­cu­tir o po­der que o pre­ço exer­ce nas ope­ra­ções co­mer­ci­ais é “cho­ver no mo­lha­do”. Por mais que atri­bu­tos fí­si­cos ou “ima­gi­ná­ri­os” pos­sam agre­gar va­lo­res pa­ra um pro­du­to, com ou sem a cri­se, o pre­ço sem­pre se­rá um fa­tor mui­to im­por­tan­te pa­ra con­cre­ti­zar ou não uma negociação.

Ho­je, o mer­ca­do é do­mi­na­do pe­los pro­du­tos fa­bri­ca­dos em sé­rie. Co­mo tal, os con­su­mi­do­res e os dis­tri­bui­do­res es­pe­ram que to­das as uni­da­des pos­su­am as mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas. Por­tan­to, a par­tir do mo­men­to que o con­su­mi­dor de­ci­de com­prar um de­ter­mi­na­do pro­du­to de uma mar­ca X, fi­ca a car­go dos dis­tri­bui­do­res com­pe­ti­rem pa­ra ofe­re­cer as me­lho­res con­di­ções de pre­ço e de for­mas de pa­ga­men­to, já que, ge­ral­men­te, os com­pra­do­res não le­vam em con­si­de­ra­ção os ser­vi­ços agre­ga­dos à compra.

No ca­so de pro­du­tos si­mi­la­res de mar­cas con­cor­ren­tes, in­de­pen­den­te dos atri­bu­tos diferenciá-​los e a mar­ca exer­cer a sua for­ça, o pre­ço pe­sa mui­to. Por mai­or que se­ja a fi­de­li­da­de ou o há­bi­to do con­su­mi­dor, a par­tir do mo­men­to que ele per­ce­be que há ou­tro pro­du­to ofer­ta­do no mer­ca­do com ca­rac­te­rís­ti­cas equi­va­len­tes, me­lhor pre­ço e que po­de­rá subs­ti­tuir o item sem pre­juí­zo, di­fi­cil­men­te a tro­ca dei­xa­rá de acon­te­cer. Es­ta si­tu­a­ção é a mes­ma vi­ven­ci­a­da pe­los pro­du­tos manufaturados.

Há mui­tos “mar­que­tei­ros” que apon­tam a qua­li­da­de co­mo a prin­ci­pal va­riá­vel no mo­men­to da de­ci­são de com­pra. E, re­al­men­te, es­te fa­tor é de­ci­si­vo, des­de que o pre­ço se­ja igual. To­do con­su­mi­dor aten­to não per­de­rá a opor­tu­ni­da­de de com­prar um pro­du­to me­lhor que apre­sen­te o pre­ço si­mi­lar a um pro­du­to in­fe­ri­or. Po­rém, o con­su­mi­dor po­de abrir mão da qua­li­da­de se o pre­ço for mais in­te­res­san­te e competitivo.

Co­nhe­cen­do es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca de con­su­mo, as gran­des in­dús­tri­as, há mui­to tem­po, de­di­cam sua for­ça nas ino­va­ções pa­ra pro­du­zir com mais qua­li­da­de, em mai­or vo­lu­me e me­nor cus­to. Se­guin­do es­ta ló­gi­ca, po­dem ofe­re­cer bons pro­du­tos a um pre­ço bai­xo. Por­tan­to, a qua­li­da­de es­tá sem­pre atre­la­da à ca­pa­ci­da­de do pre­ço ser atra­ti­vo ao mercado.

A bai­xa qua­li­da­de de um pro­du­to não o im­pe­de de cir­cu­lar se o pre­ço for com­pe­ti­ti­vo e es­ti­ver ni­ve­la­do ao seu pa­drão. Já o pro­du­to que apre­sen­ta pre­ço al­to te­rá di­fi­cul­da­de pa­ra es­co­ar, in­de­pen­den­te da qualidade.

Pa­ra ob­ter su­ces­so, to­do pro­du­to de­ve ser pro­je­ta­do levando-​se em con­si­de­ra­ção, pri­mei­ra­men­te, o pre­ço que os con­su­mi­do­res es­tão dis­pos­tos a pa­gar e, pos­te­ri­or­men­te, as ca­rac­te­rís­ti­cas que po­dem fa­ci­li­tar a sua ven­da. As­sim, é es­sen­ci­al aten­der à es­ta con­di­ção bá­si­ca. Ca­so con­trá­rio, a prá­ti­ca de pre­ços equi­vo­ca­dos irá di­mi­nuir a atra­ção dos con­su­mi­do­res e, cer­ta­men­te, com­pro­me­te­rá as vendas.

,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio