Propaganda profissional

quarta-feira, 8 de julho de 2009 12:32 Propaganda, Reflexão

Gran­de par­te da pro­pa­gan­da pro­du­zi­da no Bra­sil é fei­ta de for­ma ama­do­ra. Es­sa é uma re­a­li­da­de mui­to fá­cil de cons­ta­tar, prin­ci­pal­men­te nos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção do in­te­ri­or – emis­so­ras de TV, rá­di­os, jor­nais e re­vis­tas –, em pe­ças im­pres­sas, na mí­dia ex­ter­na, na in­ter­net, en­tre ou­tros ca­nais.

Um fa­tor de gran­de in­fluên­cia pa­ra sus­ten­tar es­se ce­ná­rio é a fal­ta de qua­li­fi­ca­ção dos pro­fis­si­o­nais que atu­am no mer­ca­do, com “agên­ci­as” opor­tu­nis­tas e “pi­ca­re­tas” que ofe­re­cem ser­vi­ços sem a pre­o­cu­pa­ção de al­can­çar bons re­sul­ta­dos com os in­ves­ti­men­tos fei­tos pe­los cli­en­tes.

Des­sa for­ma, as em­pre­sas que li­te­ral­men­te quei­mam o seu di­nhei­ro tra­ba­lhan­do com es­se per­fil de pro­fis­si­o­nal não con­se­guem en­xer­gar a pro­pa­gan­da co­mo um in­ves­ti­men­to, mas sim co­mo uma des­pe­sa. Ou­tro fa­tor im­por­tan­te são os pró­pri­os veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção – co­mo jor­nais e rá­di­os – que ven­dem seus es­pa­ços pu­bli­ci­tá­ri­os di­re­ta­men­te pa­ra os anun­ci­an­tes e ofe­re­cem a pro­du­ção da pe­ça de co­mu­ni­ca­ção co­mo um brin­de in­clu­so no “pa­co­te”. Nor­mal­men­te, nes­sa prá­ti­ca, o tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção de­sen­vol­vi­do é bá­si­co e su­per­fi­ci­al, já que, cos­tu­mei­ra­men­te, fi­ca a car­go dos de­par­ta­men­tos co­mer­ci­ais dos pró­pri­os veí­cu­los.


Peças chamam a atenção pela criatividade de gosto duvidoso

O pen­sa­men­to de que a pro­pa­gan­da gas­ta di­nhei­ro e não traz re­sul­ta­dos tornou-​se um fa­to con­cre­to gra­ças à es­se cír­cu­lo vi­ci­o­so en­tre a pos­tu­ra em­pre­sa­ri­al e os “pu­bli­ci­tá­ri­os” des­qua­li­fi­ca­dos. Es­se as­pec­to, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, re­fle­te no al­tís­si­mo per­cen­tu­al das em­pre­sas bra­si­lei­ras que não con­se­guem co­me­mo­rar o seu pri­mei­ro ani­ver­sá­rio.

Pa­ra mu­dar o ce­ná­rio, é ne­ces­sá­rio fa­zer um tra­ba­lho de cons­ci­en­ti­za­ção so­bre os efei­tos ma­lé­fi­cos da pro­pa­gan­da ama­do­ra. E es­se tra­ba­lho po­de ser re­a­li­za­do pe­los pró­pri­os pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção – os qua­li­fi­ca­dos – que sa­bem o quan­to é pre­ju­di­ci­al tra­ba­lhar num se­tor “pros­ti­tuí­do”. Não é ne­ces­sá­rio fa­zer uma mega-​campanha na­ci­o­nal em TV, jor­nal e re­vis­ta, nem é pre­ci­so in­ves­ti­men­to de al­tas ci­fras pa­ra se di­fun­dir a idéia. Mes­mo por­que quem mais so­fre com os pro­ble­mas ge­ra­dos por es­sa si­tu­a­ção são as pe­que­nas agên­ci­as e os pro­fis­si­o­nais in­de­pen­den­tes, que não aten­dem gran­des con­tas e dis­pu­tam o mer­ca­do de for­ma in­jus­ta com os “pi­ca­re­tas”.

A dis­se­mi­na­ção da cul­tu­ra da pro­pa­gan­da pro­fis­si­o­nal de­ve ex­por es­sa si­tu­a­ção do mer­ca­do e po­de usá-​la até co­mo ar­ti­fí­cio pa­ra des­ta­car as van­ta­gens de se tra­ba­lhar com uma agên­cia ou pro­fis­si­o­nal de pro­pa­gan­da qua­li­fi­ca­do. É uma ma­nei­ra de com­ba­ter, mes­mo que ti­mi­da­men­te, o tra­ba­lho de pes­so­as sem qua­li­fi­ca­ção que com­pro­me­tem a pro­pa­gan­da no Bra­sil. É im­por­tan­te plan­tar es­sa se­men­te pa­ra que um dia es­se qua­dro pos­sa me­lho­rar, tan­to pa­ra as agên­ci­as e pro­fis­si­o­nais, quan­to pa­ra as em­pre­sas que in­ves­tem em pro­pa­gan­da e não al­can­çam bons re­sul­ta­dos.

, , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio