O tempo não para

quinta-feira, 2 de julho de 2009 13:05 Reflexão

Nos úl­ti­mos di­as te­nho en­fren­ta­do um sé­rio pro­ble­ma com a es­cas­sez de tem­po. Além das ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais que de­sen­vol­vo, tam­bém co­la­bo­ro co­mo vo­lun­tá­rio pa­ra du­as en­ti­da­des. Por is­so, o tem­po li­vre que me res­ta pa­ra fa­zer mi­nhas ati­vi­da­des pes­so­ais é mui­to va­li­o­so – mui­to mes­mo.

Po­rém, com os pou­cos mi­nu­tos que me so­bram a ca­da dia, aca­bou sen­do di­fí­cil en­con­trar uma “ja­ne­la” pa­ra es­cre­ver no blog, al­go que fa­ço com mui­to pra­zer, gra­ças à sa­tis­fa­ção que sin­to de po­der ex­pres­sar e re­gis­trar os meus pen­sa­men­tos, e pe­la va­li­o­sa opor­tu­ni­da­de de com­par­ti­lha­men­to de co­nhe­ci­men­tos, idéi­as e opi­niões que es­ta fer­ra­men­ta pos­si­bi­li­ta.

Li­te­ral­men­te, pas­sei em bran­co, sem fa­lar na­da so­bre te­mas in­te­res­san­tes co­mo a sus­pen­são da exi­gên­cia de di­plo­ma pa­ra o exer­cí­cio da pro­fis­são de jor­na­lis­ta, os “epi­só­di­os” de agen­da set­ting da tra­gé­dia do voo 477 da Air Fran­ce e ago­ra da mor­te do rei da Pop Mu­sic Mi­cha­el Jack­son, ou, até mes­mo, o tí­tu­lo do Co­rinthi­ans de cam­peão da Co­pa do Bra­sil.

Sei que atu­al­men­te o pro­ble­ma da fal­ta de tem­po é ca­da vez mais co­mum na so­ci­e­da­de mo­der­na e que não sou o úni­co a enfrentá-​lo. Na ver­da­de, te­nho cons­ci­ên­cia de que mui­tas pes­so­as pas­sam por si­tu­a­ções pi­o­res do que a mi­nha e que so­nha­ri­am com di­as que ti­ves­sem 48 ho­ras, ou mais.

No­te que não é a pri­mei­ra vez que es­cre­vo so­bre es­te as­sun­to, mas es­pe­ro que es­ta se­ja a úl­ti­ma vez – que Deus ou­ça o meu pe­di­do.

Por mais que exis­tam mui­tas di­cas e li­vros pa­ra ge­rir o tem­po, or­ga­ni­zar o tra­ba­lho e as ro­ti­nas diá­ri­as, nor­mal­men­te o em­pe­nho que é de­di­ca­do pa­ra bus­car me­lho­ri­as nes­se sen­ti­do aca­ba não ge­ran­do bons fru­tos. Ao me­nos é es­sa a mi­nha opi­nião. Sem­pre sur­gem inú­me­ros im­pre­vis­tos que aca­bam di­fi­cul­tan­do mui­to a vi­da, prin­ci­pal­men­te com fa­to­res ex­ter­nos que são in­con­tro­lá­veis e não de­pen­dem da nos­sa von­ta­de. É um car­ro que­bra­do, um or­ça­men­to er­ra­do pas­sa­do por um for­ne­ce­dor, um cli­en­te in­de­ci­so que ge­ra inú­me­ras mu­dan­ças ou re­tra­ba­lhos, pes­so­as que não tem ca­pa­ci­da­de ou von­ta­de de ten­tar re­sol­ver os pro­ble­mas so­zi­nhas – e pe­dem aju­da com frequên­cia –, o Spe­edy um ser­vi­ço de in­ter­net que vi­ve “fo­ra do ar” ou es­tá cons­tan­te­men­te ins­tá­vel, o e-​mail que não é en­vi­a­do ou re­ce­bi­do, en­tre mi­lha­res de ou­tros “pro­ble­mi­nhas” que eu po­de­ria ci­tar aqui.

O tem­po re­al­men­te é mui­to, mui­to va­li­o­so. É um “bem” fi­ni­to, afi­nal de con­tas, to­dos nós sa­be­mos que a nos­sa vi­da te­rá um fim – pe­lo me­nos nes­se mun­do –, que ca­da se­gun­do que pas­sou fi­cou per­di­do no pas­sa­do e nun­ca mais vol­ta­rá. Por is­so to­do des­per­dí­cio de tem­po ge­ra um pre­juí­zo ir­re­pa­rá­vel, tan­to na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal co­mo na vi­da pes­so­al.

As­sim, pa­ra que to­dos evi­tas­sem mais des­per­dí­cio de tem­po, ca­da um de­ve­ria to­mar cons­ci­ên­cia do que é pre­ci­so fa­zer pa­ra va­lo­ri­zar o seu pró­prio tem­po, dedicando-​se mais pa­ra as ati­vi­da­des que pro­por­ci­o­nam sa­tis­fa­ção e cres­ci­men­to, e evi­tan­do aque­las que não tra­zem be­ne­fí­ci­os.

Por fim, tão im­por­tan­te quan­to es­sa pos­tu­ra, é res­pei­tar as di­fe­ren­ças de va­lo­res in­di­vi­du­ais. É pre­ci­so en­ten­der que ca­da um tem o di­rei­to de fa­zer as su­as es­co­lhas, ter as su­as pre­fe­rên­ci­as, as su­as ne­ces­si­da­des, os seus de­se­jos e fa­zer os jul­ga­men­tos do que acre­di­ta ser me­lhor ou pi­or.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio