Ego e nada mais

sexta-feira, 24 de abril de 2009 13:50 Etc, Reflexão

Após a re­per­cus­são na Tui­tos­fe­ra da tro­ca de far­pas en­tre Mar­ce­lo Tas – @marcelotas –, apre­sen­ta­dor do CQC, e Di­e­go Mai­nar­di – @diogomainardi –, co­lu­nis­ta da Ve­ja, a po­ei­ra, apa­ren­te­men­te, bai­xou. Po­rém, ti­ro al­gu­mas con­clu­sões pes­so­ais so­bre es­se episódio.

Pri­mei­ro, o tex­to de Di­o­go Mai­nar­di pu­bli­ca­do na Ve­ja, apre­sen­ta, na­da mais, do que sua vi­são su­per­fi­ci­al so­bre a re­de so­ci­al Twit­ter e so­bre as mu­dan­ças so­ci­ais que ocor­re­ram en­tre os sé­cu­los 20 e 21 gra­ças aos avan­ços tec­no­ló­gi­cos e a ex­pan­são da internet.

É fa­to, e to­dos sa­bem, que es­ses fa­to­res fo­ram os gran­des res­pon­sá­veis pe­la no­va re­a­li­da­de cons­truí­da no sé­cu­lo 21, que mo­di­fi­cou os con­cei­tos de tra­ba­lho e de re­mu­ne­ra­ção, o re­la­ci­o­na­men­to en­tre as pes­so­as e os há­bi­tos de con­su­mo. Po­rém, a mai­o­ria das pes­so­as não con­se­gue as­si­mi­lar to­das es­sas mu­dan­ças, as­sim co­mo o pró­prio Mai­nar­di, que “en­tre­gou o ou­ro” em seu ar­ti­go. Mas is­so não é pe­ca­do, mui­to me­nos mo­ti­vo pa­ra pre­o­cu­pa­ção. Es­ta­mos vi­ven­do num mun­do de mu­dan­ças cons­tan­tes. Ago­ra, na­da mais é co­mo foi on­tem. Por­tan­to, o que ho­je po­de ter al­gum va­lor, ama­nhã aca­ba sen­do coi­sa do pas­sa­do e torna-​se descartável.

As­sim, ge­ne­ra­li­zan­do, a opi­nião de Mai­nar­di re­pre­sen­ta o pen­sa­men­to da­que­las pes­so­as que, de al­gu­ma for­ma, não con­se­guem acom­pa­nhar as mu­dan­ças. Elas aca­bam se in­co­mo­dan­do tan­to com es­se fa­to que che­gam ao pon­to de cri­ti­car as pes­so­as que se des­ta­cam por es­tar sem­pre no “ti­ming”, acom­pa­nhan­do de per­to to­das as mu­dan­ças – ou cri­ti­cam o no­vo pa­ra “va­lo­ri­zar” o an­ti­go. Sem mui­to es­for­ço é fá­cil iden­ti­fi­car es­ses in­di­ví­du­os. Ob­ser­ve o “pa­trão” ou co­le­ga de tra­ba­lho que só fa­la “co­mo era bom o pas­sa­do”, os “no­vos ve­lhos” que acham que in­ter­net é per­da de tem­po ou que não sa­bem usar um ce­lu­lar e car­tão de cré­di­to, as pes­so­as que não con­se­guem pe­gar um re­fri­ge­ran­te de má­qui­na, e por ai vai.

Do ou­tro la­do, es­tá Mar­ce­lo Tas, que sem­pre es­tá na “cris­ta da on­da”, se­guin­do as ten­dên­ci­as e sen­do pi­o­nei­ro nas no­vi­da­des, di­tan­do a mo­da. Não dis­cor­do da pos­tu­ra que ele as­su­me. Afi­nal, é um pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção re­co­nhe­ci­do, vi­ve do seu tra­ba­lho e é re­fe­rên­cia gra­ças a sua com­pe­tên­cia. Lo­go, com to­das as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os que sur­gem atra­vés da in­ter­net e das re­des so­ci­ais, na­da mais jus­to do que tra­ba­lhar e ga­nhar di­nhei­ro com is­so. Po­rém, foi jus­ta­men­te nes­se pon­to que Tas fi­cou in­co­mo­da­do. A al­fi­ne­ta­da que le­vou do Di­o­go Mai­nar­di, que o des­cre­veu co­mo o ho­mem san­duí­che do sé­cu­lo 21 – re­fe­rên­cia àque­les in­di­ví­du­os que tra­ba­lham “ves­ti­dos” por pla­cas pu­bli­ci­tá­ri­as –, foi o es­to­pim pa­ra a dis­cus­são en­tre os dois atra­vés do Twitter.

Fi­cou cla­ro que, se por um la­do as pes­so­as que não acom­pa­nham as no­vi­da­des fi­cam in­co­mo­da­das com aque­las que se atu­a­li­zam ra­pi­da­men­te e se des­ta­cam jun­to às mu­dan­ças, por ou­tro, as pes­so­as que sem­pre es­tão se­guin­do as ten­dên­ci­as aca­bam se ir­ri­tan­do com a opi­nião con­trá­ria dos sau­do­sis­tas, aque­les in­di­ví­du­os que an­dam “mais de­va­gar”. Tem gen­te que dá tan­ta im­por­tân­cia pa­ra o no­vo que aca­ba achan­do que o an­ti­go não va­le a pe­na. O mun­do não vai aca­bar ama­nhã – acre­di­to – e ca­da é li­vre pa­ra acre­di­tar e es­co­lher o que achar me­lhor pa­ra a sua vida.

As­sim, pen­so que tan­to o Di­o­go Mai­nar­di co­mo o Mar­ce­lo Tas não es­tão nem cer­tos e nem er­ra­dos. Ca­da um tem a sua opi­nião, fi­ze­ram as su­as es­co­lhas e, co­mo são di­fe­ren­tes, não há o que discutir.

, , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio