Distinto olhar

quarta-feira, 8 de Abril de 2009 09:37 Design, Fotografia, Jornalismo

A pa­la­vra fo­to­gra­fia sig­ni­fi­ca “es­cre­ver – de­se­nhar – com a luz”. Es­sa téc­ni­ca, que tem pou­co mais de um sé­cu­lo e meio de exis­tên­cia, tem si­do res­pon­sá­vel, des­de que sur­giu, por mo­di­fi­car pro­fun­da­men­te a ma­nei­ra co­mo as pes­so­as to­mam co­nhe­ci­men­to e in­te­ra­gem com o mun­do.

An­tes da fo­to­gra­fia, ha­via uma gran­de di­fi­cul­da­de pa­ra que uma ce­na ou a ima­gem de uma pes­soa fos­se re­pro­du­zi­da no pa­pel e “me­mo­ri­za­da”, sen­do ne­ces­sá­rio o tra­ba­lho de um ar­tis­ta que do­mi­nas­se a téc­ni­ca da pin­tu­ra ou da ilus­tra­ção. Já ho­je, com a po­pu­la­ri­za­ção dos equi­pa­men­tos fo­to­grá­fi­cos – prin­ci­pal­men­te os di­gi­tais – e o apoio da in­for­má­ti­ca, a fo­to­gra­fia tem si­do um re­cur­so cons­tan­te­men­te pre­sen­te em nos­sas vi­das. As fo­tos das pes­so­as que ama­mos, de nos­sos ami­gos, das oca­siões im­por­tan­tes de nos­sa vi­da, de vi­a­gens, e até dos nos­sos ani­mais de es­ti­ma­ção, são mar­can­tes e ex­tre­ma­men­te im­por­tan­tes pa­ra nos fa­zer re­vi­ver mo­men­tos fe­li­zes de nos­sas vi­das. Além dis­so, é tam­bém atra­vés da fo­to­gra­fia que co­nhe­ce­mos mui­tos lu­ga­res e pes­so­as sem nun­ca ter­mos ti­do con­ta­to com eles. Des­co­bri­mos e vi­ve­mos um mun­do no­vo que nos é apre­sen­ta­do atra­vés do pa­pel – ou de uma te­la de com­pu­ta­dor.

Es­ta­mos em con­ta­to com fo­to­gra­fi­as pra­ti­ca­men­te o tem­po to­do. Nos jor­nais e re­vis­tas, as no­tí­ci­as pre­ci­sam de ima­gens pa­ra ilus­trar os fa­tos. As pro­pa­gan­das nos veí­cu­los im­pres­sos de­pen­dem das fo­tos pa­ra apre­sen­tar os pro­du­tos e des­per­tar o in­te­res­se dos con­su­mi­do­res. Nas ru­as, te­mos out­do­ors, fa­cha­das, pla­cas, car­ta­zes e, ge­ral­men­te, to­dos uti­li­zam fo­to­gra­fi­as pa­ra cha­mar a nos­sa aten­ção, pa­ra nos apre­sen­tar al­gu­ma coi­sa. Em nos­sas ca­sas, as fo­to­gra­fi­as es­tão em porta-​retratos es­pa­lha­dos pe­los quar­tos, na sa­la, na es­tan­te. No es­cri­tó­rio, es­tão em ci­ma da me­sa ou na pa­re­de. Na in­ter­net, es­tão nos por­tais de no­tí­ci­as, nos blogs, nos ál­buns vir­tu­ais, nas re­des so­ci­ais. E até mes­mos nos ví­de­os, que na­da mais são do que mui­tas fo­to­gra­fi­as se­quen­ci­ais exi­bi­das em cur­tos in­ter­va­los de tem­po, dando-​nos a sen­sa­ção de mo­vi­men­to.

Ape­sar do gran­de vo­lu­me de fo­to­gra­fi­as e da fa­ci­li­da­de que en­con­tra­mos pa­ra produzí-​las, ho­je são pou­cos os in­di­ví­du­os que, ver­da­dei­ra­men­te, são ar­tis­tas na ar­te de “es­cre­ver com a luz”. É no­tá­vel que a po­pu­la­ri­za­ção da tec­no­lo­gia das câ­me­ras di­gi­tais foi a gran­de res­pon­sá­vel pe­lo “bo­om” da pro­du­ção fo­to­grá­fi­ca. Com a re­du­ção drás­ti­ca dos cus­tos, eli­mi­nan­do os fil­mes e a sua re­ve­la­ção, ho­je qual­quer acon­te­ci­men­to co­ti­di­a­no, que an­tes era des­pre­za­do, aca­ba se trans­for­man­do em te­ma pa­ra uma fo­to. Po­rém, ape­sar de to­das as fa­ci­li­da­des e dos re­cur­sos pre­sen­tes nas câ­me­ras, o pa­pel do fo­tó­gra­fo pro­fis­si­o­nal ain­da é – e sem­pre se­rá – o gran­de di­fe­ren­ci­al pa­ra a pro­du­ção de uma fo­to mar­can­te.

A par­tir des­sa pre­mis­sa, é fá­cil di­fe­ren­ci­ar as fo­tos pro­du­zi­das por uma pes­soa co­mum – ama­dor – das fo­to­gra­fi­as cri­a­das por um bom pro­fis­si­o­nal. E não são ape­nas as ques­tões téc­ni­cas que fa­zem a di­fe­ren­ça, mas, prin­ci­pal­men­te, o olhar dis­tin­to do fo­tó­gra­fo, que con­se­gue re­gis­trar a emo­ção de um mo­men­to e transmiti-​la atra­vés de su­as ima­gens.

Acima, imagens do fotógrafo Otavio Valle

Um exem­plo é o tra­ba­lho de Ota­vio Val­le. Em seu blog “Olho no ce­lu­lar”, o fo­tó­gra­fo mos­tra que é pos­sí­vel pro­du­zir be­las ima­gens – do pon­to de vis­ta ar­tís­ti­co – utilizando-​se os re­cur­sos téc­ni­cos es­cas­sos que são ofe­re­ci­dos pe­las câ­me­ras de apa­re­lhos ce­lu­la­res.

A idéia do blog Olho no Celular é postar somente imagens que produzo em meu celular. A proposta é brincar com a linguagem através dos recursos possíveis da câmera do telefone.

Otavio Valle

Ape­sar de ser ní­ti­da a di­fe­ren­ça de qua­li­da­de do tra­ba­lho de um fo­tó­gra­fo ama­dor e um pro­fis­si­o­nal, uma ques­tão pro­ble­má­ti­ca nos di­as de ho­je é que, com as fa­ci­li­da­des ofe­re­ci­das pe­los equi­pa­men­tos di­gi­tais, mui­tos ama­do­res es­tão “ocu­pan­do” o es­pa­ço dos fo­tó­gra­fos pro­fis­si­o­nais. Bas­ta ana­li­sar um pou­co o ce­ná­rio, tan­to nos es­tú­di­os de fo­to­gra­fia co­mo nas em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção – jor­nais, re­vis­tas, as­ses­so­ri­as, agên­ci­as. Em al­guns jor­nais e re­vis­tas – pe­que­nos ou não –, é co­mum ver jor­na­lis­tas as­su­min­do o pa­pel de re­da­tor e, ao mes­mo tem­po, de fo­tó­gra­fo. Sem fa­lar nos de­par­ta­men­tos co­mer­ci­ais, on­de nota-​se que mui­tos con­ta­tos co­mer­ci­ais car­re­gam su­as “ca­me­ri­nhas” di­gi­tais pa­ra fo­to­gra­far anun­ci­an­tes e pro­du­tos com a in­ten­ção de re­du­zir o tem­po de pro­du­ção – e, con­se­quen­te­men­te, a qua­li­da­de fi­nal da pe­ça de co­mu­ni­ca­ção. Es­se mes­mo pro­ble­ma ocor­re tam­bém em vá­ri­as “agên­ci­as” de pu­bli­ci­da­de, que ado­tam es­sa prá­ti­ca de fo­to­gra­far sem pro­du­ção ade­qua­da.

Se por um la­do a tec­no­lo­gia di­gi­tal che­gou pa­ra aju­dar a po­pu­la­ri­za­ção da fo­to­gra­fia, tor­nan­do es­sa téc­ni­ca aces­sí­vel pa­ra mais pes­so­as, por ou­tro es­tá co­la­bo­ran­do pa­ra que o tra­ba­lho de qua­li­da­de de bons fo­tó­gra­fos se­ja subs­ti­tuí­do pe­lo tra­ba­lho ama­dor de pes­so­as que não es­tão pre­o­cu­pa­dos com o re­sul­ta­do fi­nal, mas sim com a re­du­ção de cus­tos e tem­po. Des­sa for­ma, o que se no­ta com frequên­cia em pe­ças de co­mu­ni­ca­ção – ela­bo­ra­da por “pro­fis­si­o­nais” –, é a uti­li­za­ção de ima­gens de bai­xa qua­li­da­de, tan­to nos as­pec­tos téc­ni­cos co­mo nos ar­tís­ti­cos.

Con­tu­do, ape­sar de to­dos os pro­ble­mas que sur­gi­ram com a mu­dan­ça de com­por­ta­men­to fren­te a tec­no­lo­gia di­gi­tal, in­de­pen­den­te de uma ima­gem ser re­sul­ta­do do tra­ba­lho de um pro­fis­si­o­nal, es­tam­pan­do ca­pas de jor­nais e re­vis­tas, ou ser pro­du­to de um ama­dor, uma pes­soa co­mum que re­gis­tra os pri­mei­ros pas­sos do fi­lho ou a reu­nião de fa­mí­lia no na­tal, a fo­to­gra­fia es­tá – e sem­pre es­ta­rá – pre­sen­te em nos­sas vi­das, ten­do mui­to va­lor pa­ra a for­ma­ção de nos­sa me­mó­ria e de nos­sa per­so­na­li­da­de.

, , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio