Comunicação a preço de banana

terça-feira, 31 de março de 2009 10:39 Propaganda

É en­gra­ça­da – e mui­tas ve­zes sus­pei­ta – a re­a­ção de es­pan­to de al­guns em­pre­sá­ri­os ou di­ri­gen­tes ao se de­pa­rar com or­ça­men­tos de cam­pa­nhas que en­vol­vem co­mu­ni­ca­ção de mas­sa. Ex­ce­to no ca­so de ser a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia da pes­soa com es­se ti­po de tra­ba­lho, é di­fí­cil acre­di­tar que al­guém que es­tá en­vol­vi­do com a di­vul­ga­ção não sai­ba que co­mu­ni­ca­ção de mas­sa ne­ces­si­ta de in­ves­ti­men­tos – bons in­ves­ti­men­tos – e que uma cam­pa­nha não fi­ca ba­ra­ta – e, pro­va­vel­men­te, nun­ca ficará.

Quan­do os ne­gó­ci­os da em­pre­sa não es­tão ge­ran­do o re­tor­no es­pe­ra­do, uma das pri­mei­ras “idéi­as” que sur­gem na men­te de quem co­man­da é fa­zer uma ação pro­mo­ci­o­nal e di­vul­gar seus pro­du­tos e ser­vi­ços com gran­de in­ten­si­da­de. Ape­sar dis­so, o fa­to que aca­ba sen­do “es­tra­nho” é que, ge­ral­men­te, não é fei­ta uma as­so­ci­a­ção en­tre a in­ten­si­da­de de­se­ja­da pa­ra a di­vul­ga­ção e a in­ten­si­da­de de in­ves­ti­men­tos que se­rá necessária.

Por mais que as pes­so­as não te­nham no­ção dos va­lo­res que en­vol­vem a con­tra­ta­ção de es­pa­ços pu­bli­ci­tá­ri­os em veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção e nos vá­ri­os for­ma­tos de mí­di­as, o “te­a­tro” que fa­zem pa­ra de­mons­trar sua in­sa­tis­fa­ção com as ci­fras apre­sen­ta­das, mui­tas ve­zes, aca­ba sen­do exa­ge­ra­do. E o pi­or é que, mui­tas ve­zes, o em­pre­sá­rio ado­ta es­sa tá­ti­ca co­mo par­te de sua es­tra­té­gia de ne­go­ci­a­ção com os pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção, ten­tan­do comovê-​los com o ob­je­ti­vo de ob­ter descontos.

Se a in­ten­ção do anun­ci­an­te é con­quis­tar re­sul­ta­dos rá­pi­dos atra­vés de veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa tra­di­ci­o­nais, ele de­ve­rá sa­ber de an­te­mão que, nu­ma ma­te­má­ti­ca sim­ples, quan­to mai­or for o seu de­se­jo de vi­si­bi­li­da­de, mai­o­res se­rão as ne­ces­si­da­des de in­ves­ti­men­tos em mídia.

As­sim, não é sá­bio ima­gi­nar que jor­nais, emis­so­ras de rá­dio e TV, em­pre­sas de mí­dia ex­ter­na, por­tais de in­ter­net e mí­di­as tra­di­ci­o­nais tra­ba­lham co­mo ins­ti­tui­ções de ca­ri­da­de, vi­san­do ape­nas “o bem co­mum”, sem o ob­je­ti­vo de con­quis­tar lu­cro. As em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção, co­mo qual­quer em­pre­sa pri­va­da in­se­ri­da no sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta, vi­sam sem­pre o lu­cro, en­fren­tam for­te con­cor­rên­cia e têm al­tos cus­tos re­la­ci­o­na­dos à pro­du­ção, im­pos­tos, atu­a­li­za­ção tec­no­ló­gi­ca, mão-​de-​obra, etc. Por is­so, sem dú­vi­da, as em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção que bus­cam so­bre­vi­ver, tra­ba­lham com va­lo­res den­tro da re­a­li­da­de que é de­ter­mi­na­da pe­lo mer­ca­do e não po­dem pra­ti­car va­lo­res exa­ge­ra­dos pa­ra não se­rem en­go­li­dos pe­la concorrência.

Por ou­tro la­do, além das re­cla­ma­ções so­bre os in­ves­ti­men­tos em mí­dia, os pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção tam­bém so­frem o mes­mo pro­ble­ma quan­to ao va­lor do seu tra­ba­lho. As­sim, co­mo é fá­cil pa­ra o con­tra­tan­te olhar pa­ra um va­lor iso­la­do de uma in­ser­ção pu­bli­ci­tá­ria e di­zer que ele es­tá al­to, tam­bém é fá­cil pa­ra ele ver os va­lo­res dos ser­vi­ços que se­rão pres­ta­dos pe­lo pro­fis­si­o­nal ou agên­cia de co­mu­ni­ca­ção e re­cla­mar. Po­rém, o que ge­ral­men­te acon­te­ce, em am­bos os ca­sos, é que o con­tra­tan­te não faz uma aná­li­se le­van­do em con­si­de­ra­ção os as­pec­tos qua­li­ta­ti­vos e quan­ti­ta­ti­vos pa­ra fun­da­men­tar su­as reclamações.

É mui­to fá­cil di­zer que uma in­ser­ção no “veí­cu­lo A” tem um va­lor ele­va­do, sem an­tes ve­ri­fi­car to­dos os as­pec­tos tan­gí­veis e in­tan­gí­veis que es­tão re­la­ci­o­na­dos a ele, co­mo a quan­ti­da­de de con­su­mi­do­res que a mí­dia atin­ge, a sua dis­tri­bui­ção ge­o­grá­fi­ca, a cre­di­bi­li­da­de que o veí­cu­lo trans­mi­te pa­ra os seus es­pec­ta­do­res. Do mes­mo mo­do, é fá­cil re­cla­mar do va­lor do tra­ba­lho de um pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção ou agên­cia sem an­tes ter co­nhe­ci­men­to to­tal so­bre su­as qua­li­fi­ca­ções téc­ni­cas e edu­ca­ci­o­nais, su­as com­pe­tên­ci­as e ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal, seu aper­fei­ço­a­men­to e atu­a­li­za­ção, seu com­pro­mis­so com os cli­en­tes e o mercado.

O em­pre­sá­rio ou di­ri­gen­te que, por­ven­tu­ra, ima­gi­nar que irá con­tra­tar um bom pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção e re­a­li­zar uma gran­de cam­pa­nha de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa a pre­ço de ba­na­na, es­tá to­tal­men­te equi­vo­ca­do. Nes­se ti­po de cam­pa­nha, quem op­ta por fa­zer bai­xos in­ves­ti­men­tos e es­pe­ra al­can­çar um bom re­sul­ta­do es­tá, pra­ti­ca­men­te, jo­gan­do di­nhei­ro fo­ra. Er­ra quem pen­sa que “eco­no­mi­zar” na con­tra­ta­ção de pro­fis­si­o­nais e mí­di­as “ba­ra­tas” é um gran­de ne­gó­cio. Quan­do não há dis­po­si­ção dos di­ri­gen­tes ou re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra fa­zer o in­ves­ti­men­to ade­qua­do pa­ra a co­mu­ni­ca­ção de mas­sa, a al­ter­na­ti­va mais in­te­li­gen­te é não fa­zer um tra­ba­lho ca­pen­ga e par­tir pa­ra ou­tra estratégia.

, , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio