Hora do planeta

sábado, 28 de Março de 2009 16:30 Etc, Reflexão

Ho­je, a par­tir das 20h30, acon­te­ce­rá a “Ho­ra do pla­ne­ta”, ação pro­mo­vi­da pe­la WWF em pro­tes­to ao aque­ci­men­to glo­bal, fru­to, prin­ci­pal­men­te, da de­gra­da­ção da na­tu­re­za pro­mo­vi­da pe­los ho­mens. Um dos ob­je­ti­vos do mo­vi­men­to é con­quis­tar um gran­de nú­me­ro de sim­pa­ti­zan­tes pa­ra “apoi­ar” a cau­sa. Por es­se e ou­tros mo­ti­vos, o as­sun­to es­tá em gran­de evi­dên­cia nos úl­ti­mos di­as, sen­do am­pla­men­te di­vul­ga­do e dis­cu­ti­do nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, com des­ta­que pa­ra a in­ter­net e a blogs­fe­ra.


Comercial da campanha da Hora do Planeta

Ape­sar da im­por­tân­cia do te­ma, a cam­pa­nha não traz gran­des no­vi­da­des. Co­mo ato sim­bó­li­co, tem seu “efei­to mo­ral” mo­men­tâ­neo. Mas, pa­ra mui­tos, ser­ve ape­nas pa­ra pro­var, pa­ra nós mes­mos, que a de­di­ca­ção da hu­ma­ni­da­de em pre­ser­var o mun­do é bem me­nor do que re­al­men­te de­ve­ria ser. Limitar-​se a apa­gar uma luz por um pe­que­no pe­río­do de tem­po não mu­da­rá o pla­ne­ta pa­ra me­lhor. Po­rém, pa­ra al­gu­mas pes­so­as, o ato ser­vi­rá co­mo um pre­tex­to pa­ra que elas pos­sam di­zer “fiz mi­nha par­te”.

Por ou­tro la­do, a mo­bi­li­za­ção po­de mos­trar pa­ra os go­ver­nan­tes e pa­ra as gran­des em­pre­sas po­lui­do­ras – prin­ci­pal­men­te as in­dús­tri­as – que as pes­so­as es­tão mui­to pre­o­cu­pa­das com as con­seqüên­ci­as do aque­ci­men­to glo­bal e, de al­gu­ma for­ma, de­se­jam que a re­a­li­da­de se­ja mu­da­da.

Ago­ra, bas­ta es­pe­rar a ho­ra che­gar e ver o que re­al­men­te acon­te­ce­rá da­qui pa­ra fren­te. Se­rá que a cons­ci­ên­cia – das pes­so­as, das em­pre­sas e dos go­ver­nos – vai mu­dar e a pre­ser­va­ção do pla­ne­ta irá re­ce­ber a de­vi­da im­por­tân­cia, ou a ação ser­vi­rá ape­nas co­mo fo­co dos “ho­lo­fo­tes” da im­pren­sa, “ilu­mi­nan­do” por pou­cos ins­tan­tes a men­te das pes­so­as e, de­pois, co­mo já ocor­reu em ou­tras opor­tu­ni­da­des, irá se apa­gar ra­pi­da­men­te co­mo um acon­te­ci­men­to de pou­co va­lor?

, , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio