Cada um no seu quadrado

sábado, 7 de março de 2009 12:15 Reflexão

Mui­tas pes­so­as têm o de­fei­to de acre­di­tar que o seu um­bi­go é o cen­tro do uni­ver­so. Com pou­cas ex­ce­ções, o in­di­ví­duo que ado­ta es­sa pos­tu­ra, fre­quen­te­men­te, age de for­ma pre­con­cei­tu­o­sa em re­la­ção a tu­do o que não se­gue a sua ló­gi­ca de pen­sa­men­to, não se en­qua­dra nos seus va­lo­res – pes­so­ais, pro­fis­si­o­nais, mo­rais –, não ocor­re no seu co­ti­di­a­no, ou, pi­or ain­da, não faz par­te do seu re­per­tó­rio e ex­pe­ri­ên­cia. As­sim, es­ses fa­to­res, na mai­o­ria dos ca­sos, li­mi­tam es­se in­di­ví­duo a ela­bo­rar um jul­ga­men­to in­te­li­gen­te, uma vez que, nor­mal­men­te, não dis­põe de co­nhe­ci­men­tos e re­cur­sos pa­ra fa­zer ava­li­a­ções co­e­ren­tes e al­can­çar con­clu­sões sensatas.

Po­de até pa­re­cer um exa­ge­ro, mas bas­ta ob­ser­var um pou­co as pes­so­as – e, prin­ci­pal­men­te, nós mes­mos – pa­ra no­tar que no dia-​a-​dia ocor­rem inú­me­ras si­tu­a­ções em que nos de­pa­ra­mos com gen­te – ou so­mos o pró­prio su­jei­to – que age “co­mo se ti­ves­se o rei na bar­ri­ga” ou acha que a ver­da­de su­pre­ma do mun­do es­tá to­da den­tro de sua ca­be­ça. O que es­se in­di­ví­duo acre­di­ta – e de­fen­de – é “lei”, es­tá cer­to. O que as ou­tras pes­so­as pen­sam e que con­tra­di­zem a sua opi­nião é “cri­me”, es­tá errado.

Nas re­la­ções en­tre as pes­so­as, sem­pre ocor­re­rão con­fli­tos em di­ver­sas ques­tões. Quan­do nos en­con­tra­mos no meio de um con­fli­to, nor­mal­men­te te­mos du­as op­ções. A pri­mei­ra op­ção, pe­no­sa, é en­fren­tar o ponto-​de-​vista con­trá­rio, ex­pon­do ar­gu­men­tos pa­ra de­fen­der a nos­sa opi­nião e pa­ra con­tra­ri­ar a opi­nião opos­ta. Po­rém, não es­pe­re que o “ad­ver­sá­rio” acei­te com fa­ci­li­da­de os seus ar­gu­men­tos. Ao fi­nal, o que ge­ral­men­te acon­te­ce após o en­fren­ta­men­to de idéi­as, é cri­ar má­go­as en­tre as pes­so­as. A se­gun­da op­ção, não me­nos pe­no­sa, é nos com­por­ta­mos co­mo “al­fa­ce”. Pa­ra evi­tar do­res de ca­be­ça – e per­da de tem­po – com dis­cus­sões que, nor­mal­men­te, não ge­ram be­ne­fí­ci­os, po­de­mos op­tar por “que­brar” o diá­lo­go com o in­di­ví­duo que acre­di­ta ser o “do­no da ra­zão” e dei­xar que ele ar­gu­men­te com in­ten­si­da­de pa­ra sa­tis­fa­zer o seu pró­prio ego. Ao fi­nal da con­ver­sa – uni­la­te­ral –, ca­da um pre­ser­va­rá o seu ponto-​de-​vista e os dois po­de­rão man­ter um bom relacionamento.

Co­mo li­ção, es­sas si­tu­a­ções po­dem en­si­nar – pa­ra aque­les que que­rem apren­der – que é im­por­tan­te res­pei­tar as di­fe­ren­ças. Aque­les que es­tão apren­den­do a ser to­le­ran­tes e a res­pei­tar o fa­to de que ca­da pes­soa tem o di­rei­to de pen­sar e de agir da for­ma que for mais con­ve­ni­en­te com a sua re­a­li­da­de, a sua vi­da e aos seus va­lo­res, es­tão dan­do um gran­de pas­so pa­ra se tor­nar in­di­ví­du­os mais fle­xí­veis e inteligentes.

É pre­ci­so en­ten­der que as nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais, nos­sas ami­za­des, cos­tu­mes, re­la­ções fa­mi­li­a­res, nos­sa edu­ca­ção, cul­tu­ra, re­li­gião, e tu­do o que faz par­te do nos­so co­ti­di­a­no, são agre­ga­dos ao nos­so re­per­tó­rio e con­tri­bu­em pa­ra for­mar a nos­sa per­so­na­li­da­de. Por­tan­to, ape­sar da re­dun­dân­cia, ca­da in­di­ví­duo é úni­co e in­com­pa­rá­vel, tem a sua for­ma de pen­sar em re­la­ção a tu­do o que é ex­pos­to de no­vo em sua vi­da, e tem a sua opi­nião pró­pria e os seus valores.

As­sim, co­mo diz o re­frão de uma mú­si­ca que até se tor­nou gí­ria po­pu­lar – e que eu sin­ce­ra­men­te não gos­to, mas de­vo to­le­rar e acei­tar que as pes­so­as ou­çam –, ca­da um no seu quadrado.

, , , , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio