Um passo na direção certa

quinta-feira, 5 de Março de 2009 08:44 Etc

Ain­da não de­sis­ti da Mega-​Sena. Co­mo mui­tos bra­si­lei­ros, ali­men­to a es­pe­ran­ça de um dia ga­nhar o prê­mio, mes­mo sa­ben­do que é al­go qua­se im­pos­sí­vel de acon­te­cer. Po­rém, te­nho cons­ci­ên­cia de que is­so é ape­nas um so­nho que não de­pen­de da mi­nha von­ta­de, mas so­men­te da sor­te.

Ar­qui­te­tar so­nhos é uma ca­rac­te­rís­ti­ca ina­ta do ser hu­ma­no. E to­dos sa­bem que so­nhos es­qui­si­tos ou com “coi­sas” im­pos­sí­veis – que es­tão fo­ra de nos­so con­tro­le – são tão co­muns co­mo enganar-​se acre­di­tan­do que um dia pos­sam de fa­to acon­te­cer. É nes­sa con­di­ção de en­ga­nar a si pró­prio que o in­di­ví­duo ali­men­ta um gran­de pro­ble­ma: mui­tas ve­zes, ele es­pe­ra pe­la con­cre­ti­za­ção de so­nhos mi­la­gro­sos e não to­ma as ati­tu­des pa­ra que as mu­dan­ças re­ais acon­te­çam em sua vi­da, con­for­me sua von­ta­de, su­as opor­tu­ni­da­des e su­as com­pe­tên­ci­as.

So­nhar não cus­ta na­da e não é pe­ca­do. Ao con­trá­rio, o so­nho é até um bom mo­ti­va­dor. O gran­de equí­vo­co das pes­so­as, po­rém, é fi­car ape­nas so­nhan­do, ima­gi­nan­do que o mun­do abri­rá to­das as por­tas sem que se­ja ne­ces­sá­rio fa­zer al­gum es­for­ço. As­sim, pa­ra não ado­tar a pos­tu­ra de so­nha­dor e mu­dar a re­la­ção in­di­ví­duo x mun­do, é es­sen­ci­al to­mar de­ci­sões con­cre­tas em mo­men­tos opor­tu­nos, in­de­pen­den­te se o re­sul­ta­do se­rá po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo na­que­le mo­men­to. É pre­ci­so vi­ver a re­a­li­da­de.

Não gos­to de pes­so­as que se in­ti­tu­lam “es­pe­ci­a­lis­ta” em mo­ti­va­ção e acre­di­to que nun­ca irei gos­tar. Na ver­da­de, nor­mal­men­te des­pre­zo es­sas re­gras ri­dí­cu­las e pron­tas – ti­po re­cei­ta de bo­lo – pa­ra “al­can­çar o su­ces­so” que mui­tos pa­les­tran­tes ba­ba­cas trans­for­ma­ram em ganha-​pão lu­di­bri­an­do as pes­so­as. Mas, ape­sar do tom fan­far­rão dos dis­cur­sos e do fa­to de es­ti­mu­la­rem as pes­so­as a vi­ver uma fal­sa re­a­li­da­de mo­vi­da a so­nhos, em al­gu­mas coi­sas es­ses pa­les­tran­tes têm ra­zão. E uma des­sas “re­gras bá­si­cas” é a de que to­das as pes­so­as que que­rem ser fe­li­zes de­vem tra­çar ob­je­ti­vos pro­fis­si­o­nais e pes­so­ais pa­ra su­as vi­das. As­sim, ado­tan­do es­sa ló­gi­ca pa­ra al­can­çar o su­ces­so, ho­je eu sei que que­ro con­quis­tar al­guns ob­je­ti­vos na mi­nha car­rei­ra pro­fis­si­o­nal e na mi­nha vi­da pes­so­al. Bus­co al­can­çar um “su­ces­so” que eu de­ter­mi­nei pa­ra mi­nha vi­da e que não é mo­vi­do a so­nhos. Lo­go, te­nho que tra­ba­lhar mui­to e não pos­so fi­car aguar­dan­do que a sor­te ve­nha e ba­ta na mi­nha por­ta.

A par­tir do mo­men­to em que de­ter­mi­na­mos nos­sos ob­je­ti­vos, cer­tas coi­sas co­me­çam a fi­car mais cla­ras em nos­sa ca­be­ça. No­ta­mos, en­tão, que as­su­mi­mos pos­tu­ras equi­vo­ca­das em mui­tas si­tu­a­ções que nos im­pe­dem de cres­cer co­mo pes­soa ou de pros­pe­rar co­mo pro­fis­si­o­nal. Por­tan­to, se re­al­men­te de­se­ja­mos ob­ter su­ces­so e con­cre­ti­zar o “nos­so so­nho”, pre­ci­sa­mos pro­mo­ver mu­dan­ças pes­so­ais pro­fun­das pa­ra evi­tar co­me­ter os mes­mos er­ros. De­ve­mos fa­zer as es­co­lhas que re­al­men­te se­rão im­por­tan­tes pa­ra as nos­sas vi­das e nos tra­rão bons fru­tos. E, pa­ra que is­so acon­te­ça, não de­ve­mos nos la­men­tar se for pre­ci­so abrir mão de cer­tas coi­sas e, até mes­mo, do re­la­ci­o­na­men­to com al­gu­mas pes­so­as. Ca­so con­trá­rio, en­quan­to es­ti­ver­mos co­me­ten­do fa­lhas, não es­ta­re­mos in­do em di­re­ção aos ob­je­ti­vos que pro­je­ta­mos.

Após er­rar mui­to, ho­je apli­co es­ses en­si­na­men­tos em mi­nha vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Pa­ra is­so, es­tou bus­can­do evi­tar co­me­ter os mes­mos er­ros que sem­pre co­me­ti. As­sim, tão fá­cil de re­sol­ver e sem pre­ci­sar con­tar com a sor­te, de­pen­den­do ape­nas da mi­nha pró­pria von­ta­de, dia após dia es­tou evi­tan­do e in­ter­rom­pen­do as re­la­ções com pes­so­as – “ami­gos”, em­pre­sas, cli­en­tes, for­ne­ce­do­res, par­cei­ros, etc – que não são trans­pa­ren­tes, não pro­mo­vem be­ne­fí­ci­os em mi­nha vi­da, não sa­bem di­vi­dir ou que­rem sem­pre le­var van­ta­gem, que ado­tam uma pos­tu­ra ama­do­ra em re­la­ção ao meu tra­ba­lho, en­tre ou­tras que nem vou gas­tar tem­po pa­ra citá-​las.

Sem dú­vi­das, sei que es­se é um pas­so im­por­tan­te na mi­nha ca­mi­nha­da pa­ra con­cre­ti­zar os meus ob­je­ti­vos. Um pas­so na di­re­ção cer­ta.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio