Tuitando

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 13:46 Cibercultura

Sei que vou pro­lon­gar um pou­co mais um as­sun­to que apre­sen­tei on­tem, mas nos úl­ti­mos di­as co­me­cei a ana­li­sar o Twit­ter – prin­ci­pal­men­te a ma­nei­ra co­mo eu o uti­li­za­va – e me ques­ti­o­nar so­bre su­as re­ais qua­li­da­des e fun­ci­o­na­li­da­des co­mo mí­dia so­ci­al e, tam­bém, co­mo fer­ra­men­ta de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa. Lo­go cons­ta­tei que es­se ti­po de re­fle­xão é mui­to co­mum e es­tá sen­do am­pla­men­te dis­cu­ti­da na internet.

En­tre os tex­tos que eu en­con­trei, cha­ma­ram a aten­ção – e re­co­men­do a lei­tu­ra – o de Pa­trí­cio Jú­ni­or, ci­ta­do no post an­te­ri­or, e o de Lu­li Rad­fah­rer.

Além de ino­var na for­ma co­mo de­vem ser com­pos­tas as men­sa­gens – ape­nas tex­tos com no má­xi­mo 140 ca­rac­te­res –, o Twit­ter tam­bém se di­fe­ren­cia por ser ex­tre­ma­men­te sim­ples, com pou­cos re­cur­sos, o que aca­ba ge­ran­do di­fe­ren­tes en­ten­di­men­tos – ou de­sen­ten­di­men­to – de su­as fun­ci­o­na­li­da­des por par­te dos usuá­ri­os. Há “twit­tei­ros pro­fis­si­o­nais”, pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção, que já o uti­li­zam co­mo fer­ra­men­ta pa­ra con­quis­tar re­per­cus­são de as­sun­tos dis­tin­tos, pro­mo­ven­do a di­vul­ga­ção de mar­cas e pro­du­tos, pes­so­as sim­ples que bus­cam o Twit­ter pa­ra cons­ti­tuir co­mu­ni­da­des en­tre seus ami­gos vi­san­do tro­car men­sa­gens do dia-​a-​dia, so­li­tá­ri­os anô­ni­mos que es­cre­vem men­sa­gens co­mo se fos­se um pe­que­no ca­der­no de ano­ta­ções ou diá­rio, gen­te cu­ri­o­sa se­den­ta por bis­bi­lho­tar a vi­da alheia, en­tre ou­tros per­fis, até com pes­so­as que não tem a mí­ni­ma idéia do que re­al­men­te é o Twit­ter – na ver­da­de qua­se nin­guém sa­be o que é –, mas que es­tão lá “tui­tan­do”. Além dis­so, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, há mui­tos fa­kes (per­fis falsos).

Po­rém, ape­sar das con­tro­vér­si­as so­bre o Twit­ter, não me de­sa­ni­mo de imaginá-​lo co­mo um re­cur­so atu­al e con­cre­to pa­ra efe­tu­ar a co­mu­ni­ca­ção rá­pi­da e ob­je­ti­va. In­de­pen­den­te das pes­so­as que o cri­ti­cam, se­ja por sua “sim­pli­ci­da­de” ou, até, por ar­gu­men­tar que po­de ser um ins­tru­men­to ca­paz de pro­mo­ver ma­ni­pu­la­ção, de­fen­do que o seu va­lor não es­tá na fer­ra­men­ta em si, mas sim na ma­nei­ra co­mo o in­di­ví­duo a uti­li­za e se be­ne­fi­cia de­la. Fa­zen­do uma ana­lo­gia tos­ca, se­ria co­mo uma be­la fa­ca pa­ra chur­ras­co, ide­al pa­ra pre­pa­rar, cor­tar e ser­vir um bom al­mo­ço em fa­mí­lia, co­mo tam­bém uma ar­ma mor­tal nas mãos de um psi­co­pa­ta potencial.

, , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio