A melhor opção

segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009 12:32 Propaganda, Reflexão

Há al­gum tem­po atrás, du­ran­te uma con­ver­sa com um ami­go pu­bli­ci­tá­rio, dis­cu­ti­mos so­bre a ma­nei­ra co­mo gran­de par­te dos em­pre­sá­ri­os – prin­ci­pal­men­te os pe­que­nos e mé­di­os em­pre­sá­ri­os – en­ca­ra e tra­ba­lha de for­ma ama­do­ra a co­mu­ni­ca­ção e a pro­pa­gan­da de su­as em­pre­sas.

Sem to­mar cons­ci­ên­cia de to­das as va­riá­veis que es­tão en­vol­vi­das nes­se tra­ba­lho, é pra­xe de mui­tos di­ri­gen­tes não de­fi­ni­rem um pla­ne­ja­men­to, tan­to a cur­to co­mo a lon­go pra­zo, dei­xan­do de es­ti­pu­lar os ob­je­ti­vos da em­pre­sa – não só de co­mu­ni­ca­ção, co­mo tam­bém de mar­ke­ting, co­mer­ci­al, etc – e de de­ter­mi­nar me­tas e uma me­to­do­lo­gia pa­ra alcançá-​las.

As­sim, pe­lo fa­to de não se dar a de­vi­da im­por­tân­cia pa­ra a co­mu­ni­ca­ção, uma das ca­rac­te­rís­ti­cas que pre­do­mi­nam o mer­ca­do pu­bli­ci­tá­rio, com mai­or in­ten­si­da­de en­tre as pe­que­nas em­pre­sas que dis­põem de pou­ca ver­ba pa­ra co­mu­ni­ca­ção, é a “au­to­me­di­ca­ção”, sen­do ado­ta­da pe­los em­pre­sá­ri­os que ten­tam as­su­mir o pa­pel dos pu­bli­ci­tá­ri­os – e dos de­mais pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção – pa­ra tra­ba­lhar a ima­gem de su­as em­pre­sas jun­to aos con­su­mi­do­res e, prin­ci­pal­men­te, as ven­das atra­vés de pro­mo­ções.

É cla­ro que so­zi­nho o em­pre­sá­rio, pro­va­vel­men­te, não te­rá co­nhe­ci­men­to de to­das as fer­ra­men­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a con­fec­ção de uma pe­ça de co­mu­ni­ca­ção. Po­rém, co­mo era de se es­pe­rar das leis do mer­ca­do, on­de há uma de­man­da sem­pre ha­ve­rá – ce­do ou tar­de – uma ofer­ta pa­ra atendê-​la. Des­sa for­ma, em qual­quer lu­gar, sem­pre exis­ti­rão pes­so­as com pou­ca ou ne­nhu­ma qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal ou edu­ca­ci­o­nal – ou am­bas – que se di­zem “di­za­a­a­a­ai­ners”, “mar­que­te­ros”, “pu­bri­ci­tá­ri­os”, etc.

Pa­ra exem­pli­fi­car, vou ci­tar um “cau­so” con­ta­do por ou­tro ami­go, tam­bém pu­bli­ci­tá­rio. Ele me dis­se que es­ta­va par­ti­ci­pan­do de um even­to quan­do um se­nhor o cha­mou e per­gun­tou se ele era pu­bli­ci­tá­rio. Ao res­pon­der po­si­ti­va­men­te, o se­nhor lhe con­tou que ha­via inau­gu­ra­do uma lo­ja na ci­da­de e que, so­zi­nho, já ti­nha cri­a­do o no­me da lo­ja e fei­to o lo­go­ti­po e o slo­gan. Ao ou­vir o que o se­nhor ha­via aca­ba­do de lhe con­tar, meu ami­go pu­bli­ci­tá­rio perguntou-​lhe se o slo­gan que cri­ou foi “Um no­vo con­cei­to em […]”. Sur­pre­so, o se­nhor res­pon­deu que sim e per­gun­tou “Co­mo vo­cê adi­vi­nhou?”. O pu­bli­ci­tá­rio, ami­go meu, res­pon­deu que não adi­vi­nhou, mas que se ele ti­ves­se er­ra­do, ar­ris­ca­ria co­mo se­gun­da ten­ta­ti­va o slo­gan “A me­lhor op­ção em […]”. O se­nhor em­pre­sá­rio dis­se que tam­bém ha­via pen­sa­do nes­sa al­ter­na­ti­va. Pa­ra en­cer­rar a con­ver­sa, meu ami­go lhe fa­lou: “É. O in­crí­vel que to­dos têm es­sas mes­mas idéi­as”.

Não es­cre­vi es­sa ex­pla­na­ção vi­san­do su­bes­ti­mar a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al e de cri­a­ção de qual­quer pes­soa, in­dis­tin­ta­men­te. O que pre­ten­do é con­cluir com a men­sa­gem de que to­das as pes­so­as, se­jam em­pre­sá­ri­os ou não, de­vem pen­sar bem an­tes de re­a­li­zar, por con­ta pró­pria, um tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção ao qual não se es­tá ca­pa­ci­ta­do. Por mais que pa­re­ça ser um tra­ba­lho sim­ples e que não exi­ge mui­tos co­nhe­ci­men­tos, na re­a­li­da­de é pre­ci­so ava­li­ar vá­ri­as ques­tões téc­ni­cas pa­ra que a men­sa­gem ela­bo­ra­da se­ja con­ci­sa, di­re­ta, in­te­li­gen­te e que pro­du­za os efei­tos es­pe­ra­dos. É mais in­te­li­gen­te di­re­ci­o­nar e la­pi­dar a ima­gem e re­pu­ta­ção de uma em­pre­sa do que cor­ri­gir os pro­ble­mas que po­dem ser cri­a­dos com efei­tos ne­ga­ti­vos de ações mal pla­ne­ja­das e mal exe­cu­ta­das. A me­lhor op­ção é as­su­mir que é ne­ces­sá­rio con­tar com o apoio de um pro­fis­si­o­nal que pos­sa de­sen­vol­ver o tra­ba­lho com qua­li­da­de e bus­can­do re­sul­ta­dos con­cre­tos.

, , , , , , , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio