Automedicação

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009 12:47 Propaganda

Na re­la­ção en­tre o pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção e seu cli­en­te, não é ra­ro pre­ci­sar en­fren­tar uma si­tu­a­ção – em al­guns ca­sos in­co­mo­da – em que o cli­en­te bus­ca im­por as su­as pre­fe­rên­ci­as pes­so­ais ao tom da co­mu­ni­ca­ção da mar­ca – in­de­pen­den­te de ser ins­ti­tu­ci­o­nal ou não – e que­rer di­tar o con­teú­do que se­rá pro­du­zi­do pa­ra as peças.

Es­sa pos­tu­ra que o cli­en­te as­su­me não po­de ser cri­ti­ca­da ou en­ca­ra­da com maus olhos. Não se­rá po­si­ti­vo pa­ra o pres­ta­dor de ser­vi­ço en­trar em “queda-​de-​braço” com seu cli­en­te pa­ra ten­tar lhe apre­sen­tar quais são as me­lho­res al­ter­na­ti­vas pa­ra de­sen­vol­ver o tra­ba­lho. Ain­da pi­or do que is­so, pe­la for­ça do ego “fe­ri­do” – o que é mui­to co­mum en­tre pu­bli­ci­tá­ri­os e de­sig­ner, por exem­plo –, se­ria mais in­co­e­ren­te per­der o con­tro­le da si­tu­a­ção bus­can­do mos­trar pa­ra o cli­en­te quem é o “do­no da ra­zão” e quem tem mais co­nhe­ci­men­to so­bre o te­ma comunicação.

O que o pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção pre­ci­sa en­ten­der é que, por vá­ri­os mo­ti­vos, o cli­en­te aca­ba to­man­do es­se ti­po de ati­tu­de. En­tre os mo­ti­vos, po­de­mos ci­tar, por exem­plo, ex­pe­ri­ên­ci­as pro­ble­má­ti­cas que ele pos­sa ter pas­sa­do com ou­tros pro­fis­si­o­nais que re­a­li­za­ram tra­ba­lhos de má qua­li­da­de ou que não aten­de­ram as su­as ex­pec­ta­ti­vas; ou o cos­tu­me de tra­ba­lhar di­re­ta­men­te com em­pre­sas pro­du­to­ras, on­de ge­ral­men­te o tra­ba­lho de pla­ne­ja­men­to é su­pri­mi­do e pas­sa di­re­to pa­ra a pro­du­ção de pe­ças de co­mu­ni­ca­ção, as quais, nor­mal­men­te, não con­tex­tu­a­li­zam as ne­ces­si­da­des re­ais do cli­en­te, do público-​alvo, do mer­ca­do, da eco­no­mia; ou pe­lo fa­to de o cli­en­te ter mui­ta ex­pe­ri­ên­cia no seu ra­mo de ati­vi­da­de, com anos de atu­a­ção, fa­zen­do com que ele acre­di­te co­nhe­cer tu­do so­bre o se­tor, sa­ben­do quais são as in­for­ma­ções que mais re­le­van­tes pa­ra o público-​alvo e quais são as me­lho­res for­mas pa­ra co­mu­ni­car su­as qualidades.

Po­rém, sa­be­mos tam­bém que há pes­so­as que não têm fle­xi­bi­li­da­de pa­ra acei­tar ori­en­ta­ções de ou­tras pes­so­as, pois em seu ín­ti­mo acre­di­tam que sa­bem mui­to so­bre tu­do e que o seu co­nhe­ci­men­to já é su­fi­ci­en­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de qual­quer pro­je­to, des­car­tan­do as­sim as ori­en­ta­ções e as pro­pos­tas que lhes são apresentadas.

As­sim, ca­be­rá ao pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção ter bom-​senso pa­ra ana­li­sar as ati­tu­des que o cli­en­te lhe apre­sen­ta e dis­tin­guir se o seu pro­ble­ma é de in­se­gu­ran­ça em re­la­ção ao tra­ba­lho que se­rá re­a­li­za­do ou, pe­lo con­trá­rio, se é de ex­ces­so de se­gu­ran­ça e ego­cen­tris­mo, acre­di­tan­do que tu­do de­ve ser fei­to se­guin­do ce­ga­men­te as su­as orientações.

Co­mo di­ca pes­so­al pa­ra evi­tar trans­tor­nos e fa­ci­li­tar o diá­lo­go com o cli­en­te nes­ses mo­men­tos, cos­tu­mo ado­tar a tá­ti­ca de fa­zer uma ana­lo­gia pa­ra exem­pli­fi­car o meu tra­ba­lho de pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção. Pa­ra is­so, pe­ço pa­ra que ele ima­gi­ne sua re­la­ção com um mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta no mo­men­to em que es­tá do­en­te e vai ao con­sul­tó­rio bus­car aju­da. As­sim, pos­so apre­sen­tar pa­ra o cli­en­te que da mes­ma for­ma que ele bus­ca o au­xí­lio do pro­fis­si­o­nal de saú­de pa­ra sa­nar sua do­en­ça, ele de­ve con­fi­ar no pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção – des­de se­ja re­al­men­te pro­fis­si­o­nal – pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas de co­mu­ni­ca­ção de sua empresa.

Co­mo a pes­soa do­en­te tem pro­ble­mas e não sa­be o que de­ve fa­zer pa­ra resolvê-​los, o ca­mi­nho é bus­car um mé­di­co pa­ra que fa­ça uma aná­li­se de sua si­tu­a­ção e lhe di­ga o que de­ve­rá ser fei­to pa­ra com­ba­ter a do­en­ça e ser cu­ra­do, se­ja atra­vés de re­mé­di­os, mu­dan­ças de há­bi­tos ali­men­ta­res ou de sua ro­ti­na diá­ria, ou em ca­sos drás­ti­cos, de pro­ce­di­men­tos cirúrgicos.

Pe­lo fa­to do mé­di­co ser ca­pa­ci­ta­do pa­ra exer­cer o seu tra­ba­lho, uma vez que bus­cou uma for­ma­ção edu­ca­ci­o­nal e prá­ti­ca pa­ra is­so, o pa­ci­en­te, que es­tá com a do­en­ça e bus­ca a cu­ra, aca­ta o que lhe é re­co­men­da­do e se­gue to­das as re­co­men­da­ções que o mé­di­co lhe determina.

Po­rém, um pro­ble­ma co­mum aqui no Bra­sil, é que mui­tas ve­zes quan­do o pro­ble­ma de saú­de é apa­ren­te­men­te “pe­que­no”, as pes­so­as re­cor­re­rem à au­to­me­di­ca­ção. Mas to­dos nós sa­be­mos que es­se não é o pro­ce­di­men­to cor­re­to. Não são pou­cos os ca­sos “sim­ples” que aca­bam se agra­van­do e se trans­for­man­do em ca­sos com­ple­xos. Pi­or do que is­so, é que mui­tas ve­zes aca­bam em tra­gé­dia, com o óbi­to do paciente.

Por­tan­to, pa­ra que se­ja de­sen­vol­vi­do um bom tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção pa­ra uma em­pre­sa, o pro­ce­di­men­to ide­al é que o cli­en­te es­co­lha bons pro­fis­si­o­nais de co­mu­ni­ca­ção pa­ra lhe ori­en­tar e pa­ra re­a­li­zar o tra­ba­lho de ma­nei­ra cor­re­ta, or­ga­ni­za­da, pla­ne­ja­da e cri­a­ti­va, bus­can­do re­sul­ta­dos con­cre­tos que aten­dam as su­as ne­ces­si­da­des, as­sim co­mo as pes­so­as do­en­tes es­co­lhem bons mé­di­cos pa­ra sa­nar seus pro­ble­mas de saúde.

É pre­ci­so que as pes­so­as en­ten­dam que, em am­bos os ca­sos, não se de­ve apos­tar na “au­to­me­di­ca­ção” co­mo al­ter­na­ti­va pa­ra re­sol­ver os problemas.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio