Especialista em tudo

terça-feira, 16 de dezembro de 2008 12:56 Etc, Reflexão

To­dos sa­bem que tra­ba­lhar co­mo autô­no­mo têm prós e con­tras. Sem­pre con­ver­so com ami­gos so­bre as ques­tões que en­vol­vem o tra­ba­lho so­li­tá­rio. Nes­ses de­ba­tes, as van­ta­gens em re­la­ção à fle­xi­bi­li­da­de de ho­rá­rio e a au­sên­cia de pa­trão aca­bam sen­do va­lo­ri­za­das por to­dos. Por ou­tro la­do, a ins­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra e a cor­re­ria do dia-​a-​dia são al­guns dos itens mais lem­bra­dos no mo­men­to de se quei­xar das dificuldades.

Dei­xan­do es­sas ques­tões de la­do e pen­san­do no as­pec­to do apren­di­za­do, uma das ex­pe­ri­ên­ci­as mais ri­cas que o pro­fis­si­o­nal li­be­ral vi­ven­cia é a ne­ces­si­da­de de ter que apren­der a fa­zer de tu­do um pou­co, uma vez que não con­ta, em boa par­te do tem­po, com ou­tras pes­so­as ou pro­fis­si­o­nais pa­ra lhes au­xi­li­ar. As­sim, o pro­fis­si­o­nal aca­ba ad­qui­rin­do ex­pe­ri­ên­ci­as em di­ver­sas áre­as, am­pli­an­do seus conhecimentos.

Pa­ra ilus­trar a si­tu­a­ção vou re­la­tar um pou­co o meu ca­so. Pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção, sou pu­bli­ci­tá­rio es­pe­ci­a­li­za­do em mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção or­ga­ni­za­ci­o­nal. Ar­tis­ta grá­fi­co au­to­di­da­ta, tra­ba­lho na área des­de os 17 anos. An­tes dis­so, fui téc­ni­co de pro­ces­sa­men­to de da­dos e atu­ei co­mo pro­gra­ma­dor. Tam­bém tra­ba­lhei co­mo di­a­gra­ma­dor em jor­nais e re­vis­tas, com pla­ne­ja­men­to, aten­di­men­to e cri­a­ção em agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de. Ho­je, atu­an­do co­mo pro­fis­si­o­nal li­be­ral, to­dos es­ses co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as con­tri­bu­em pa­ra o le­que de ser­vi­ços que ofereço.

Mas, além dis­so, pe­lo fa­to de atu­ar so­zi­nho, aca­bo me en­vol­ven­do com ou­tras ques­tões que fa­zem par­te do meu tra­ba­lho, co­mo, por exem­plo, a área con­tá­bil e a le­gis­la­ção pa­ra ela­bo­rar con­tra­tos. Por for­ça da ne­ces­si­da­de, tam­bém fui obri­ga­do a en­ten­der de in­for­má­ti­ca já que o com­pu­ta­dor é fer­ra­men­ta es­sen­ci­al nos di­as de ho­je. Em mui­tas si­tu­a­ções que ti­ve pro­ble­mas com equi­pa­men­tos não con­se­gui con­tar o au­xí­lio ime­di­a­to de um téc­ni­co pa­ra a re­so­lu­ção do mes­mo. As­sim, co­mo pra­ti­ca­men­te to­dos os tra­ba­lhos têm pra­zos re­la­ti­va­men­te cur­tos pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to, pa­ra evi­tar gran­des atra­sos, em vá­ri­os ca­sos, foi ne­ces­sá­rio co­lo­car a mão na mas­sa pa­ra sa­nar pro­ble­mas sim­ples em com­pu­ta­do­res, im­pres­so­ra, co­ne­xão de in­ter­net, en­tre outros.

Ho­je, com to­da es­sa vi­vên­cia, já não ve­jo tan­tas di­fi­cul­da­des em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções que há al­gum tem­po atrás po­de­ria con­si­de­rar co­mo gran­des obs­tá­cu­los. O fa­to de vo­cê es­tar so­zi­nho ser­ve de mo­ti­va­ção pa­ra bus­car, por si, so­lu­ções pa­ra to­dos os problemas.

Nas dú­vi­das e pro­ble­mas que sur­gem, on­de an­te­ri­or­men­te era cô­mo­do pe­dir ori­en­ta­ção pa­ra ou­tras pes­so­as, o exer­cí­cio de auto-​análise torna-​se freqüen­te. Des­sa for­ma, o pro­fis­si­o­nal li­be­ral, autô­no­mo e so­li­tá­rio, ten­de a ado­tar uma pos­tu­ra de auto-​suficiência, bus­can­do so­lu­ções pa­ra tu­do e as­su­min­do a fi­lo­so­fia de tra­ba­lho “fa­ça vo­cê mesmo”.

Nes­se mun­do mo­der­no, on­de mui­tas pes­so­as es­tão acos­tu­ma­das a fa­zer ape­nas um pe­que­no tra­ba­lho den­tro de uma li­nha de pro­du­ção in­dus­tri­al ou de exe­cu­tar ape­nas uma ta­re­fa en­tre as di­ver­sas ro­ti­nas exis­ten­tes nas em­pre­sas, li­mi­tan­do aos de­ve­res de sua fun­ção, o pro­fis­si­o­nal que tem am­plos co­nhe­ci­men­tos de tu­do o que es­tá en­vol­vi­do com o seu tra­ba­lho, tem uma vi­são glo­bal e con­se­gue ana­li­sar as si­tu­a­ções de for­ma di­fe­ren­ci­a­da, en­xer­gan­do pe­que­nos de­ta­lhes que, ge­ral­men­te, pas­sam des­per­ce­bi­dos pe­los olhos “es­pe­ci­a­li­za­dos”.

Por­tan­to, é er­ra­do pen­sar que ser um pro­fis­si­o­nal al­ta­men­te es­pe­ci­a­li­za­do em de­ter­mi­na­da área é um gran­de di­fe­ren­ci­al e que is­so con­ta­rá ape­nas pon­tos po­si­ti­vos a seu fa­vor. Pen­se que, a par­tir do mo­men­to em que os co­nhe­ci­men­tos se es­trei­tam, jun­to co­mo eles se es­trei­tam tam­bém as opor­tu­ni­da­des. Com me­nos opor­tu­ni­da­des, há me­nos chan­ces de se pros­pe­rar. Ser “es­pe­ci­a­lis­ta em tu­do” – tu­do o que diz res­pei­to a sua área – é uma gran­de van­ta­gem, tan­to pa­ra am­pli­ar as opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho que vão sur­gir, as ex­pe­ri­ên­ci­as e co­nhe­ci­men­tos que irá ad­qui­rir, co­mo, tam­bém, pa­ra pros­pe­rar pro­fis­si­o­nal­men­te e pessoalmente.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio