Dividir para ganhar

segunda-feira, 3 de novembro de 2008 16:20 Marketing, Reflexão

As vi­tó­ri­as al­can­ça­das por uma em­pre­sa es­tão atre­la­das ao com­pro­mis­so de seus fun­ci­o­ná­ri­os. São es­sas pes­so­as que pen­sam pe­la em­pre­sa, que pro­je­tam ob­je­ti­vos pa­ra o fu­tu­ro, que tem idéi­as ino­va­do­ras, que se es­for­çam pa­ra que os pro­du­tos te­nham sem­pre qua­li­da­de, que lu­tam pa­ra con­quis­tar no­vos mer­ca­dos, que ou­vem e bus­cam aten­der as ne­ces­si­da­des e de­se­jos dos cli­en­tes, que en­fren­tam a con­cor­rên­cia, que se or­gu­lham da em­pre­sa em que tra­ba­lham. São os fun­ci­o­ná­ri­os que, de for­ma ver­da­dei­ra, con­tri­bu­em pa­ra o su­ces­so do ne­gó­cio e da mar­ca no mer­ca­do.

É fun­da­men­tal res­pei­tar es­sas pes­so­as e seus ob­je­ti­vos den­tro da or­ga­ni­za­ção, re­co­nhe­cer o em­pe­nho em bus­ca de re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, en­ten­der su­as li­mi­ta­ções, va­lo­ri­zar os tra­ba­lhos re­a­li­za­dos. Es­sa fi­lo­so­fia, quan­do im­plan­ta­da, con­tri­bui pa­ra que ha­ja uma so­ma­tó­ria de for­ças que aju­da­rão a em­pre­sa a se­guir o ca­mi­nho do cres­ci­men­to.

Po­rém, ape­sar dos pon­tos ci­ta­dos, ain­da ho­je há mui­tos em­pre­sá­ri­os e di­re­to­res que ig­no­ram es­sa ver­da­de e tem uma vi­são “pré-​histórica” em re­la­ção aos co­la­bo­ra­do­res. Fa­zen­do uma aná­li­se fria da si­tu­a­ção, po­de­mos no­tar que mui­tos tra­tam o “ca­pi­tal hu­ma­no”, que de­ve­ria ser va­lo­ri­za­do co­mo um dos prin­ci­pais pa­trimô­ni­os da em­pre­sa, co­mo sim­ples in­su­mo de pro­du­ção, uma vez que vêem as pes­so­as ape­nas co­mo nú­me­ros, “pe­ças” subs­ti­tuí­veis e sem va­lor. Es­sa fi­lo­so­fia de ges­tão ar­cai­ca co­la­bo­ra pa­ra a for­ma­ção de uma pés­si­ma cul­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal, na qual os fun­ci­o­ná­ri­os aca­bam cri­an­do an­ti­pa­tia pe­los mem­bros da di­re­to­ria, pe­los aci­o­nis­tas ou pro­pri­e­tá­ri­os e, pi­or, pe­la pró­pria mar­ca. Uma vez cri­a­da uma bar­rei­ra en­tre quem di­ri­ge o ne­gó­cio e quem põe a “mão na mas­sa”, torna-​se com­pli­ca­do de­sen­vol­ver me­lho­ri­as den­tro da or­ga­ni­za­ção.

Além dis­so, em mui­tos ca­sos, a si­tu­a­ção é ain­da mais crí­ti­ca. Além da pos­tu­ra “sen­za­lis­ta”, as con­quis­tas aca­bam di­vi­di­das de for­ma in­jus­ta. Ima­gi­ne que, co­mo exem­plo fic­tí­cio, o de­par­ta­men­to co­mer­ci­al de uma em­pre­sa con­quis­te um in­cre­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo com ven­das de gran­des vo­lu­mes. Con­seqüen­te­men­te, to­dos os pro­ces­sos sub­seqüen­tes, co­mo a pro­du­ção dos pro­du­tos, a lo­gís­ti­ca e dis­tri­bui­ção, o ge­ren­ci­a­men­to dos es­to­ques, as com­pras de in­su­mos, a es­ca­la de fun­ci­o­ná­ri­os, en­tre ou­tras ques­tões, pre­ci­sa­rão ser mo­di­fi­ca­das pa­ra aten­der a es­sa no­va de­man­da. Ao fi­nal do pro­ces­so, com as ven­das con­cluí­das com su­ces­so, é or­ga­ni­za­da uma fes­ta pa­ra co­me­mo­rar o fei­to re­a­li­za­do. Po­rém, to­dos aque­les fun­ci­o­ná­ri­os e de­par­ta­men­tos que fo­ram en­vol­vi­dos no pro­ces­so, que ba­ta­lha­ram pa­ra dar con­ta do re­ca­do, aca­bam es­que­ci­dos. So­men­te a di­re­to­ria e os mem­bros do de­par­ta­men­to co­mer­ci­al par­ti­ci­pam da “fes­tan­ça” e, ain­da por ci­ma, re­ce­bem ho­me­na­gens e bo­ni­fi­ca­ções.

As­sim, ao me­nos­pre­zar o em­pe­nho da equi­pe, pra­ti­can­do es­sa sub­tra­ção nos re­sul­ta­dos con­quis­ta­dos, quem per­de é a pró­pria em­pre­sa. A par­tir do mo­men­to em que for ado­ta­da uma pos­tu­ra na qual as con­quis­tas são di­vi­di­das com to­das as pes­so­as en­vol­vi­das, quem ga­nha é a or­ga­ni­za­ção, que mul­ti­pli­ca­rá as pos­si­bi­li­da­des de um fu­tu­ro mais prós­pe­ro.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio