Escute, entenda e pense

terça-feira, 21 de outubro de 2008 09:56 Reflexão

Mui­tas pes­so­as têm o ter­rí­vel há­bi­to de fa­zer pré-​julgamentos so­bre ques­tões às quais são ex­pos­tas sem an­tes re­fle­tir e bus­car um mí­ni­mo de in­for­ma­ções e de co­nhe­ci­men­tos so­bre o as­sun­to. Agin­do des­sa ma­nei­ra, elas não es­ta­rão pre­pa­ra­das pa­ra de­fi­nir uma opi­nião sen­sa­ta e, mui­to me­nos, ap­tas pa­ra de­fen­der uma po­si­ção, se­ja ela a fa­vor ou con­tra.

Dê a todas as pessoas seus ouvidos,
mas a poucas a sua voz.

William Shakespeare

Ser fa­vo­rá­vel às ino­va­ções que al­can­çam su­ces­so na so­ci­e­da­de não de­ter­mi­na que o in­di­ví­duo es­te­ja ape­nas bus­can­do uma si­tu­a­ção de co­mo­dis­mo, con­for­to ou mo­dis­mo e, por is­so, não es­ta­rá aber­to pa­ra as mu­dan­ças e as crí­ti­cas. As­sim co­mo ser con­trá­rio às ino­va­ções não im­pli­ca em ro­tu­lar tu­do co­mo sem va­lor ou qua­li­da­de, co­mo er­ra­do, que pos­sa ser ig­no­ra­do ou que pre­ci­sa ser mo­di­fi­ca­do.

As pes­so­as não de­vem sem­pre con­cor­dar com o que lhes é apre­sen­ta­do. Pe­lo con­trá­rio, é pre­ci­so exer­ci­tar a di­ver­gên­cia de idéi­as, pois é ela que, sem dú­vi­da al­gu­ma, é uma das prin­ci­pais va­riá­veis da equa­ção que de­ter­mi­na as mu­dan­ças no mun­do e con­tri­bui pa­ra a evo­lu­ção da hu­ma­ni­da­de. É o ato de dis­cor­dar com o que exis­te e com o que nos é apre­sen­ta­do co­mo no­vi­da­de ou co­mo ver­da­de su­pre­ma que ge­ra a bus­ca por me­lho­res so­lu­ções em to­das as áre­as do co­nhe­ci­men­to hu­ma­no. Mas é es­sen­ci­al, an­tes de dis­cor­dar de qual­quer coi­sa, ter co­nhe­ci­men­to e cons­ci­ên­cia do que es­ta­rá dis­cor­dan­do.

Quem decide um caso sem ouvir a outra
parte não pode ser considerado justo,
ainda que decida com justiça.

Sêneca

Se não ti­vés­se­mos ne­ces­si­da­des e opi­niões con­trá­ri­as à re­a­li­da­de a qual vi­ve­mos, não ha­ve­ria mo­ti­vos pa­ra es­tar­mos sem­pre bus­can­do transformá-​la e melhorá-​la. É es­sa con­di­ção de in­qui­e­tu­de que nu­tre a nos­sa von­ta­de de bus­car cons­tan­te­men­te no­vas al­ter­na­ti­vas pa­ra so­lu­ções de pro­ble­mas que, em mui­tos ca­sos, já fo­ram so­lu­ci­o­na­dos an­te­ri­or­men­te de ou­tras ma­nei­ras.

A ques­tão fun­da­men­tal em to­da es­sa ex­pla­na­ção so­bre as mu­dan­ças e ino­va­ções não é o jul­ga­men­to pro­pri­a­men­te di­to, mas a for­ma co­mo ele é fei­to. Os con­fli­tos de idéi­as so­bre um de­ter­mi­na­do te­ma, quan­do bem em­ba­sa­dos e bem ar­gu­men­ta­dos, con­tri­bu­em pa­ra a ob­ten­ção, no fi­nal, de um re­sul­ta­do po­si­ti­vo e cons­tru­ti­vo, se­ja a fa­vor ou con­tra. Ago­ra, a dis­cus­são sem ba­se pa­ra ar­gu­men­ta­ção, se­ja ci­en­tí­fi­ca, mo­ral, éti­ca, po­lí­ti­ca, es­pi­ri­tu­al, ou até mes­mo pes­so­al, me­ra­men­te no pla­no do con­fron­to di­re­to de ide­ais des­to­an­tes, sur­gem co­mo um áci­do que cor­rói, não pro­por­ci­o­nan­do a cons­tru­ção de uma con­clu­são ra­ci­o­nal. É des­sa for­ma que qual­quer de­ba­te so­bre qual­quer as­sun­to per­de ao fi­car ape­nas no em­ba­te pes­so­al e emo­ci­o­nal. E sa­be­mos que, nor­mal­men­te, quan­do não há ar­gu­men­ta­ção ra­ci­o­nal pa­ra o de­ba­te in­te­li­gen­te, a al­ter­na­ti­va aca­ba sen­do a dis­cus­são ig­no­ran­te.

Um bom ouvinte tenta entender a fundo o que a outra pessoa está falando. No final pode discordar severamente, mas antes que discorde, quer saber exatamente do que é que ele está discordando.

Kenneth A. Wells

Por is­so, o ide­al an­tes de ex­pres­sar sua opi­nião so­bre qual­quer as­sun­to, é le­van­tar in­for­ma­ções, ad­qui­rir co­nhe­ci­men­tos e pre­pa­rar ar­gu­men­tos pa­ra dar con­sis­tên­cia ao seu po­si­ci­o­na­men­to, se­ja atra­vés de fon­tes de re­fe­rên­cia con­fiá­veis, quan­do há tem­po ou con­di­ções pa­ra is­so se­ja fei­to, ou, até mes­mo, com as su­as pró­pri­as ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, le­van­do em con­ta a sua re­a­li­da­de, des­de que ela se­ja per­ti­nen­te ao que se­rá de­ba­ti­do.

Do con­trá­rio, o si­lên­cio não sig­ni­fi­ca, ne­ces­sa­ri­a­men­te, a con­cor­dân­cia, mas po­de ser uti­li­za­do co­mo um ar­ti­fí­cio pa­ra evi­tar a ex­po­si­ção de uma opi­nião pre­con­cei­tu­o­sa. Ou­tra op­ção efi­caz é fa­zer um ques­ti­o­na­men­to su­til pa­ra que, as­sim, se­ja pos­sí­vel con­se­guir mais in­for­ma­ções atra­vés do pró­prio in­ter­lo­cu­tor, o que po­de­rá au­xi­li­ar a em­ba­sar ques­ti­o­na­men­tos com mais pro­fun­di­da­de e ge­rar um de­ba­te mais cons­ci­en­te, ri­co e po­si­ti­vo.

Por­tan­to, é fun­da­men­tal pa­ra o su­ces­so em qual­quer de­ba­te ter a pa­ci­ên­cia de es­cu­tar pa­ra po­der en­ten­der e de pen­sar pa­ra po­der fa­lar e ar­gu­men­tar com in­te­li­gên­cia e cla­re­za.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio