Blogueiro tem que ser jornalista?

quarta-feira, 1 de outubro de 2008 12:54 Cibercultura, Jornalismo

A in­ter­net tem si­do pal­co, no­va­men­te, de um “ve­lho” de­ba­te: o blo­guei­ro exer­ce a fun­ção do jor­na­lis­ta?

A dis­cus­são em tor­no des­ta ques­tão tem se in­ten­si­fi­ca­do a ca­da dia.

Os dois la­dos – blo­guei­ros e jor­na­lis­tas – de­fen­dem seus “in­te­res­ses” atra­vés de mui­ta ar­gu­men­ta­ção.

Por um la­do, os jor­na­lis­tas con­tes­tam, en­tre ou­tros pon­tos, a com­pe­tên­cia pes­so­al e pro­fis­si­o­nal de blo­guei­ros em de­sem­pe­nhar o pa­pel de co­mu­ni­ca­dor pa­ra a mas­sa, a fal­ta de “fun­da­men­ta­ção aca­dê­mi­ca” e ques­tões re­fe­ren­tes à le­gis­la­ção bra­si­lei­ra, em que a obri­ga­to­ri­e­da­de de pos­suir o di­plo­ma pa­ra exer­cer a pro­fis­são de jor­na­lis­ta, até ho­je, ain­da não tem uma de­fi­ni­ção fi­nal.

Por ou­tro la­do, os blo­guei­ros – prin­ci­pal­men­te aque­les com gran­de in­fluên­cia na blogs­fe­ra e na in­ter­net – de­fen­dem, en­tre ou­tros as­pec­tos, a li­ber­da­de de ex­pres­são, a com­pe­tên­cia de mui­tos blo­guei­ros em apu­rar as in­for­ma­ções com mais pro­fun­di­da­de e mais qua­li­da­de que jor­na­lis­tas e veí­cu­los de im­pren­sa tra­di­ci­o­nais, e a in­de­pen­dên­cia pa­ra po­de­rem pu­bli­car as su­as opi­niões sem es­ta­rem pre­sos aos in­te­res­ses po­lí­ti­cos, econô­mi­cos ou pes­so­ais que, em mui­tos ca­sos, nor­tei­am o con­teú­do de mui­tos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção que per­ten­cem a gran­des gru­pos em­pre­sa­ri­ais.

Ou­tra ques­tão im­por­tan­te é o fa­to de a in­ter­net e os blogs es­ta­rem mu­dan­do pa­ra­dig­mas, uma vez que, com mui­ta for­ça, es­tão que­bran­do o pri­vi­lé­gio dos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção tra­di­ci­o­nais de ge­rar e pro­pa­gar in­for­ma­ções e opi­niões com gran­de au­di­ên­cia. E es­sa cons­ta­ta­ção não é re­cen­te. Bas­ta sa­ber que, ano após ano, os nú­me­ros apon­tam que­das cons­tan­tes dos nú­me­ros de ti­ra­gem e de cir­cu­la­ção de gran­des jor­nais e re­vis­tas do mun­do, e fa­zer uma re­fle­xão so­bre os ín­di­ces de au­di­ên­cia dos gran­des ca­nais de TV e seus pro­gra­mas jor­na­lís­ti­cos, que es­tão ca­da vez me­no­res e mais di­vi­di­dos, pois já não tem os mes­mos im­pac­tos fren­te aos es­pec­ta­do­res co­mo ti­nham an­tes. Cer­ta­men­te sen­tem al­guns dos re­fle­xos da in­ter­net, co­mo os blogs e o You­tu­be, e, tam­bém, pe­lo fa­to de seus con­teú­dos “jor­na­lís­ti­cos” já não se­rem mais as­sim tão “fan­tás­ti­cos”.

Além dis­so, ou­tro pon­to a fa­vor dos blogs – e o mais re­le­van­te – é a pos­si­bi­li­da­de de o es­pec­ta­dor po­der fa­zer co­men­tá­ri­os so­bre o con­teú­do pu­bli­ca­do. É atra­vés des­tes co­men­tá­ri­os que a co­mu­ni­ca­ção se exe­cu­ta de ma­nei­ra com­ple­ta, com um emis­sor trans­mi­tin­do uma men­sa­gem atra­vés de um ca­nal e de um có­di­go co­nhe­ci­dos, um re­cep­tor aces­san­do es­sa men­sa­gem, decodificando-​a, interpretando-​a e for­man­do sua opi­nião, e, no fi­nal, ten­do a sua re­a­ção con­cre­ti­za­da atra­vés da pu­bli­ca­ção de seu co­men­tá­rio com a sua opi­nião pes­so­al so­bre o as­sun­to abor­da­do. Por­tan­to, mui­to di­fe­ren­te da co­mu­ni­ca­ção uni­la­te­ral que é re­a­li­za­da pe­la mai­o­ria dos veí­cu­los tra­di­ci­o­nais – se­ja im­pres­so ou ele­trô­ni­co –, em que ex­pres­sam a sua opi­nião so­bre os as­sun­tos que são pu­bli­ca­dos e dão pou­cas – ou ne­nhu­ma – con­di­ções pa­ra que os es­pec­ta­do­res pos­sam in­te­ra­gir e ex­pres­sar su­as idéi­as, fa­zen­do ape­nas o pa­pel de re­cep­to­res pas­si­vos.

Co­mo o blog não tem o com­pro­mis­so de ser “im­par­ci­al” co­mo de­fen­dem mui­tos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção e co­mo o que va­le aqui é a opi­nião do blo­guei­ro, o meu ponto-​de-​vista, co­mo pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção, é a fa­vor do for­ta­le­ci­men­to de to­das as fer­ra­men­tas que pos­sam con­tri­buir pa­ra ge­rar opor­tu­ni­da­des de que in­for­ma­ções e no­tí­ci­as re­le­van­tes pa­ra a so­ci­e­da­de se­jam dis­se­mi­na­das, fa­cil­men­te aces­sa­das e, prin­ci­pal­men­te, dis­cu­ti­das com os pú­bli­cos que es­tão en­vol­vi­dos ou te­nham in­te­res­se.

Acre­di­to que não é im­por­tan­te dis­cu­tir so­bre blogs e veí­cu­los tra­di­ci­o­nais. Nem so­bre blo­guei­ros e jor­na­lis­tas. Com o tem­po, ca­da um irá en­con­trar a me­lhor for­ma de as­su­mir seus pa­péis pe­ran­te a so­ci­e­da­de nes­se con­tex­to mun­di­al de mu­dan­ças cons­tan­tes. Ago­ra, o que é pre­ci­so dis­cu­tir, co­mo já dis­se aqui, é so­bre quem é o pro­fis­si­o­nal que atua co­mo co­mu­ni­ca­dor, sua qua­li­fi­ca­ção pa­ra exe­cu­tar a fun­ção ao qual se de­di­ca – in­de­pen­den­te de ter for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca em co­mu­ni­ca­ção – e o pro­du­to de seu ofí­cio, se re­al­men­te é ex­pres­si­vo, tem qua­li­da­de e aten­de as de­man­das e ne­ces­si­da­des sócio-​culturais ou em­pre­sa­ri­ais.

, , , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio