Espírito de guerrilha

sexta-feira, 26 de setembro de 2008 21:54 Comunicação, Marketing, Propaganda

A aber­tu­ra mai­or do mer­ca­do pa­ra a en­tra­da de mul­ti­na­ci­o­nais e as fu­sões de gran­des gru­pos for­man­do “gi­gan­tes” cria um sen­ti­men­to de an­gús­tia nos em­pre­sá­ri­os de pe­que­nos em­pre­en­di­men­tos que vêem a pos­si­bi­li­da­de de se­rem “es­ma­ga­dos”.

Co­mo na his­tó­ria de Da­vi e Go­li­as, a cri­a­ti­vi­da­de é a so­lu­ção pa­ra se en­fren­tar os gran­des pro­ble­mas. As­sim, os “pe­que­nos” não de­vem se as­sus­tar com o ta­ma­nho dos “mons­tros”, mas é pre­ci­so sem­pre respeitá-​los e es­tar aten­tos as su­as ações, es­tu­dan­do seus pon­tos for­tes e fra­cos, ava­li­an­do su­as qua­li­da­des e de­fei­tos, com­pa­ran­do es­sas mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas em seus pe­que­nos em­pre­en­di­men­tos, bus­can­do iden­ti­fi­car quais são as me­lho­res for­mas de enfrentá-​los efi­caz­men­te, al­can­çan­do re­sul­ta­dos po­si­ti­vos.

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.
Sun Tzu

É im­por­tan­te sa­ber que “par­tir aber­ta­men­te pa­ra a guer­ra” não é uma al­ter­na­ti­va in­te­li­gen­te. O po­der de fo­go des­ses “gran­des ini­mi­gos” é mui­to su­pe­ri­or e se­ria uma gran­de es­tu­pi­dez acre­di­tar que a vi­tó­ria se­ria al­can­ça­da des­sa for­ma. No pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co, as ações de­vem as­su­mir um es­pí­ri­to de guer­ri­lha e os “pe­que­nos” têm que apren­der a usar os fa­to­res que es­tão a seu fa­vor, co­mo ve­lo­ci­da­de pa­ra ana­li­sar in­for­ma­ções e to­mar de de­ci­sões, agi­li­da­de pa­ra ado­tar no­vas so­lu­ções e mu­dar po­si­ci­o­na­men­tos, o mai­or co­nhe­ci­men­to das pre­fe­rên­ci­as dos cli­en­tes, por man­ter re­la­ci­o­na­men­tos mais pró­xi­mos.

Na co­mu­ni­ca­ção e pro­pa­gan­da, co­mo a ver­ba tam­bém é “cur­ta” pa­ra fa­zer fren­te aos gran­des e pro­je­tar uma cam­pa­nha de im­pac­to com in­ves­ti­men­tos nos gran­des mei­os de di­vul­ga­ção tra­di­ci­o­nais co­mo TV, rá­dio, out­do­or e jor­nal, a pro­pos­ta é par­tir pa­ra so­lu­ções di­fe­ren­tes e ado­tar as “mí­di­as al­ter­na­ti­vas”. Nes­se mo­men­to tam­bém é pre­ci­so ter mui­ta cri­a­ti­vi­da­de e in­te­li­gên­cia pa­ra ava­li­ar o que po­de ser fei­to de me­lhor pa­ra se con­quis­tar os efei­tos es­pe­ra­dos.

Ad­mi­nis­trar o pe­que­no ne­gó­cio en­fren­tan­do os ad­ver­sá­ri­os co­mo se es­ti­ves­se nu­ma guer­ri­lha, ten­do a vi­são pa­ra en­con­trar so­lu­ções in­te­li­gen­tes, faz a di­fe­ren­ça de for­ças não ser mais tão te­me­ro­sa e a sur­pre­sa ser a ar­ma po­de­ro­sa nes­ses du­e­los.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio