Homem ou animal?

quarta-feira, 24 de setembro de 2008 14:17 Reflexão

Na atu­al bus­ca in­ces­san­te por me­lhor efi­ci­ên­cia, as em­pre­sas têm va­lo­ri­za­do o trei­na­men­to dos fun­ci­o­ná­ri­os pa­ra aper­fei­ço­ar su­as ro­ti­nas de tra­ba­lho, apos­tan­do nes­sa gran­de “ben­fei­to­ria”. Os fa­to­res que são con­si­de­ra­dos co­mo re­sul­ta­dos po­si­ti­vos são ex­pres­sos na re­du­ção dos nú­me­ros de va­riá­veis co­mo tem­po, des­per­dí­cio e es­for­ço, e no au­men­to de ou­tras, co­mo agi­li­da­de, pro­du­ti­vi­da­de e lu­cro.

O lu­cro, de fa­to, é o ob­je­ti­vo pri­mor­di­al pa­ra qual­quer or­ga­ni­za­ção ca­pi­ta­lis­ta e sem­pre dei­xa cla­ro que, na ca­be­ça de gran­de par­ce­la dos ges­to­res des­se sis­te­ma econô­mi­co, a ado­ção de qual­quer fer­ra­men­ta que pos­sa con­tri­buir pa­ra o seu cres­ci­men­to é vá­li­da.

Por ou­tro la­do, o sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra trei­na­men­to tam­bém é ades­tra­men­to, co­mo é apre­sen­ta­do nos di­ci­o­ná­ri­os da lín­gua por­tu­gue­sa. No ca­so, o uso des­sa pa­la­vra é evi­ta­do por ser em­pre­ga­da por nós, bra­si­lei­ros, pa­ra o trei­na­men­to ani­mal, que é o pro­ces­so ao qual sub­me­te­mos os se­res in­fe­ri­o­res e des­pro­vi­dos de ra­ci­o­na­li­da­de pa­ra ter res­pos­tas me­câ­ni­cas pro­gra­ma­das pa­ra co­man­dos que nós, se­res in­te­li­gen­tes e ra­ci­o­nais, es­ta­be­le­ce­mos. Re­su­min­do a con­ver­sa, em cer­tas si­tu­a­ções, o trei­na­men­to na ver­da­de é o ades­tra­men­to.

Nu­ma as­so­ci­a­ção mais pro­fun­da en­tre o lu­cro e o ades­tra­men­to de pes­so­as, po­de­mos che­gar à con­clu­são de que os ho­mens são tra­ta­dos co­mo ani­mais, cum­prin­do seu pa­pel ao exe­cu­tar ta­re­fas pro­gra­ma­das e or­dens de­ter­mi­na­das, nor­mal­men­te, sem ter o co­nhe­ci­men­to ma­cro dos mo­ti­vos pe­los quais ele aca­ba de­sem­pe­nhan­do su­as ati­vi­da­des den­tro das or­ga­ni­za­ções. Quan­do usa­mos os “ócu­los” da mo­ral pas­sa­mos a en­xer­gar que os ho­mens de­vem ser tra­ta­dos co­mo ho­mens, sen­do o fa­tor es­sen­ci­al pa­ra a trans­for­ma­ção de idei­as em re­a­li­da­des. O pro­ble­ma, ao meu ver, é que mui­tos ges­to­res es­tão pre­ci­san­do usar es­se “ócu­los”.

Ape­sar da me­câ­ni­ca do trei­na­men­to ser ter­rí­vel pa­ra as pes­so­as, é pre­ci­so en­ten­der que, nos atu­ais pa­drões de con­su­mo e de pro­du­ção, aca­ba sen­do im­pos­sí­vel as em­pre­sas dei­xa­rem de adotá-​la pa­ra po­der se man­ter com­pe­ti­ti­vas no mer­ca­do. As­sim, a ques­tão não é aca­bar com o trei­na­men­to, mas transformá-​lo em ca­pa­ci­ta­ção. É pre­ci­so que as em­pre­sas in­vis­tam in­te­li­gen­te­men­te na for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais pa­ra que de­sem­pe­nhem me­lhor su­as fun­ções es­pe­cí­fi­cas – mi­cro – e que co­nhe­çam o pro­ces­so co­mo um to­do – ma­cro –, pa­ra que pos­sam fi­car mais en­vol­vi­dos com a em­pre­sa, tornando-​se mais efi­ci­en­tes em seus tra­ba­lhos e en­ten­den­do a sua im­por­tân­cia na or­ga­ni­za­ção. Atu­an­do des­sa ma­nei­ra, as em­pre­sas cri­am opor­tu­ni­da­des pa­ra que as pes­so­as pos­sam cres­cer pro­fis­si­o­nal­men­te e in­te­lec­tu­al­men­te, co­la­bo­ran­do pa­ra que ali­men­tem so­nhos e al­me­jem “vôos mais al­tos”.

No pre­sen­te ce­ná­rio caó­ti­co, on­de o ho­mem es­tá per­den­do seus va­lo­res co­mo nos tem­pos da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, as em­pre­sas de­vem bus­car mu­dan­ças de pos­tu­ra no tra­ta­men­to com seus fun­ci­o­ná­ri­os. É pre­ci­so tra­tar o ho­mem co­mo ho­mem, e não co­mo ani­mal.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio