Está tudo errado

terça-feira, 16 de setembro de 2008 13:18 Etc, Reflexão

Se pen­sar­mos com pro­fun­di­da­de so­bre o mo­do de vi­da do ser hu­ma­no, sua ló­gi­ca de acu­mu­la­ção de bens e o con­su­mis­mo exa­ge­ra­do que é mo­ti­va­do pe­lo ca­pi­ta­lis­mo, po­de­mos che­gar a con­clu­são de que es­tá tu­do er­ra­do. O ho­mem exau­re os re­cur­sos na­tu­rais sem ter a pre­o­cu­pa­ção com o fu­tu­ro das pró­xi­mas ge­ra­ções e das ou­tras es­pé­ci­es ani­mais e ve­ge­tais das quais ele pró­prio de­pen­de. In­fe­liz­men­te – ou fe­liz­men­te – o tem­po de pra­ti­car atos im­pen­sa­dos sem me­dir as con­seqüên­ci­as des­sa ati­tu­de des­tru­ti­va com a na­tu­re­za e com a vi­da es­tá se es­go­tan­do.

Ho­je pe­la ma­nhã, no ca­mi­nho pa­ra o tra­ba­lho, no­tei um car­ca­rá pou­san­do nu­ma ár­vo­re na mar­gem de um rio que cor­ta a ci­da­de. Es­se rio re­ce­be o es­go­to – sem tra­ta­men­to, ló­gi­co – e fi­ca lo­ca­li­za­do pró­xi­mo do cen­tro e de bair­ros an­ti­gos da ci­da­de. Ago­ra ten­te ima­gi­nar o que le­va uma ave de ra­pi­na – mes­mo não sen­do um “pre­da­dor” de ofí­cio – a sair das ma­tas pa­ra pro­cu­rar ali­men­tos na ci­da­de. Vo­cê sa­be o mo­ti­vo? Tem gen­te que, sem o mí­ni­mo dis­cer­ni­men­to, ain­da olha e acha “bo­ni­to”. Se­rá que as plan­ta­ções de ca­na pa­ra pro­du­zir ál­co­ol po­dem res­pon­der es­sa per­gun­ta? Ou as quei­ma­das e cor­tes de ma­tas pa­ra trans­for­mar em pas­tos, cons­truir re­si­den­ci­ais de lu­xo e in­dús­tri­as? Ou o pró­prio rio ou ar po­luí­do?

Há o suficiente no mundo para todas as necessidades humanas, não há o suficiente para a cobiça humana.

Mahatma Gandhi

É la­men­tá­vel no­tar as flo­res­tas su­min­do, ani­mais sen­do ex­tin­tos e o cli­ma fi­can­do “lou­co”. E o pi­or é sa­ber que nós, hu­ma­nos, en­ten­de­mos e sa­be­mos quais são os mo­ti­vos que pro­por­ci­o­nam es­sas des­gra­ças e, mes­mo as­sim, agi­mos sem o em­pe­nho ne­ces­sá­rio pa­ra me­lho­rar es­se qua­dro, co­mo se não ti­vés­se­mos res­pon­sa­bi­li­da­des. Pa­ra en­cer­rar, re­fli­ta so­bre o as­sun­to e lembre-​se que, ce­do ou tar­de, ire­mos pa­gar o pre­ço.

, , , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio