Conversa para boi dormir

segunda-feira, 15 de setembro de 2008 13:29 Reflexão

É épo­ca de cam­pa­nha e as­sis­tir ao ho­rá­rio elei­to­ral po­de ser um bom exer­cí­cio pa­ra tes­tar a pa­ci­ên­cia – e o estô­ma­go. Ape­sar de ser um mo­men­to im­por­tan­te, pa­ra mui­tos elei­to­res me­nos – ou na­da – pre­o­cu­pa­dos com a ad­mi­nis­tra­ção das ci­da­des em que mo­ram, o te­or dos dis­cur­sos apre­sen­ta­do pe­los can­di­da­tos aca­ba sen­do in­ter­pre­ta­do co­mo se fos­se um pro­gra­ma hu­mo­rís­ti­co – ser­vin­do de mo­ti­vo pa­ra cha­co­ta em dis­cus­sões com ami­gos.

Pro­mes­sas es­drú­xu­las e de­va­nei­os sem ne­xo. Pa­la­vras que são lan­ça­das a es­mo por mui­tos can­di­da­tos que não tem las­tro mo­ral pa­ra saldá-​las de­pois de elei­tos. Men­ti­ras em ci­ma de men­ti­ras de “ho­mens” des­pre­pa­ra­dos pa­ra as­su­mir qual­quer fun­ção pú­bli­ca. Pes­so­as de­so­nes­tas e ego­cên­tri­cas que es­tão ape­nas atrás de um sa­lá­rio fá­cil e uma “te­ta pa­ra ma­mar”.

Fo­ra es­sa cor­ja e tão ruim quan­to, te­mos tam­bém um gran­de nú­me­ro de can­di­da­tos que vi­si­vel­men­te de­mons­tram pou­ca in­te­li­gên­cia – is­so pa­ra ser bon­do­so. Além da pouquís­si­ma ca­pa­ci­da­de edu­ca­ci­o­nal, mo­ti­vo que cer­ta­men­te di­fi­cul­ta e li­mi­ta a qua­li­da­de do tra­ba­lho que se­rá de­sen­vol­vi­do pe­los elei­tos, mas que, ape­sar dis­so, não po­de ser in­ter­pre­ta­da co­mo “ates­ta­do de bur­ri­ce”, no­ta­mos tam­bém que vá­ri­os can­di­da­tos pro­cla­mam dis­cur­sos sem fun­da­men­tos ló­gi­cos, sur­re­a­lis­tas, quan­do não, cre­ti­nos.

As­sim, pa­ra os elei­to­res pre­o­cu­pa­dos com o fu­tu­ro das ci­da­des e do país, a res­pon­sa­bi­li­da­de de fa­zer as es­co­lhas cer­tas nes­se ces­to cheio de ma­çãs po­dres, é um tra­ba­lho ár­duo. Mas é pre­ci­so en­ca­rar es­sa a la­bu­ta com von­ta­de e de­ter­mi­na­ção. Pri­mei­ro, é ne­ces­sá­rio des­car­tar to­dos os can­di­da­tos com pas­sa­do ne­gro e que já se en­vol­ve­ram em fal­ca­tru­as. Es­que­ça tam­bém os can­di­da­tos que tra­ba­lha­ram pou­co. Não va­mos dei­xar de ele­ger ape­nas aque­les que são de­so­nes­tos, mas tam­bém aque­les que são va­ga­bun­dos. Ana­li­se com aten­ção os bons can­di­da­tos e su­as pro­pos­tas. Pon­de­re e es­co­lha o can­di­da­to que fa­rá o me­lhor tra­ba­lho pa­ra a sua ci­da­de, pa­ra a co­mu­ni­da­de a qual vo­cê es­tá in­se­ri­do. Não pen­se ape­nas no que é me­lhor pa­ra vo­cê. Não fa­ça ca­ri­da­de – ou co­mér­cio – com seu vo­to ele­gen­do pes­so­as des­pre­pa­ra­das, des­qua­li­fi­ca­das, fal­sas. O vo­to é a sua fer­ra­men­ta de mu­dan­ça e é ele que lhe da­rá opor­tu­ni­da­des pa­ra me­lho­rar o ce­ná­rio da ci­da­de on­de vi­ve. Por­tan­to, pen­se mui­to bem em quem irá vo­tar e che­ga de ou­vir con­ver­sa pa­ra boi dor­mir.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio