Complicar o que é fácil

quarta-feira, 10 de setembro de 2008 17:06 Etc

Den­tro das or­ga­ni­za­ções – ge­ral­men­te das “gran­des” –, tra­ba­lhos que po­de­ri­am ser exe­cu­ta­dos de ma­nei­ra mais sim­ples se hou­ves­sem ob­je­ti­vos cla­ros e bem de­fi­ni­dos, um pla­ne­ja­men­to re­fi­na­do dos pro­ces­sos e a ori­en­ta­ção ade­qua­da do pes­so­al, o que exi­gi­ria es­for­ços me­no­res, mui­tas ve­zes aca­bam se tor­nan­do ver­da­dei­ros “de­sa­fi­os” gra­ças a mui­tos fa­to­res co­mo a fal­ta de or­ga­ni­za­ção, de de­fi­ni­ção de pri­o­ri­da­des pa­ra a em­pre­sa e de in­com­pe­tên­cia de pro­fis­si­o­nais da equi­pe. Es­sa si­tu­a­ção ge­ra um des­per­dí­cio des­ne­ces­sá­rio de tem­po e de re­cur­sos.

É pre­ci­so es­tar aten­to e per­ce­ber quan­do a men­ta­li­da­de da equi­pe ou de al­gu­mas pes­so­as par­te pa­ra o sis­te­ma de “com­pli­car o que é fá­cil”, se­ja por ter ten­dên­cia ao per­fec­ci­o­nis­mo, in­com­pe­tên­cia ou, em si­tu­a­ções mais gra­ves, por in­sa­tis­fa­ção com o tra­ba­lho.


Nintendo aproveita o tema para satirizar relacionamento com clientes

To­dos os tra­ba­lhos que apre­sen­tam “sin­to­mas” co­mo de­fi­ci­ên­ci­as, atra­sos, fa­lhas, de­sor­ga­ni­za­ção, in­co­e­rên­cia, en­tre ou­tros, de­vem ser ana­li­sa­dos e re­for­mu­la­dos já que, cer­ta­men­te, os re­sul­ta­dos se­rão ne­ga­ti­vos, co­mo num or­ga­nis­mo on­de um “ór­gão” do­en­te po­de afe­tar ou­tros ór­gãos que es­tão sa­di­os, pre­ju­di­can­do o cor­po co­mo um to­do.

É mui­to im­por­tan­te cons­ci­en­ti­zar e en­vol­ver to­das as pes­so­as, con­tan­do com a equi­pe pa­ra que os pro­ble­mas se­jam di­ag­nos­ti­ca­dos, ana­li­sa­dos, que a so­lu­ção se­ja de­sen­vol­vi­da e im­plan­ta­da. A “lei do si­lên­cio”, a len­ti­dão ou a fal­ta de com­pro­me­ti­men­to pa­ra se re­sol­ver os pro­ble­mas de­vem ser evi­ta­dos pa­ra não aca­bar ge­ran­do uma “bo­la de ne­ve” on­de a si­tu­a­ção po­de se agra­var ca­da vez mais, pre­ju­di­can­do não ape­nas a em­pre­sa in­ter­na­men­te mas, tam­bém, os cli­en­tes com pro­du­tos ou ser­vi­ços de qua­li­da­de in­fe­ri­or.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio