Complicar o que é fácil

quarta-feira, 10 de setembro de 2008 17:06 Etc

Dentro das organizações – geralmente das “grandes” –, trabalhos que poderiam ser executados de maneira mais simples se houvessem objetivos claros e bem definidos, um planejamento refinado dos processos e a orientação adequada do pessoal, o que exigiria esforços menores, muitas vezes acabam se tornando verdadeiros “desafios” graças a muitos fatores como a falta de organização, de definição de prioridades para a empresa e de incompetência de profissionais da equipe. Essa situação gera um desperdício desnecessário de tempo e de recursos.

É preciso estar atento e perceber quando a mentalidade da equipe ou de algumas pessoas parte para o sistema de “complicar o que é fácil”, seja por ter tendência ao perfeccionismo, incompetência ou, em situações mais graves, por insatisfação com o trabalho.


Nintendo aproveita o tema para satirizar relacionamento com clientes

Todos os trabalhos que apresentam “sintomas” como deficiências, atrasos, falhas, desorganização, incoerência, entre outros, devem ser analisados e reformulados já que, certamente, os resultados serão negativos, como num organismo onde um “órgão” doente pode afetar outros órgãos que estão sadios, prejudicando o corpo como um todo.

É muito importante conscientizar e envolver todas as pessoas, contando com a equipe para que os problemas sejam diagnosticados, analisados, que a solução seja desenvolvida e implantada. A “lei do silêncio”, a lentidão ou a falta de comprometimento para se resolver os problemas devem ser evitados para não acabar gerando uma “bola de neve” onde a situação pode se agravar cada vez mais, prejudicando não apenas a empresa internamente mas, também, os clientes com produtos ou serviços de qualidade inferior.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio