Páginas da vida

sexta-feira, 5 de setembro de 2008 10:35 Etc, Reflexão

Os olhos fi­ca­ram can­sa­dos de ver le­tras e pa­la­vras per­di­das em pá­gi­nas que se fo­ram. Ver­me­lhos, pe­sa­dos, bai­xos, can­sa­dos. Fo­lhe­ou, olhou pa­ra to­das, mas não deu a aten­ção ne­ces­sá­ria pa­ra ler o con­teú­do de ca­da uma de­las. Uma boa par­te, ape­nas es­pi­ou su­per­fi­ci­al­men­te. É uma iro­nia sa­ber que te­ve ali a chan­ce de apren­der to­dos os en­si­na­men­tos con­ti­dos nes­sas pá­gi­nas e, de al­gu­ma for­ma, não apro­vei­tou a oportunidade.

Se ti­ves­se agi­do de for­ma di­fe­ren­te, po­de­ria, tal­vez, com­pre­en­der me­lhor a im­por­tân­cia de to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as que pas­sa­ram di­an­te dos olhos, in­de­pen­den­te de seu ta­ma­nho e im­pac­to. Por me­nor que se­ja a li­ção, se for bem apren­di­da, ela po­de con­tri­buir pa­ra al­can­çar o su­ces­so e a fe­li­ci­da­de na vi­da. Se­não, cer­ta­men­te, ao me­nos in­di­ca uma di­re­ção pa­ra evi­tar­mos co­me­ter er­ros. E evi­tar er­ros já é um gran­de negócio.

Ca­da le­tra, pa­la­vra e pá­gi­na, li­das ou “vis­tas”, aca­bam sen­do ane­xa­das no li­vro de nos­sas vi­das. Os ca­pí­tu­los são mui­tos e a his­tó­ria, ge­ral­men­te, é lon­ga. Os te­mas va­ri­am de acor­do com seu au­tor, com os ca­mi­nhos que ele de­ci­de per­cor­rer e, es­sen­ci­al­men­te, com gran­de in­fluên­cia dos per­so­na­gens que par­ti­ci­pam de sua his­tó­ria. As­sim, es­cre­ver uma be­la his­tó­ria de­pen­de de inú­me­ros fatores.

A vida é uma sucessão de lições que precisam ser vividas para serem entendidas.

Thomas Carlyle

E nu­ma be­la his­tó­ria, al­gu­mas ve­zes, es­cre­ve­mos pá­gi­nas com er­ros que ma­go­am aque­les que nos en­chem de ale­gria. Con­se­gui­mos ser in­jus­tos e to­los, pro­mo­ven­do a tris­te­za de quem não me­re­ce. É du­ro olhar­mos pa­ra os er­ros que co­me­te­mos e que po­de­ría­mos ter evi­ta­do sem di­fi­cul­da­des. É tris­te per­ce­ber que, por fra­que­za, por ima­tu­ri­da­de, por pra­ti­ca­men­te na­da, fe­ri­mos o co­ra­ção de quem nos ama e ama­mos de ver­da­de. Quan­do en­con­tra­mos es­sas pá­gi­nas – ou tra­ça­mos ca­mi­nhos pa­ra encontrá-​las – di­fí­ceis em nos­sa his­tó­ria, é pre­ci­so ser for­te pa­ra as­su­mir os er­ros, ser hu­mil­de pa­ra pe­dir des­cul­pas, e ser es­pe­ran­ço­so pa­ra re­ce­ber o re­co­nhe­ci­men­to do per­dão. É des­sa for­ma que, jun­to à pes­soa que ama­mos, po­de­re­mos vi­rar es­sas pá­gi­nas tris­tes e es­cre­ver no­vos ca­pí­tu­los, com a con­vic­ção de que as ex­pe­ri­ên­ci­as ne­ga­ti­vas são vá­li­das pa­ra nos­so cres­ci­men­to pes­so­al e espiritual.

, , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio