Comunicação em xeque

sexta-feira, 29 de agosto de 2008 14:35 Comunicação

Ser pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção no Bra­sil é uma pi­a­da – sem gra­ça. Pa­ra co­me­çar, as en­ti­da­des que “re­pre­sen­tam” jor­na­lis­tas, pu­bli­ci­tá­ri­os, re­la­ções pú­bli­cas e de­sig­ners mos­tram pou­co res­pal­do e for­ça jun­to ao go­ver­no, até pa­ra ques­tões es­sen­ci­ais co­mo a re­gu­la­men­ta­ção des­sas pro­fis­sões. E es­se é o pon­to fun­da­men­tal pa­ra pre­ser­var e va­lo­ri­zar qual­quer pro­fis­são. Ao cri­ar leis e nor­mas é pos­sí­vel evi­tar que pro­fis­si­o­nais pi­ca­re­tas sem co­nhe­ci­men­tos, sem for­ma­ção e qua­li­fi­ca­ção téc­ni­ca ade­qua­da, sem éti­ca, atu­em de for­ma ir­res­pon­sá­vel, mas­sa­cran­do o mer­ca­do e ge­ran­do ró­tu­los ne­ga­ti­vos pa­ra to­dos os pro­fis­si­o­nais da área.

Por um la­do, no ca­so es­pe­cí­fi­co dos jor­na­lis­tas, em que a pro­fis­são é re­gu­la­men­ta­da, o pro­ble­ma é a lon­ga dis­cus­são da lei que exi­ge di­plo­ma de cur­so su­pe­ri­or de jor­na­lis­mo pa­ra a prá­ti­ca da pro­fis­são. Mas, afi­nal, quem le­va van­ta­gem em li­be­rar o exer­cí­cio da pro­fis­são pa­ra qual­quer ama­dor? Os veí­cu­los ten­den­ci­o­sos que de­fen­de gru­pos e pes­so­as des­ca­ra­da­men­te? Os veí­cu­los que omi­tem ou mas­ca­ram a ver­da­de? Os “ja­ba­zei­ros”? Se a ca­te­go­ria ne­ces­si­ta de pro­fis­si­o­nais qua­li­fi­ca­dos pa­ra ter cre­di­bi­li­da­de, na­da mais ób­vio do que exi­gir uma for­ma­ção edu­ca­ci­o­nal ade­qua­da.

Pa­ra­le­lo a is­so, um exem­plo in­te­res­san­te é a vul­ga­ri­za­ção do ter­mo mar­ke­ting. Fo­ge um pou­co do te­ma prin­ci­pal des­se tex­to, mas co­mo o mar­ke­ting es­tá sem­pre re­la­ci­o­na­do com a pro­pa­gan­da, va­le fa­zer es­sa ci­ta­ção. O uso da pa­la­vra mar­ke­ting tem si­do tão mal em­pre­ga­do em vá­ri­os seg­men­tos que, nor­mal­men­te, es­tá sen­do as­so­ci­a­da a qual­quer ti­po de ati­vi­da­de. Ho­je é co­mum ou­vir al­guém di­zer que es­tá fa­zen­do um “mar­ke­ting” da em­pre­sa ao en­tre­gar pan­fle­tos nas ru­as, ao fa­zer aque­las pro­mo­ções ba­ru­lhen­tas no pon­to de ven­da, ao co­lo­car uma te­le­fo­nis­ta cha­ta, com voz ir­ri­tan­te, li­gan­do de for­ma ale­a­tó­ria pa­ra qual­quer um – prin­ci­pal­men­te pa­ra aque­les que não são o público-​alvo da em­pre­sa – pa­ra ofe­re­cer pro­du­tos que não pre­ci­sam. E, o pi­or, é que já foi ins­ti­tuí­do até o car­go do pro­fis­si­o­nal que cui­da dis­so. É ele, o mar­que­tei­ro.

Os RPs (re­la­ções pú­bli­cas) aca­bam so­fren­do uma si­tu­a­ção pa­re­ci­da a re­tra­ta­da. Nes­sa área é co­mum que os pro­fis­si­o­nais se­jam ro­tu­la­dos co­mo “aque­les que fa­zem as fes­ti­nhas” e gas­tam o di­nhei­ro das em­pre­sas. Um pro­ble­ma sé­rio é que, em mui­tos ca­sos, o tra­ba­lho de re­la­ci­o­na­men­to com cli­en­tes, for­ne­ce­do­res, fun­ci­o­ná­ri­os, so­ci­e­da­de, veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção, aca­ba, ge­ral­men­te, não sen­do re­co­nhe­ci­do ou lem­bra­do. E is­so acon­te­ce por­que boa par­te dos ad­mi­nis­tra­do­res das em­pre­sas tem, ain­da, uma vi­são nu­mé­ri­ca e quan­ti­ta­ti­va, sen­do in­com­pe­ten­tes pa­ra con­se­guir ava­li­ar o tra­ba­lho pe­la qua­li­da­de e seu re­sul­ta­do jun­to aos pú­bli­cos de in­te­res­se.

Já so­bre os pu­bli­ci­tá­ri­os e os de­sig­ners, a ques­tão é bem crí­ti­ca. Não há uma re­gu­la­men­ta­ção sé­ria pa­ra es­sas pro­fis­sões. Ho­je, qual­quer pes­soa que se auto-​intitula pu­bli­ci­tá­rio ou de­sig­ner, in­de­pen­den­te de ter ou não for­ma­ção edu­ca­ci­o­nal ou téc­ni­ca, aca­ba con­quis­tan­do o re­co­nhe­ci­men­to co­mo tal, se­ja pe­lo mer­ca­do, tra­ba­lhan­do em em­pre­sas ou agên­ci­as, se­ja atra­vés de cli­en­tes que aten­de co­mo pro­fis­si­o­nal li­be­ral. E ain­da pi­or, as pró­pri­as “as­so­ci­a­ções dos pro­fis­si­o­nais”, em al­guns ca­sos, acei­tam a ins­cri­ção de pro­fis­si­o­nais pes­so­as nes­sas con­di­ções, certificando-​as com um tí­tu­lo ao qual po­dem ser in­com­pe­ten­tes pa­ra as­su­mir.

As­sim, no mer­ca­do de pu­bli­ci­da­de e de­sign, a qua­li­da­de dos ser­vi­ços ofe­re­ci­dos pe­los pro­fis­si­o­nais os­ci­la mui­to. E pa­ra ates­tar es­sa afir­ma­ção bas­ta ir à rua e olhar out­do­ors, pla­cas, fa­cha­das e ma­te­ri­ais pro­mo­ci­o­nais, ver anún­ci­os em jor­nais e re­vis­tas, e no­tar que são mui­tos os exem­plos de tra­ba­lhos de má qua­li­da­de. Além dis­so, a ques­tão da guer­ra de pre­ços é ím­par. Mui­tas ve­zes torna-​se ri­dí­cu­lo dis­cu­tir va­lo­res com cli­en­tes que fa­zem co­ta­ções e op­tam pe­lo lei­lão re­ver­so pa­ra exe­cu­tar um tra­ba­lho. Os ser­vi­ços ofe­re­ci­dos por um pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção, as­sim co­mo os de um ad­vo­ga­do, um mé­di­co ou um en­ge­nhei­ro, não tem sua qua­li­da­de pa­dro­ni­za­da. Por­tan­to, o ho­no­rá­rio que ele es­ta­be­le­ce es­tá re­la­ci­o­na­do com seus co­nhe­ci­men­tos, su­as com­pe­tên­ci­as e ex­pe­ri­ên­ci­as, e prin­ci­pal­men­te, com sua cre­di­bi­li­da­de jun­to aos cli­en­tes.

Pa­ra fi­na­li­zar, não po­de­mos afir­mar que es­sas ques­tões pro­ble­má­ti­cas se­ri­am re­sol­vi­das com a re­es­tru­tu­ra­ção ou for­ma­ção de con­se­lhos mais ri­go­ro­sos e sé­ri­os, to­man­do co­mo re­fe­rên­cia, por exem­plo, a for­ça e cre­di­bi­li­da­de da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil. Mas, cer­ta­men­te, se­ri­am im­ple­men­ta­das me­lho­ri­as pa­ra a área, tan­to pa­ra os pro­fis­si­o­nais que con­ta­ri­am com mais res­pal­do jun­to à so­ci­e­da­de e às em­pre­sas, co­mo tam­bém pa­ra o mer­ca­do, que ga­nha­ria na qua­li­da­de dos ser­vi­ços.

, , , , ,

Faça seu comentário

Utilize o formulário abaixo ou comente via Facebook.

As opiniões expressas nos comentários são de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es). Os comentários poderão ser apagados caso contenham ofensas, mensagens preconceituosas, de ódio ou que estejam em letras maiúsculas. Não há moderação de opinião, independente do posicionamento. O objetivo é favorecer o debate para que o mesmo seja o mais livre possível, dentro de um mínimo de bom senso. Leia as regras.

Confira alguns trabalhos do nosso Portfólio